Pétalas de Outono.

Pétalas de Outono.

 

Ao ver-te.

Meu peito sucumbiu à paixão.

Ao falar-te.

Aumentou o palpitar deste pobre coração.

 

Seu cheiro suave abraçou-me,

Você carinhosamente envolveu-me.

Senti  por ti o desejo aumentar minha emoção.

Minha vida então a pus em suas mãos.

 

Perpetuei-te e admirei-te.

Com zelo a ti entreguei-me.

E ao amor então cedemo-nos.

 

Se mil vidas eu tivesse,

Mil vidas eu te daria.

E você novamente eu amaria.

 

Como as raras pétalas de Outono.

O amor que se perpetua hoje é raro.

Leandro Campos Alves.

Registrado no EDA.

14/10/2104.

 

 
Número de páginas: 103 

Edição: 1(2015) 

Formato: A5 148x210 

Coloração: Preto e branco 

Acabamento: Brochura c/ orelha 

Tipo de papel: Offset 90g
 

Meus Poemas.

Minha História.

Se meus olhos um dia não verem mais a luz. Se minha pele não transmitir mais o meu calor. Se meu olfato não sentir mais o cheiro das manhãs. Se um dia a luz ausentar-se de meu caminho. Se minhas pronúncias se calarem para o mundo.   Hei de deixar minha história escrita em recordações. E a...

Carta da Anunciação.

No caminho da vida, muitas coisas vi e vivi. Vi o nascer da criança, ainda no ventre da mãe. Trouxe o prenúncio da morte, deixando-me à beira da desilusão, por profetizar a perda e nada poder fazer, para driblar a morte e deixar alguém viver.   Vi em meu leito a imagem do anjo. Senti o aroma...

Filhos...

Um dia a notícia! ... Somos tomado primeiro pelo temor, logo depois sentimos alegria e amor.   O primeiro choro, o primeiro colo e abraço. O sorriso inocente que é o sinal de um forte laço. Materno, paterno, ou simplesmente eterno.   A vida passa, deixamos nossos sonhos e a nossa...

Filosofia Interior.

Foto Pixabay F echo os olhos, I nternando-me em meu eu. L onge de todos e do mundo, O rganizando os meus sonhos mais profundos. S equestrando minha vida, O ferecendo-me em silêncio, F ico em plena meditação, I nerte eu permaneço em alfa, A companhando o bater do coração.   I mpulsivo eu me...

Desilusão.

  Dói... Dói ser o porto seguro, Mas não encontrar o nosso porto.   Dói... Dói ver obstáculos indo ao chão, Mas em vão. Pois a vitória que seria coletiva, É apenas mais um fato, ou ato.   Dói... Dói tentar ser alguém, E no fim descobrir que não somos ninguém.   Dói... Dói...
<< 3 | 4 | 5 | 6 | 7 >>