Prêmio Jabuti 2018

Prêmio Jabuti 2018
Criado em 1958 e outorgado anualmente pela CÂMARA
BRASILEIRA DO LIVRO (CBL), o PRÊMIO JABUTI é o mais
tradicional e prestigiado prêmio do livro do País, conferindo aos
vencedores o reconhecimento do leitor e da comunidade intelectual
brasileira. Vale também ressaltar que o 60.o PRÊMIO JABUTI é
organizado por uma Comissão e por um Conselho Curador,
indicados pela CBL. Inscrições até 28 de junho de 2018.
 
DAS OBRAS CONCORRENTES
 
●O PRÊMIO JABUTI será outorgado a obras inéditas, publicadas em
língua portuguesa no Brasil, em primeira edição, entre 1.o de janeiro e
31 de dezembro de 2017, podendo, no entanto, a impressão ter sido
feita fora do País.
●A autoria da obra deverá ser de autor(es) brasileiro(s), nato(s),
naturalizado(s), ou estrangeiro(s) com residência permanente no País.
 
DA PREMIAÇÃO
 
●O autor e a editora da obra vencedora em primeiro lugar de cada
categoria receberão um TROFÉU JABUTI, cada. Além do TROFÉU
JABUTI, o autor receberá um prêmio no valor bruto de R$ 5.000,00
(cinco mil reais), sendo deduzidos os encargos legais.
●No caso de obras em coautoria, o prêmio em dinheiro será dividido,
sendo deduzidos os encargos legais, e cada um dos coautores
receberá um TROFÉU JABUTI.
●No caso de obras em coedição, cada uma das coeditoras receberá
um TROFÉU JABUTI.
●Serão chamados para receber a estatueta na cerimônia de premiação
apenas os autores indicados na Ficha de Inscrição, acompanhados de
um representante da editora responsável pela obra premiada.
●Quando uma coletânea for premiada, o organizador mencionado na
Ficha de Inscrição receberá um TROFÉU JABUTI e a premiação em
dinheiro, deduzidos os encargos legais.

Criado em 1958 e outorgado anualmente pela CÂMARA BRASILEIRA DO LIVRO (CBL), o PRÊMIO JABUTI é o mais tradicional e prestigiado prêmio do livro do País, conferindo aos vencedores o reconhecimento do leitor e da comunidade intelectual brasileira. Vale também ressaltar que o 60.o PRÊMIO JABUTI é organizado por uma Comissão e por um Conselho Curador, indicados pela CBL. Inscrições até 28 de junho de 2018.

 

DAS OBRAS CONCORRENTES

 

●O PRÊMIO JABUTI será outorgado a obras inéditas, publicadas em língua portuguesa no Brasil, em primeira edição, entre 1.o de janeiro e 31 de dezembro de 2017, podendo, no entanto, a impressão ter sido feita fora do País.

●A autoria da obra deverá ser de autor(es) brasileiro(s), nato(s), naturalizado(s), ou estrangeiro(s) com residência permanente no País.

 

DA PREMIAÇÃO

 

●O autor e a editora da obra vencedora em primeiro lugar de cada categoria receberão um TROFÉU JABUTI, cada. Além do TROFÉU JABUTI, o autor receberá um prêmio no valor bruto de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), sendo deduzidos os encargos legais.

●No caso de obras em coautoria, o prêmio em dinheiro será dividido, sendo deduzidos os encargos legais, e cada um dos coautores receberá um TROFÉU JABUTI.

●No caso de obras em coedição, cada uma das coeditoras receberá um TROFÉU JABUTI.

●Serão chamados para receber a estatueta na cerimônia de premiação apenas os autores indicados na Ficha de Inscrição, acompanhados de um representante da editora responsável pela obra premiada.

●Quando uma coletânea for premiada, o organizador mencionado na Ficha de Inscrição receberá um TROFÉU JABUTI e a premiação em dinheiro, deduzidos os encargos legais.

