Sonetos da Trilogia.

Sonetos da Trilogia.

foto web, os creditos poderão ser dados mais tarde ao autor.

 

 

 

Sonetos da Trilogia.

 

Soneto a Felicidade.

 

Algumas vezes me perco em meus sentimentos,

ando dentro de meus pensamentos,

e vejo os meus lamentos.  

 

Lembro-me da felicidade...

Mas qual felicidade?

Sei lá...

Pois se um dia a senti agora não me lembro.

 

Qual o gosto deste sentimento?

 

A infância passou,

a idade com tempo chegou,

e a vida a alegria de mim levou.

 

Mas...

Como uma fênix,

após anos de dormência,

senti a sua leve presença.      

 

 

 

A Morte do Soneto.

 

Após duas palavras mal colocadas digo...

O que será felicidade?

Para ela existe idade?

 

Senti um pouco de euforia como uma tempestade,

que veio em minha plena maturidade,

anos após a minha mocidade.

Mas digo...

 

O que será felicidade?

 

Será ela tão frágil assim?

Como um sapato de cristal! ...

Que quando novo é reluzente,

liso e transparente.

 

Se assim for então, hoje certo eu digo.

Meu cristal não é mais liso...

O caminho da vida o arranhou, feriu e apagou.

A vida então a felicidade de mim levou.

 

                   

A Morte do Dueto.

 

 

Meus lábios não sabem mais sorrir.

Hoje eu descobri,

que a felicidade foge de mim.

 

Pois então digo...

Aonde anda a minha felicidade?

Ela existe de verdade?

Será ela apenas uma amizade?

 

 

Não digo isso por lamento,

entenda meu pensamento,

Será ela coisa de momento?

 

Digo então...

Meu cristal não mais reluz.

A felicidade como ela não mais me seduz.

Vou catar os cacos e tentar recompor a sua luz.

 

 

Leandro Campos Alves.

2015.

 

 
Número de páginas: 101 

Edição: 1(2016) 

Formato: Pocket 105x148 

Coloração: Preto e branco 

Acabamento: Brochura s/ orelha 

Tipo de papel: Offset 75g

 

 

 

 

 

 

 

 

www.clubedeautores.com.br/book/206358--Sonhos?topic=mensagens#.VwWSpPkrLIU

 

 Todos direitos estão reservados a autor  conforme artigo (Lei 9610/98).


 

 

Meus Poemas.

Torre de Babel, por Leandro Campos Alves.

Torre de Babel.       O vento é o nosso polinizador de vidas, o responsável por levar a vida, dar a vida, conduzir a vida.   E com o seu veludo e delicado aconchego, ele leva sementes e pedalas aos quatro cantos do mundo.    E hoje como vento, lembro-me dos...

As Mãos que Afagam, por Leandro Campos Alves.

As Mãos que Afagam.     São minhas aquelas mãos. As mãos que afagam o seu sono, que segura e protege seu tombo.   São minhas aquelas mãos. As mãos que apoiam seu caminho, que acalenta seu coração, que te dá o porto...

Peteca do Destino.

foto pixabay dominio publico         Peteca do Destino.         Quando te ganhei, esposei em meus lábios o sorriso. E da surpresa da vida, então chorei.   Alegria em ter-lhe em minhas mãos, logo o seu feltro abriu. O aroma de sua juventude exalou-se pelo...

Celeiro de Minas, por Leandro Campos Alves.

Celeiro de Minas.   Cravada no seio de Minas, entre as montanhas da Mantiqueira, fica minha pequena cidade, com toda sua diversidade.   Mesmo trazendo neste livro, a minha filosofia interior, não posso deixar de mencionar, o celeiro de cultura, que flora na minha pequena cidade, isso...

Louco Carrossel, por Leandro Campos Alves.

Louco Carrossel.     A vida é como um carrossel. Louco carrossel.   Com o nosso nascimento adquirimos direito ao seu passe. Embarcamos neste brinquedo com o nosso primeiro choro. E na roda da vida,                    ...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>