Peteca do Destino.

Peteca do Destino.

foto pixabay dominio publico

 

 

 

 

Peteca do Destino.

 

 

 

 

Quando te ganhei,

esposei em meus lábios o sorriso.

E da surpresa da vida,

então chorei.

 

Alegria em ter-lhe em minhas mãos,

logo o seu feltro abriu.

O aroma de sua juventude exalou-se pelo ar.

E suas firmes cerdas eu pus a admirar.

 

Com imenso cuidado,

fui impulsionando os primeiros tapas.

Pondo-a em movimento suavemente,

a minha pequena peteca.

Que tão majestosamente,

cortava o ar lentamente.

 

O tempo foi se passando,

o cansaço junto a ele chegando.

Logo os golpes foram se fortificando.

As cerdas macias e firmes,

foram se deformando.

 

O cheiro de novo acabou,

e a fúria dos tapas,

deformou e a maltratou.

 

Com a cólera do tempo,

em um golpe certeiro,

fui carrasco daquele brinquedo.

 

Ceifei-lhe as penas de seu corpo.

Deixando espalhado ao chão,

o tempo de sua duração.

E da minha podre ação.

 

Em um único jogo,

admirei, adorei e maltratei,

a minha pequena peteca.

Enfim lhe pus a sentença,

de enterrá-la longe de minha nobre presença.

 

Suas partes foram transpostas,

para o cemitério do lixo.

E ali ficaram então expostas,

para seu destino final.

Metáfora tão igual,

A nossa reles vida mortal.

 

Somos como tal,

a peteca do destino.

Nascemos com cheiro único,

e com choro de menino.

 

Mas os tapas do destino,

transforma-nos de menino,

para homens feitos,

alegres ou sofridos.

 

Logo nossa pele se encrua,

os traços de nosso algoz,

faz-se em nossa face,

deixando marca de nossa idade,

e da nossa verdadeira realidade.

 

O destino faz de nossa vida,

sua peteca então.

E no final do tempo de nossa duração,

arqueará o bater de nosso coração.

Transpondo a sua sentença,

do final de nossa vida então.

 

Leandro campos Alves.

Poema do Livro: Filosofia Interior.

2014

 

 



Obrigado aos amigos leitores pela visita e fiquem com Deus.

 

 

 
 
 
Número de páginas: 103 

Edição: 1(2015) 

Formato: A5 148x210 

Coloração: Preto e branco 

Acabamento: Brochura c/ orelha 

Tipo de papel: Offset 90g
 

Meus Poemas.

Brumadinho.

Sombra a morte, no vale do desespero. Estrondoso dia, de lama, dor e enterro.   Fúria da natureza, na ruptura da obra humana. Desrespeito da força estática, levando no torso a dor, água e lama.   O vale se faz noite, o choro ecoa e reclama. A saudade daqueles, que deixou aqui quem os...

Grande final da Liga Mantiqueira de Motocross, em Liberdade MG.

        O ronco dos nossos motores, chora em silêncio a sua partida. Valeu Companheiro.                           Gabriel Ribeiro #13 Autor da Frase: Leandro Campos Alves.   Homenagem...

A morte!

A morte expressa o medo. Mas que medo? Medo do que? Nascemos e somos levados ao batismo, cremos em Cristo, na ressurreição e na vida eterna. Então não seria a morte a consagração do que na vida esperamos?   Aos que vão, o silêncio! Aos que ficam, o choro! Aos incrédulos, a desilusão!   A...

Silêncio

O pensamento voa, na calada da noite. E no silêncio do dia! Meu peito agoniza.   Os momentos da vida, ficam restrito nas lembranças. O tempo com a vida passa, e envelhecemos com ele.   Com o amadurecimento... Sinto a frieza da alma, na quietude do seu silêncio.   Sombrio...

Soneto de la vida

Nuestros cuerpos entrelazados, sin remordimiento y pecado, me lleva al éxtasis del placer, al poseer usted.   Gritamos y amamos, El placer rompe el silencio de la noche, como la propia noche, que se pierde al amanecer.   Las memorias permanecen, sin miedo y consecuencias, sin hijos o...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!