Regulamento AQUI

 

Fonte: Notícias der Corte 109

Link

 

 

HISTÓRIA

    A história do Prêmio Jabuti começa por volta de 1958, em um período repleto de desafios para o mercado editorial, com recursos escassos e baixa articulação do segmento. Apesar das adversidades, não faltava entusiasmo aos dirigentes da Câmara Brasileira do Livro. As discussões foram comandadas pelo então presidente da entidade, EdgarCavalheiro, e pelo secretário Mário da Silva Brito – intelectuais e estudiosos da literatura brasileira –, além de outros membros da diretoria do biênio 1955-1957 interessados em premiar autores, editores, ilustradores, gráficos e livreiros que mais se destacassem a cada ano.
 

    Essas discussões em torno de uma “láurea” ou “galardão”, como se dizia na época, ganharam forma na diretoria seguinte, de 1957-1959, presidida por Diaulas Riedel, a quem coube a confirmação da escolha da figura do jabuti para nomear o prêmio e a realização de concurso para a confecção da estatueta, vencido pelo escultor Bernardo Cid de Souza Pinto. A primeira premiação ocorreu também na gestão do presidente Diaulas Riedel. No final do ano de 1959, em solenidade simples e despretensiosa realizada no auditório da antiga sede da CBL, na Avenida Ipiranga, foi feita a entrega do 1º Prêmio Jabuti. Foram laureados autores como Jorge Amado, na categoria Romance, pela obra “Gabriela, Cravo e Canela”. A Saraiva ganhou o prêmio de Editor do Ano.
 

    O maior diferencial em relação a outros prêmios é a sua abrangência: além de valorizar escritores, o prêmio destaca a qualidade do trabalho de todas as áreas envolvidas na criação e produção de um livro. Anualmente, editoras dos mais diversos segmentos e escritores independentes de todo o Brasil inscrevem suas obras em busca da tão cobiçada estatueta e do reconhecimento que ela proporciona. Receber o Jabuti é um desejo acalentado por todos aqueles que têm o livro como seu ideal de vida.

 


Nome
 

    Por que “jabuti” para nomear um prêmio do livro? A resposta tem explicação no ambiente cultural e político da época, influenciado, sobretudo, pelo modernismo e nacionalismo, pela valorização da cultura popular brasileira, nas raízes indígenas e africanas, nas suas figuras míticas, símbolos seculares carregados de sabedoria e experiência de vida e legados de uma geração à outra. Sílvio Romero, Mário de Andrade, Monteiro Lobato e Luís da Câmara Cascudo, entre o final do século XIX e o início do século XX, foram pioneiros na pesquisa, no estudo e na divulgação dessa rica cultura popular.
 

    E foi Monteiro Lobato, provavelmente, o mais prolífico na recriação literária das histórias desses personagens meio enigmáticos, meio reveladores e sempre sedutores do folclore nacional. Um desses personagens da literatura infantil de Lobato é, como se sabe, o jabuti. O pequeno quelônio, já familiar no imaginário das culturas indígenas tupi, ganhou vida e personalidade nas fabulações do autor das “Reinações de Narizinho”, como uma tartaruga vagarosa, mas obstinada e esperta, cheia de tenacidade para vencer obstáculos, para enganar concorrentes mais bem-dotados e chegar à frente ao fim da jornada. Com essas credenciais, ganhou também a simpatia e a preferência dos dirigentes da CBL. Eles o elegeram para inspirar e patrocinar um prêmio para homenagear e promover o livro.


