Vida, por Leandro Campos Alves.

Vida, por Leandro Campos Alves.

Vida.

 

Não sei se vivo a vida,

ou se é ela que vive em mim,

sendo apenas minha grande amiga,

ou quem sabe outrora,

minha própria inimiga.

 

Sou instrumento de seus desejos,

que sendo ela moleca, e sorrateira,

algumas vezes se faz de zombeteira.

 

Acordo em minutos e vejo,

que também tenho desejos.

Porém a vida corriqueira,

mim leva em seus braços,

deixando meu ser no caminho

de seus entre laços.

 

Mostrando ser ela,

não só aquela companheira,

mas sim...

Dona de minha reles alma,

sendo a senhora verdadeira,

de minha vida estradeira,

neste mundo abstrato,

de nossos próprios atos.

 

Vida bem vivida,

ou apenas construída.

Ela tem os seus encantos,

impõe medo aos profanos.

 

Mas é ela grande amiga,

e sabe à hora até de nossa partida.

Penso em sonhos hilariantes,

e vejo a vida erguida,

na base de minha história,

que deixo na minha memória.

 

Penso e reflito firme,

Sou eu que vivo a vida,

ou a vida que vive em mim.

Assim levo o meu viver,

até o fim do meu ser. 

Leandro Campos Alves.

Poema da antologia Além do Olhar.

ISBN: 978-85-8290-025-3

2014.

 

 


 

Obrigado aos meus amigos leitores pela visita, e fiquem com Deus.

 

 
Número de páginas: 103 

Edição: 1(2015) 

Formato: A5 148x210 

Coloração: Preto e branco 

Acabamento: Brochura c/ orelha 

Tipo de papel: Offset 90g
 

Meus Poemas.

Perda.

    A noite desce no horizonte, e faz-me ver como sinto sua falta. Eu procuro em minhas lembranças, o vestígio do nosso amor. Mas qual amor? Se lhe magoei, humilhei e lhe deixei.   Naquele dia vi suas lágrimas clamarem meu carinho, o meu abraço e meu calor. Senti você suplicar um...

Pétalas de Outono.

  Ao ver-te. Meu peito sucumbiu à paixão. Ao falar-te. Aumentou o palpitar deste pobre coração.   Seu cheiro suave abraçou-me, Você carinhosamente envolveu-me. Senti  por ti o desejo aumentar minha emoção. Minha vida então a pus em suas mãos.   Perpetuei-te e admirei-te. Com...

O Sol e a Lua, amantes perfeitos.

foto pixabay dominio publico                  A névoa do amanhecer arde a pele dos homens e ofusca a visão do dia.         No passar dos minutos, os raios solares vem quebrando...

Acróstico para Álvares de Azevedo, por Leandro Campos Alves.

Acróstico para Álvares de Azevedo.   Alma de poeta, Livre como uma criança. Viveu no Rio de Janeiro Álvares de Azevedo. Romancista, poeta e cronista, Eis que morreu cedo. Saudoso menino Paulista.   Deixou vários poemas e manuscritos, E só uma por ele preparada para ser...

Carta a Humanidade, por Leandro Campos Alves.

Carta a Humanidade. Algumas vezes apontamos as falhas dos outros. Mas que falhas? Se não conseguimos encontrar as nossas próprias.   Somos errantes sim! Mas devemos aprender com nossos erros, e não lhes ocultar nas sombras dos outros. A vida é mesmo engraçada. Ou quem sabe irônica? Não...
<< 10 | 11 | 12 | 13 | 14 >>