Vendedor de Ilusão, por J.R.Viviane

Vendedor de Ilusão, por J.R.Viviane

        Conheci virtualmente meu confrade Escritor e Cronista, que com muito respeito e carinho convidou-me para conhecer seu trabalho, e eu como bom apreciador de belas obras não posso deixar de apresentar aos amigos leitores esta obra literária que conheci em seu blog, "Vendedor de Ilusões".

        Um trabalho de respeito e dedicação, que no passar do tempo abriu as portas de seu blog para divulgação de trabalhos de alguns de seus amigos escritores.

 

        O escritor J.R.Viviani é paulista da Capital, nascido aos 3 de maio de 1946, engenheiro por formação, autor por opção, há anos escreve pelo puro prazer de escrever dramas, contos e romances na expectativa de levar o leitor a um mundo de sonhos, fantasias e encantamento...

 

                                                      


        O Vendedor de Ilusão foi criado em 17/12/2011 com o objetivo inicial de divulgar minhas obras, passando, logo a seguir, a publicar crônicas ou divulgando a literatura nacional em apoio a Autores Independentes; todavia, dando maior ênfase à sua finalidade básica original que é a de divulgar meus livros estimulando o leitor a lê-los, assim como divulgar notícias relevantes e significativas da nossa literatura que, segundo meu critério, possam contribuir de forma eficaz enriquecendo o conhecimento do leitor. 

                Fontes do blog: Vendedor de Ilusão

 

Conheçam uma de suas obras:

 

  “Sem ação...”

 

        Numa dada manhã de domingo; uma manhã ensolarada de céu limpo, temperatura amena e agradável, silenciosa e tranquila, com pouquíssimo movimento pelas ruas, lá ia ele, sentindo os solavancos e ouvindo os chiados intermitentes, sentado no banco pouco confortável do ônibus quase vazio, indo de volta pra casa depois de uma noite intensamente vivida.

        Manhã prazerosa que exaltava ainda mais a satisfação da luxuriosa noite de amor que teve; noite em que se entregou com lascívia à volúpia desenfreada e aos delírios incontidos da paixão que o deixaram completamente fatigado e exaurido, – entregue, sentindo até as pernas bambas. Nem mesmo o banho frio que, logo cedo pela manhã, tomou no hotel onde passou a noite, foi suficiente para refazê-lo.

        Ainda com os cabelos molhados, sentindo-se esgotado, com os braços esticados segurando no banco da frente tentando se equilibrar dos movimentos do ônibus, de cabeça erguida, – observando pelo para-brisa o trajeto do ônibus – lá ia ele ao lado da sua cúmplice: sua adorada jovem amante, também com os cabelos ainda molhados do banho, dando-lhe a impressão de ser ainda mais bonita do que já era, enaltecendo a satisfação e o prazer da extasiante noite que juntos tiveram. 

        Sentindo a pressão da mão dela na perna tentado se apoiar para também se equilibrar do movimento de vai e vem do ônibus, e vendo-a esboçar sorrisos encantadores que externavam imensa satisfação, calado – sem dizer palavra, olhando aqui e acolá por onde passavam, lá ia ele ao lado dela, apesar da fadiga, com o coração em chamas...

        No silêncio dos dois, o ruído estridente e o sacolejar do ônibus, aos relances, eles trocavam sorrisos, e assim iam...

        Dali a pouco, distraído olhando pra cá e pra lá, ele sentiu a mão dela lhe apertar ainda mais a perna. Nisso, olhou pra ela e a viu lhe olhando com expressão enigmática – esboçando sorrisos marotos e não menos sensuais, porém sem dizer nada, permanecia calada lhe olhando... Com isso, ele foi induzido a pensar ser prazer o que ela expressava e sentia, mas sem entender o porquê e não ter certeza do gesto e dos olhares dela, também não disse nada e continuou olhando pra frente.

        Não demorou muito, entre uma freada e outra, com o ônibus parando e saindo, pessoas subindo e descendo, ela apertou outra vez sua perna e quebrou o silêncio:

        — Você sabe o que a “peixinha” falou pro “peixinho”? – perguntou ela lhe sorrindo.

