Pétalas de Outono.

Pétalas de Outono.

 

Ao ver-te.

Meu peito sucumbiu à paixão.

Ao falar-te.

Aumentou o palpitar deste pobre coração.

 

Seu cheiro suave abraçou-me,

Você carinhosamente envolveu-me.

Senti  por ti o desejo aumentar minha emoção.

Minha vida então a pus em suas mãos.

 

Perpetuei-te e admirei-te.

Com zelo a ti entreguei-me.

E ao amor então cedemo-nos.

 

Se mil vidas eu tivesse,

Mil vidas eu te daria.

E você novamente eu amaria.

 

Como as raras pétalas de Outono.

O amor que se perpetua hoje é raro.

Leandro Campos Alves.

Registrado no EDA.

14/10/2104.

 

 
Número de páginas: 103 

Edição: 1(2015) 

Formato: A5 148x210 

Coloração: Preto e branco 

Acabamento: Brochura c/ orelha 

Tipo de papel: Offset 90g
 

Meus Poemas.

A maior riqueza de um homem é ser pobre.

    A maior riqueza de um homem é ser pobre. Nela encontramos...   Saudade, amizade, liberdade, sobriedade, humildade, unidade, reciprocidade, fidelidade.   Que mesmo diante da dificuldade, e da necessidade. Achamos nela a hombridade, para sorrir de felicidade.   Enquanto a...

Carnaval em Flor.

Ser livre é viver a alegria, sorrir, pular e entrar na folia. Ter o coração aberto, e o corpo desnudo, ou até mesmo coberto.   Ser livre é viver, dançar e encantar. Criar, trabalhar e ser popular, amando quem no caminho encontrar, deixando a tristeza em outro lugar.   Ser belo é fazer o...

A morte.

A morte que amedronta, vem marcando, ferindo e sangrando. Levando aos que ela encontra, ou, aos que a Deus encanta.   Dói a prematuridade, de uma flor em plena mocidade, ser lançada a história, e acolhido pela eternidade.   Sangra o peito de toda cidade, ao receber a notícia, desta imensa...

Amigo Eterno

Hoje a matemática ficou órfã, perdeu sua operação de multiplicação. Multiplicar conhecimentos, a lealdade e o discernimento.   Multiplicar a verdade, a palavra amiga, o laço de amizade, a voz da autoridade.   Multiplicar o amor pelo ensino, a gana do saber. Nos preparando para o...

Trem de Minas.

Lembro-me daquele tempo, que era uma criança. E minha mãe pelas mãos me conduzia, para ir visitar a minha outra tia, que também se chamava Maria.   Primeiro trajeto da viagem era feito, numa estradinha cheia de curvas, e nos assentos de uma perua, cada passageiro ajeitava-se ao seu...
<< 1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>