Jabuti repaginado
 

    Ao longo dos seus 60 anos, o Jabuti passou por transformações. No início, a cerimônia de entrega do prêmio era feita na antiga sede da entidade, na Avenida Ipiranga. Depois, passou a ser realizada durante as bienais do livro. Mas, o Jabuti ganhou vida própria e os diretores da CBL sentiram a necessidade de criar um evento proporcional à credibilidade do prêmio junto ao mercado editorial e à própria sociedade. Em 2004, ocorreu a primeira grande cerimônia de entrega das estatuetas, realizada no Memorial da América Latina, local onde aconteceu também a entrega do Prêmio Jabuti em 2005. Logo após, a grande festa do livro do Brasil ganhou um dos espaços mais nobres da capital paulista – a Sala São Paulo. De 2014 a 2017, o evento foi realizado no Auditório Ibirapuera Oscar Niemeyer, em São Paulo.
 

    No Regimento Interno do prêmio, criado em 1959, constavam apenas sete categorias: Literatura, Capa, Ilustração, Editor do Ano, Gráfico do Ano, Livreiro do Ano e Personalidade Literária. Em época mais recente, começaram a ser contempladas todas as esferas envolvidas na criação e produção de um livro, passando pela Adaptação, Ilustração, Capa, Projeto Gráfico e Tradução, além das categorias tradicionais como Romance, Contos e Crônicas, Poesia, Reportagem, Biografia e Livro Infantil.
 

    Uma iniciativa que trouxe mais encanto foi a criação das categorias Livro do Ano de Ficção, em 1991, e Livro do Ano de Não Ficção, em 1993. Revelados somente na noite da entrega das estatuetas, estes prêmios são o ponto alto do evento, em um momento de grande expectativa por todos os profissionais do mercado editorial.
 

    Em 2015, o prêmio inovou com a inclusão da categoria Infantil Digital que abrangeu conteúdos para o público infantil combinados a elementos multimídia interativos. Nesse mesmo ano foi criado o projeto “Jabuti entre Autores e Leitores” com o objetivo de promover encontros com os ganhadores do prêmio de edições anteriores em bibliotecas, livrarias, universidades e eventos literários nacionais.
 

    A partir de 2017, o Prêmio Jabuti passou a contemplar duas novas categorias: Histórias em Quadrinhos e Livro Brasileiro Publicado no Exterior. Esta última, conta com o apoio do Brazilian Publishers, projeto setorial de fomento às exportações de conteúdo editorial brasileiro resultado da parceria firmada entre a CBL e a Apex-Brasil – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos. Por sua abrangência, o Jabuti é considerado o maior e mais completo prêmio do livro no Brasil.
 

    Em 2018, o Jabuti completa 60 anos e a CBL continua a trabalhar firmemente para que ele se aproxime do leitor, esteja atualizado com o mercado e permaneça como o mais almejado prêmio literário do País. Para manter esse papel de destaque, mais uma vez a inovação se faz presente, com a adoção de medidas para valorizar ainda mais a conquista dos autores e editores, acolher os autores independentes, aprimorar a gestão da estrutura do prêmio, reorganizar as categorias e aperfeiçoar os critérios de análise das obras concorrentes. Entre essas, inclui-se a revelação dos ganhadores de cada categoria e do Livro do Ano apenas na cerimônia de premiação e o lançamento da categoria Formação de Novos Leitores, para reconhecer iniciativas de estímulo à leitura.

    De todas as transformações e melhorias realizadas ao longo de sua existência, o legado evidente do Jabuti é sua capacidade de atualização e transparência, características marcantes de seu regulamento e reconhecidas por todos que produzem informação, conhecimento e arte no Brasil

 

Fonte:Jabuti

www.premiojabuti.com.br/historia/

 

Notícias Diversas.

Professor lança releituras de lendas e folclore brasileiro em livro ilustrado

  O autor José Couto, professor e pós-graduado em Educação Ambiental, traz ao público o livro “O Unicórnio do Sul e outras lendas poéticas”, uma coletânea ilustrada de poemas, que tem como tema o folclore brasileiro e suas lendas. José também recria cantigas de roda, literaturas orais e...

resultado de concurso literário 2018 de Barra Mansa

Fundação Cultura Barra Mansa divulga resultado de concurso literário 2018 Publicado: Terça, 16 de Outubro de 2018, 20h15    Selecionados serão homenageados em cerimônia solene na Biblioteca Municipal Adelaide Franco A Prefeitura Municipal de Barra Mansa, por meio da Fundação Cultura...