        Ele olhou espantado, não entendeu absolutamente nada e nem o porquê da pergunta e não respondeu de pronto, já imaginando ser uma “pegadinha”, uma “piada” ou coisa assim, só depois, depois mais pensar e ainda cheio de dúvida e até precavido ele respondeu:

        — Não, não sei! – respondeu ele, e aos sorrisos, já esperando ouvir alguma coisa engraçada, continuou. O que ela falou?

        — Sou “apeixonada” por você. – disse ela sorrindo um sorriso de expectativa.  

        Ele não achou graça nenhuma, e muito menos entendeu o trocadilho; ficou calado olhando pra ela pensando:

        “Apeixonada?... Que graça tem nisso?”

        Pensou já achando tudo uma grande bobagem. O que tinha a ver a “peixinha” e o “peixinho” com eles? Por que ela disse: “apeixonada” e não apaixonada? Que conversa era aquela? Só podia ser bobagem mesmo; bobagem que não dava pra entender. Todavia, pra que ela não se sentisse frustrada, decepcionada ou coisa parecida, não comentou, ficou olhando pra ela aos sorrisos, porém eram meios-sorrisos – sorrisos de dúvida, e ela, claro, não deixou de perceber. Mas não se falaram, continuaram olhando pra frente observando o trajeto do ônibus.

        Dali a pouco, ela voltou:

        — E sabe o que eu falo pra você?

        Ele olhou mais espantado ainda, só que agora cheio de curiosidade, tentando fazer correlação com o que ouvi. Ela devia ter usado o que a “peixinha” disse ao “peixinho” para ter um pé, uma forma sagaz e astuta de dizer o que queria; imaginava isso, entretanto, não fazia nem ideia do que ouviria depois de responder a pergunta:

        — Não, não sei! – respondeu e ficou olhando pra ela cheio de curiosidade aguardando com expectativa o que ela diria.

        Ela ouviu a resposta, baixou o olhar aos sorrisos, e ficou, por momentos, sorrindo dando a nítida impressão de estar comedida, prudente ou receosa pensando antes de complementar, e ele ávido de expectativa.

        Em seguida, ela levantou o olhar e olhou, agora, com semblante sóbrio, sem, entretanto, deixar de esboçar os sorrisos cativantes que, como sempre, emoldurava seu rosto de boneca, falando em tom meigo quase inaudível:

        — Sou apaixonada por você... – murmurou fitando-lhe os olhos notadamente querendo ser convincente, lhe apertando a perna com mais força ainda.

        O coitado ouviu, e dessa vez, não ficou espantado, ficou abestalhado, aturdido. Tá certo que ele presumia de que ela gostasse dele, tinha quase absoluta certeza disso, porém não esperava jamais ouvir uma declaração como aquela e dita de forma irresistivelmente encantadora. Era de inebriar, de sentir-se embevecido, de tirar as palavras; se não sabia o que pensar muito menos o que falar, – como não falou. Permaneceu calado, olhando pra frente e sorrindo feito um bobo.

        Se não bastasse ouvir o que ouvi, ela voltou no mesmo tom extasiante, lhe apertando a perna parecendo querer esmagá-la com a mão, lhe olhando, de rosto quase colado e se expressando de forma mais sensual ainda:

        — Você é meu “cacho”... – disse ela aos sorrisos. 

        Nessa hora ele sentiu um “engasgo” seco descendo garganta abaixo e arrepios correndo pela espinha indo desde os dedos dos pés até à nuca, lhe deixando trêmulo de emoção. Se já se sentia cativado por ela, depois disso então... Era demais ouvir... De engrandecer qualquer um. Pois não era uma simples palavra que ela usava, e sim uma expressão com a qual as mulheres, na época, conotavam e enfatizavam seu inegável e incondicional amor por alguém.

