O Sol e a Lua, amantes perfeitos.

O Sol e a Lua, amantes perfeitos.

foto pixabay dominio publico

        

        A névoa do amanhecer arde a pele dos homens e ofusca a visão do dia.

        No passar dos minutos, os raios solares vem quebrando esta frigidez e, embrenhado entre as montanhas quebra o frio do rastro da noite.

        O Sol vem de manso clareando o dia e aquecendo a terra, mesmo sendo nosso astro rei, ele guarda sua tristeza pela distância de sua amada, afastando do seu redor qualquer companhia celestial, isolando-se no celeste azul do dia, mas nos brinda com o calor de seu corpo.

        Algumas vezes o Sol lamenta e deixa suas lágrimas caírem ao chão, entretanto para não mostrar sua tristeza, ele se abranda e tampa seu rosto com a lírica tristeza cinzenta das nuvens.  Companhias estas que raras vezes ele admite no feltro celeste de seu manto.

        As suas lágrimas descem em formas de gotas de chuvas, porém mesmo triste o Sol nos abraça com o seu calor e a sua claridade.

        Ao cair do dia, para presentear sua amada e mostrar seu amor eterno, o astro rei brônzea o céu com sua cor tonalizada, de saudade e paixão.

        Amor por alguém que nunca viu.

        Amor que o faz ficar acordado em noites árticas, tomando a noite pelo dia, na forma de presentear sua amada, pelo descanso do Sol da meia-noite.

        Por sua vez, sua amada retribui o seu imenso amor, se sacrificando algumas vezes ao tomar seu brilho e calor, pelo eclipse diurno.

        Seus braços nunca se encontram e tornam-se amantes de sonhos.

        A escuridão veste o corpo celeste, que ao invadir tristonhamente o céu, a dama da noite se anuncia com seu brilho ofuscante, tornando-a amada e amante, que quebra o frio da vida, trazendo aos amantes humanos o exemplo do calor do amor.

        Amor este que não se pode doar ao seu amado.

        Mas abraçando a donzela da noite amada, o céu reveste astros e planetas com focos luminares pequenos, pois seus brilhos não podem ofuscar a mais bela amante, a rainha do corpo celeste noturno.

        E na contraposição do frio e da tristeza que a noite traz, os homens se encantam pelo amor erudito dos astros, e por mesmo diante de tão crua realidade, inspira e aquece o amor eterno.

        Lua e Sol se amam.

        Enquanto o Sol aquece a terra, para deixar o calor atravessar a noite e aquecer sua amada.

        Da mesma forma, a lua muitas vezes se enche de luz, com a intenção de atravessar o dia e encontrar seu amado. Deixando-nos vê-la nua ao nascerem os primeiros raios de seu amante no horizonte matinal.

        A lua timidamente ao oriente, enquanto seu amante nasce robustamente no ocidente.

        Dois astros amantes, que aquece nossos corpos e nossos corações.

        Mas totalmente em lados opostos.

        O Sol nos mostra o calor de nossos corpos, o astro que nos dá a vida.

        Enquanto a Lua nos traz o calor dos amantes, mesmo na escuridão e na fria brisa de suas noites, são nelas, que a humanidade se entrelaça no queimor da paixão.

        Dois amantes, dois astros, dois amores impossíveis.

        Que tem seus desejos complementados, nos braços dos homens.

        O romance nasce através dos olhares perdidos, dos afagos recebidos e das palavras bem ditas.

        Como o Sol, astro forte e masculino que nos abraça e aquece com seu calor maestrino do universo, a Lua por sua sensibilidade feminina nos reflete seu amor e embeleza as noites frias de outono, completando-se um ao outro.

        Que seria do dia sem a noite, ou da noite sem o dia?

        Como o romance entre Romeu e Julieta, a metáfora do amor que mesmo que o mundo se acabe, eles se abraçarão em única explosão de sentimentos.         E assim, a noite e o dia se tornarão o breu do nada, o breu do fim, o breu de um romance relâmpago, a vida em seu apogeu.

 

Obrigado aos meus amigos e leitores pela visita,  fiquem com Deus.

 

Leandro Campos Alves.

Outubro 2014

 

 
Número de páginas: 103 

Edição: 1(2015) 

Formato: A5 148x210 

Coloração: Preto e branco 

Acabamento: Brochura c/ orelha 

Tipo de papel: Offset 90g
 

Meus Poemas.

Brumadinho.

Sombra a morte, no vale do desespero. Estrondoso dia, de lama, dor e enterro.   Fúria da natureza, na ruptura da obra humana. Desrespeito da força estática, levando no torso a dor, água e lama.   O vale se faz noite, o choro ecoa e reclama. A saudade daqueles, que deixou aqui quem os...

Grande final da Liga Mantiqueira de Motocross, em Liberdade MG.

        O ronco dos nossos motores, chora em silêncio a sua partida. Valeu Companheiro.                           Gabriel Ribeiro #13 Autor da Frase: Leandro Campos Alves.   Homenagem...

A morte!

A morte expressa o medo. Mas que medo? Medo do que? Nascemos e somos levados ao batismo, cremos em Cristo, na ressurreição e na vida eterna. Então não seria a morte a consagração do que na vida esperamos?   Aos que vão, o silêncio! Aos que ficam, o choro! Aos incrédulos, a desilusão!   A...

Silêncio

O pensamento voa, na calada da noite. E no silêncio do dia! Meu peito agoniza.   Os momentos da vida, ficam restrito nas lembranças. O tempo com a vida passa, e envelhecemos com ele.   Com o amadurecimento... Sinto a frieza da alma, na quietude do seu silêncio.   Sombrio...

Soneto de la vida

Nuestros cuerpos entrelazados, sin remordimiento y pecado, me lleva al éxtasis del placer, al poseer usted.   Gritamos y amamos, El placer rompe el silencio de la noche, como la propia noche, que se pierde al amanecer.   Las memorias permanecen, sin miedo y consecuencias, sin hijos o...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>