MINISTÉRIO LANÇA 1° PRÊMIO LITERÁRIO DA PESSOA IDOSA

O Ministério dos Direitos Humanos (MDH), por meio da Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa, promove o 1º Prêmio Literário da Pessoa Idosa do MDH.   Inédito no âmbito da Administração Pública Federal, será um concurso de crônicas, com a proposta de incentivar a...

Finalista 26º Concurso Literário da Academia de Letras de São João da Boa Vista

26º Concurso Literário - 2018 A Academia de Letras de São João da Boa Vista divulga o resultado do 26º Concurso Literário - 2018. Nos poucos casos em que houve empate, todos os candidatos serão premiados.    POESIA ✏️Até 12 anos  1º Maria Fernanda Paulino de Lima  2º Leticia...

Finalistas do XXVII Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos

A Secretaria Municipal de Cultura de Leopoldina, divulgou nesta segunda-feira, 12 de novembro, os títulos das poesias finalistas e os pseudônimos dos autores escolhidos pela Comissão Julgadora do XXVII Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos. As obras serão apresentadas no dia da...

V CONCURSO NACIONAL DE POESIA ACADÊMICO GABRIEL FERREIRA LEITE

ACADEMIA ITAJUBENSE DE LETRAS Fundada em 15 de agosto de 1964 Patrimônio Cultural, Material e Imaterial de Itajubá       V CONCURSO NACIONAL DE POESIA ACADÊMICO GABRIEL FERREIRA LEITE, IMORTAL DA ACADEMIA ITAJUBENSE DE LETRAS   REGULAMENTO   01 – TEMA: SONHOS E POESIA. 02 –...

Antologia Poética CEM POEMAS, CEM MIL SONHOS

Adesão GRATUITA até 10/11 - Escritores, poetas, literatos... Façam parte deste registro histórico! Antologia Poética "CEM POEMAS, CEM MIL SONHOS" - Homenagem aos 50 anos da Passeata do Cem Mil: maior manifestação popular contra a Ditadura Militar no país" (...) CONTEXTO A Passeata dos...

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 231/2016

  CONCEDE O TÍTULO DE CIDADÃO BENEMÉRITO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO A HILÁRIO SILVA NETO   Autor(es): VEREADOR PROF. CÉLIO LUPPARELLI A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO   D E C R E T A :   Art. 1º Fica concedido o título de Cidadão Benemérito do...

Escritoras Premiadas no Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura de 2017

“Membro Fantasma”, vencedor na categoria Jovem Escritor, relata a trajetória de Diana, uma brasileira que está em Assunção (Paraguai) à procura de relatos sobre a ditadura de Stroessner a fim de escrever uma ficção. Nesse percurso, histórias ouvidas e lembranças familiares revelam-se e...

PRÊMIO GOVERNO DE MINAS GERAIS DE LITERATURA 2017 | MULHERES MOSTRAM A FORÇA DE SUA PRODUÇÃO

Conceição Evaristo é a grande vencedora do Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura de 2017 Mineira venceu na categoria conjunto da obra e é a primeira escritora negra a receber o prêmio desde que ele foi criado em 2007; de forma inédita, o edital consagra as mulheres em todas as categorias,...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>

Entrevistas Literárias.

A Medicina do Futuro apresenta massagem de som com Taças Tibetanas e Gongos

Por Shirley M. Cavalcante ( SMC)   Sou a Vida chamada Margareth. No período de tempo como a maioria o conhece, tenho 44 anos, gosto de honrar e refletir sobre os meus ancestrais bem como sobre a minha própria história enquanto mulher e ser pensante. Sei-me uma mulher livre e consciente, ligada...

