Tempo, por Leandro Campos Alves.

   Tempo, por Leandro Campos Alves.
   TEMPO. 
 

Gostaria de ter o poder sobre o tempo,
tempo saudoso,
tempo virtuoso, 
mas cruelmente maldoso. 

Ah passado distante da vida real, 
presente indiscreto, 
e futuro incerto. 

Juventude perdida, 
num laço da vida, 
que me lembro da sua partida.

Ah tempo, Tempo, tempo...
Que na cronologia passa rápido demais,
e nos deixa apenas as lembranças, 
nelas as antigas esperanças. 

Hoje homem, mulher ou criança, 
para nós ontem o tempo passou, 
em seu rastro ele nem nos saudou. 
Deixando um gosto da vida, 
vivida, 
porém mal curtida.

Ah tempo que não se tem controle,
carrasco dos homens. 
Ao passar por nós,
deixa-nos a melancolia saudosa da nossa juventude. 
Com a lembrança dos nossos amigos, 
que certamente mais que amigos, irmãos, 
companheiros e amores de nossa vida. 
Que um dia fizeram parte de nós,
mas que esse tempo algoz, 
decepou-nos, 
amordaçou-nos, 
enterrou em nossas próprias lembranças. 
Nossos juramentos de amizades eternas, 
feitas ainda quando crianças. 

Ah tempo impetuoso.
Em seu caminho segue ceifando suas vitimas, 
sem olhar para trás,
deixando o seu sinal tubuloso, 
e marcas nas suas frontes, 
dos obstáculos da idade, 
que não somos capazes de transpô-los, 
deixando-nos sequelas. 
Das saudades talvez, 
ou do passado outra vez... 

Ah tempo. Tempo.. Tempo...


Autor Leandro Campos Alves
 
 
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Diversos, Autores
Nasce um poeta- “Coletânea de poemas e contos”/
Autores diversos. São Paulo-SP
Organização: Zulmar Pessoa de Lima Tamburu
Editora Vale dos Livros, 2014.
ISBN 978-85-64706-46-0
1. Ficção e contos brasileiros
2. Poesia brasileira
I. Título. Nasce um Poeta.

 

 

 

Obrigado aos meus amigos leitores pela visita, e fiquem com Deus.

 

 
Número de páginas: 103 

Edição: 1(2015) 

Formato: A5 148x210 

Coloração: Preto e branco 

Acabamento: Brochura c/ orelha 

Tipo de papel: Offset 90g
 

Meus Poemas.

Brumadinho.

Sombra a morte, no vale do desespero. Estrondoso dia, de lama, dor e enterro.   Fúria da natureza, na ruptura da obra humana. Desrespeito da força estática, levando no torso a dor, água e lama.   O vale se faz noite, o choro ecoa e reclama. A saudade daqueles, que deixou aqui quem os...

Grande final da Liga Mantiqueira de Motocross, em Liberdade MG.

        O ronco dos nossos motores, chora em silêncio a sua partida. Valeu Companheiro.                           Gabriel Ribeiro #13 Autor da Frase: Leandro Campos Alves.   Homenagem...

A morte!

A morte expressa o medo. Mas que medo? Medo do que? Nascemos e somos levados ao batismo, cremos em Cristo, na ressurreição e na vida eterna. Então não seria a morte a consagração do que na vida esperamos?   Aos que vão, o silêncio! Aos que ficam, o choro! Aos incrédulos, a desilusão!   A...

Silêncio

O pensamento voa, na calada da noite. E no silêncio do dia! Meu peito agoniza.   Os momentos da vida, ficam restrito nas lembranças. O tempo com a vida passa, e envelhecemos com ele.   Com o amadurecimento... Sinto a frieza da alma, na quietude do seu silêncio.   Sombrio...

Soneto de la vida

Nuestros cuerpos entrelazados, sin remordimiento y pecado, me lleva al éxtasis del placer, al poseer usted.   Gritamos y amamos, El placer rompe el silencio de la noche, como la propia noche, que se pierde al amanecer.   Las memorias permanecen, sin miedo y consecuencias, sin hijos o...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>