O Sol e a Lua, amantes perfeitos.

O Sol e a Lua, amantes perfeitos.

foto pixabay dominio publico

        

        A névoa do amanhecer arde a pele dos homens e ofusca a visão do dia.

        No passar dos minutos, os raios solares vem quebrando esta frigidez e, embrenhado entre as montanhas quebra o frio do rastro da noite.

        O Sol vem de manso clareando o dia e aquecendo a terra, mesmo sendo nosso astro rei, ele guarda sua tristeza pela distância de sua amada, afastando do seu redor qualquer companhia celestial, isolando-se no celeste azul do dia, mas nos brinda com o calor de seu corpo.

        Algumas vezes o Sol lamenta e deixa suas lágrimas caírem ao chão, entretanto para não mostrar sua tristeza, ele se abranda e tampa seu rosto com a lírica tristeza cinzenta das nuvens.  Companhias estas que raras vezes ele admite no feltro celeste de seu manto.

        As suas lágrimas descem em formas de gotas de chuvas, porém mesmo triste o Sol nos abraça com o seu calor e a sua claridade.

        Ao cair do dia, para presentear sua amada e mostrar seu amor eterno, o astro rei brônzea o céu com sua cor tonalizada, de saudade e paixão.

        Amor por alguém que nunca viu.

        Amor que o faz ficar acordado em noites árticas, tomando a noite pelo dia, na forma de presentear sua amada, pelo descanso do Sol da meia-noite.

        Por sua vez, sua amada retribui o seu imenso amor, se sacrificando algumas vezes ao tomar seu brilho e calor, pelo eclipse diurno.

        Seus braços nunca se encontram e tornam-se amantes de sonhos.

        A escuridão veste o corpo celeste, que ao invadir tristonhamente o céu, a dama da noite se anuncia com seu brilho ofuscante, tornando-a amada e amante, que quebra o frio da vida, trazendo aos amantes humanos o exemplo do calor do amor.

        Amor este que não se pode doar ao seu amado.

        Mas abraçando a donzela da noite amada, o céu reveste astros e planetas com focos luminares pequenos, pois seus brilhos não podem ofuscar a mais bela amante, a rainha do corpo celeste noturno.

        E na contraposição do frio e da tristeza que a noite traz, os homens se encantam pelo amor erudito dos astros, e por mesmo diante de tão crua realidade, inspira e aquece o amor eterno.

        Lua e Sol se amam.

        Enquanto o Sol aquece a terra, para deixar o calor atravessar a noite e aquecer sua amada.

        Da mesma forma, a lua muitas vezes se enche de luz, com a intenção de atravessar o dia e encontrar seu amado. Deixando-nos vê-la nua ao nascerem os primeiros raios de seu amante no horizonte matinal.

        A lua timidamente ao oriente, enquanto seu amante nasce robustamente no ocidente.

        Dois astros amantes, que aquece nossos corpos e nossos corações.

        Mas totalmente em lados opostos.

        O Sol nos mostra o calor de nossos corpos, o astro que nos dá a vida.

        Enquanto a Lua nos traz o calor dos amantes, mesmo na escuridão e na fria brisa de suas noites, são nelas, que a humanidade se entrelaça no queimor da paixão.

        Dois amantes, dois astros, dois amores impossíveis.

        Que tem seus desejos complementados, nos braços dos homens.

        O romance nasce através dos olhares perdidos, dos afagos recebidos e das palavras bem ditas.

        Como o Sol, astro forte e masculino que nos abraça e aquece com seu calor maestrino do universo, a Lua por sua sensibilidade feminina nos reflete seu amor e embeleza as noites frias de outono, completando-se um ao outro.

        Que seria do dia sem a noite, ou da noite sem o dia?

        Como o romance entre Romeu e Julieta, a metáfora do amor que mesmo que o mundo se acabe, eles se abraçarão em única explosão de sentimentos.         E assim, a noite e o dia se tornarão o breu do nada, o breu do fim, o breu de um romance relâmpago, a vida em seu apogeu.

 

Obrigado aos meus amigos e leitores pela visita,  fiquem com Deus.

 

Leandro Campos Alves.

Outubro 2014

 

 
Número de páginas: 103 

Edição: 1(2015) 

Formato: A5 148x210 

Coloração: Preto e branco 

Acabamento: Brochura c/ orelha 

Tipo de papel: Offset 90g
 

Meus Poemas.

Acróstico Maestro Caaraüra

M - Maestro Caaraüra A - a expressão da Literatura, E - epicentro da nossa cultura. S - Símbolo da clave, T - tocada com emoção, R - revela sua expressão, O - orquestrando sua posição.   C - Cativante e multi-instrumentista, A - atuante na cultura. A - Atinado com suas conquistas, R -...

Acróstico Isa Ma Silva

I - Insano somos, S - saudosas palavras poéticas, A - abrasivas na veia materna.   M - Mulher, mãe, amiga. A - A influência de belos poemas.   D - Do interior alçou voos distantes, A - abraçou sonhos e, encantou amigos.   S - Seus versos deleitam a alma, I - inspira a vida. L - Livre...

Reflexão

Resultado do 30º Concurso Internacional de Poesias, Contos e Crônicas ALPAS 21   Parabéns aos autores Classificados! Convidamos a publicares teu(s) texto(s) na Coletânea Paraty e ou na Diálogos. Enviamos convite e informações.   Lírico abraço,   Rozelia Scheifler...

Imagem de Maria.

A luz que irradia, no ventre materno. Anuncia em Maria, Seu Filho eterno.   Que seu manto de paz, abençoe as mulheres. Que a vida nos traz, na euforia das dores.   Dores de parto, dores de amor. Dores sem Fardo, dores sem dor.   O verdadeiro ato, da expressão de amor. O...

Acróstico Jesus Cristo.

Acróstico Jesus Cristo.   J – Juro a ti senhor meu Deus, E – esperar nos conselhos Seus, S – sabedoria e discernimento, U – unção e conhecimento; S – Sois a salvação a qualquer momento.   C – Com joelhos prostrados, R – rogo a Tua paz aos desesperados, I – inquieto pelos seus pecados, S –...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>