WASHINGTON LUIS LANFREDI

Por:Conexão Literatura   ENTREVISTA COM WASHINGTON LUIS LANFREDI   Washington Luis Lanfredi O autor é formado em Técnico de Eletrônica e Engenharia Mecatrônica. Tem 35 anos e nasceu em Atibaia, mas vive em Taubaté desde os três anos de idade, sendo Taubaté a terra da Literatura infantil....

Nara Vidal

Por Selmo Vasconcellos   Nara Vidal é mineira de Guarani. Formada em Letras pela UFRJ, é Mestre em Artes pela London Met University. Mora na Europa há 14 anos. É autora de infantis, juvenis e seu primeiro adulto, “Lugar Comum” (Editora Pasavento), já em reimpressão, foi lançado em...

Dinovaldo Gilioli

Por Selmo Vasconcellos   Dinovaldo Gilioli — nasceu em Leópolis/PR, 1957, morou em Curitiba e reside há mais de 30 anos em Florianópolis – SC. Formado em Ciências Contábeis, com especialização em Realidade Brasileira e pós graduação em Dinâmica dos Grupos. Quando diretor do Sindicato...

Christiane de Murville

A francesa e brasileira Christiane de Murville apresenta 'Até Quando?'   Por Shirley M. Cavalcante (SMC) Graduada, mestre e doutora em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo, com especialização em psicodrama e orientação profissional, Christiane Isabelle Couve de Murville...

George Ornellas

Romance policial 'Amores e crimes' será lançado no Rio de Janeiro   Por Shirley M. Cavalcante (SMC) George Ornellas é Professor de Educação Física, Geógrafo, Historiador e Escritor. Romântico e aventureiro, nasceu no Rio de Janeiro, escreveu seu primeiro romance há mais de vinte anos,...

Jéssica Figueiredo

Por Shirley M. Cavalcante (SMC)   Nome: Jéssica Figueiredo                       Cidade: Recife - PE        País: Brasil   Quais livros estarão...

Manoel Baruque

Por Shirley M. Cavalcante (SMC) Manoel Baruque – ou A.Baruk, seu pseudônimo – é brasileiro, morador de Copacabana, Rio de Janeiro. É apaixonado por futebol, sendo praticante deste esporte desde sempre e nunca se cansando de assistir a jogos de todos os cantos do planeta, inclusive do Sporting...

Maria Gravina Ogata

Por Shirley M. Cavalcante (SMC) Maria Gravina Ogata nasceu na cidade de Polignano a Mare, na região da Puglia, no sul da Itália. Com dois anos de idade imigrou para o Brasil, alguns anos após o término da Segunda Guerra Mundial. É brasileira naturalizada, Geógrafa e Advogada, com Mestrado em...

Melchíades Montenegro

Por Shirley M. Cavalcante (SMC)   Melchíades Montenegro, pernambucano, é geógrafo, escritor e poeta, com inúmeros artigos, contos, poemas e livros publicados. Montenegro é associado da União Brasileira de Escritores, Vice-Presidente da Academia de Letras e Artes do Nordeste Brasileiro, e...

Fernando Cardoso

Com trinta e quatro obras publicadas o autor Fernando Cardoso se torna referência Internacional para adultos e crianças     Por Shirley M. Cavalcante (SMC)   Escritor e pedagogo, Fernando Cardoso nasceu no norte de Portugal, mais concretamente na cidade do Porto, mas aos quatro...

Escritora Paula Laranjo

Alimentando a alma através de "Reflexos" e "Essência da Alma" com a autora Paula Laranjo Sou natural de Leça da Palmeira.  Licenciei-me em Engenharia Agronómica, pela Universidade do Algarve. Possuo Pós – Graduação em Sistemas HACCP, pelo Instituto Egas Moniz.  Exerço a minha...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>