        E ele sabia muito bem do seu significado. Era comparar alguém a um cacho de uva, de fruto doce saboroso e irresistível, porém cheio de “galhos” toleráveis, admitidos e aceitos, o que sem dúvida alguma, mexia com brio exaltando e enlevando o amor-próprio e o orgulho de qualquer homem. 
        Com isso, mesmo envaidecido e com a autoestima enobrecida, ele parecia ter perdido a fala – que ficou mudo, sem palavras para exprimir o que sentia.         Naquele instante, a emoção era muito mais forte do que ele e não lhe permitia falar nada; permaneceu, aos sorrisos, sentindo extremo e imensurável orgulho, de olhos baixos olhando o assoalho do ônibus completamente sem ação... 

 

Texto Copla Blog Vendedor de Ilusão, por J.R.Viviane.

        

        Para conhecer mais de seus trabalhos, convido aos amigos e leitores a visitarem sua página através do Link: vendedordeilusao.blogspot.com.br/.

 

        Para adquirir suas obras acessem sua página em nossa Editora pelo link: www.clubedeautores.com.br/authors/47456

 

 

Aos todos nossos amigos agradecemos a visita e fiquem com Deus.

Escritores Convidados.

Ana Sampaio

    Ana Luiza Sampaio, reside em Belo Horizonte/MG, Brasil. Graduanda em Serviço Social e Filosofia. Certificado de “Amigos da Paz, das Artes, da Poesia e da Vida” – realização da Embaixada da Paz – CUEP, Rede Catitu, Alô Vida e Centro Cultural Lagoa do Nado, 2013 – Belo...

ALMIR ZARFEG

        Poeta e jornalista. Preside a Academia Teixeirense de Letras (ATL). É autor de mais de 20 livros entre os gêneros: poemas, crônicas, contos, novela, infantojuvenil e reportagem.Integra diversas instituições literárias dentro e fora do país. Iniciou-se na...

ALEXANDRA MAGALHÃES ZEINER

    Alexandra Magalhães Zeiner é mãe, aprendiz das letras, curadora, tradutora, professora, acima de tudo uma sonhadora. Nascida em Fortaleza, hoje cidadã do mundo, residiu em vários países quando trabalhava como pesquisadora. Desde 2012 foi adotada pela Alemanha. Tem cinco livros...

ALDIRENE MÁXIMO

Antologista, biblioterapeuta, blogueira, cronista, escritora, narradora de histórias, palestrante, poeta, professora, psicopedagoga e revisora de textos.   LIBERTADOR Libertador: Que liberta a dor:  O Amor!   PAZ Ouvindo mais  Falando menos...  Aprendendo...

ADILSON QUEVEDO

Adilson Luiz Quevedo, ficcionista, mestre em filosofia pela UFMG, trabalhou no Palácio das Artes, Biblioteca Estadual de Minas Gerais e Cine Belas Artes. Atuou na Diretoria de Ações Culturais da UFMG e no projeto Filosofia na Praça. Em 2015 publicou um livro de contos intitulado A volta ao mundo...

Isa Ma da Silva

        Maria Aparecida da Silva, nascida em Barra Mansa, RJ, no dia 21-08-51, empresária de moda e beleza, aposentada!         Estudou no Grupo escolar Henrique Zamith e Barão de Aiuruoca, divorciada, três filhos e três netos.  ...

Poeta Marcos Horto

        A Fan Page do Poeta Marcos Horto é um sucesso de visualizações, com mais de 14.000 curtidas, seu trabalho encanta com seus banners e poemas, que encantam os olhos e o coração.         O Poeta também tem seus trabalhos divulgados no...

Mariano Valverde Ruiz

        Los versos acortan distancias, continén y conocimientos, nos muestra la cultura de otros idiomas, simplemente belissiomo el trabajo de este poeta que acabo de conocer sus textos y biografía.         Enhorabuena al poeta Mariano...

Altieres Rocha

        Meu amigo Altieres, me curvo em referência aos seus versos, a coragem de expor para ajudar o próximo, a sabedoria lírica dos versos, o mostrar da paixão desnuda de uma alma pura, a superação em pessoa e versos.         Parabéns...

Isaías Medina López

        Hoje a literatura não tem mais fronteiras, idiomas e separação de gêneros.         Território é a representação dos limites geográficos de nações, porém o talento literário rompe estas barreiras e nos presenteiam com amizades de...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>