O que é o amor?

O que é o amor?

foto pixabay dominio publico

 

 

 

Dizem que amar é sentir o palpitar galopante do coração do parceiro na hora do apogeu.

O apogeu do clímax da paixão.

Com os corpos suados,

lábios molhados,

as pernas bambas,

e a respiração descompassada,

e nossa alma descansada.

 

Mas ao contrário do que diz o coração,

amar não é apenas sexo.

Luxuria, cheiro e tesão.

 

Quando ficamos a bailar nos braços um do outro,

em caricias e afagos melados,

jogando roupas e palavras para todos os lados.

Imaginamos que estamos amando.

 

Porém ao sair daquele momento,

e deixar o prazer acalmar,

o coração diminuir seu palpitar,

e as palavras calarem.

E espaço para nossa razão começar a falar.

Compreendemos que muitas vezes apenas viramos para o lado e dormimos,

ou quem sabe nem isso...

Apenas ignoramos nossos sentimentos e saímos.

 

Vestimos peça a peça a roupa que ficou espalhada pelo chão,

 sem lembrarmos-nos da paixão,

 dos beijos e abraços.

Deixamos a parceira sem ver o que sente seu coração.

 

 Saciado pelo ato,

de amar ou do pecado.

Damos as costas e partimos,

e isso é um fato.

 

Quanto o amor nasce o tesão morre.

Mas e com o desejo, o que ocorre?

 

O que é o amor?

Palavras, luxúria, desejo ou excitação.

Ou apenas momentos de prazer,

entre a relação dos seres humanos.

Que se esquece de sentir o que fala o coração.

 

A relação passa em minutos,

o êxtase dura apenas alguns segundos.

E o amor?

Será que é apenas uma tapinha na bunda,

um beijo corrido,

e um até amanhã que nunca chega?

 

Desejo, amor, sexo ou paixão,

quiçá podemos dizer?

Que é parte da própria desilusão?

 

A marca do desejo mostrado na cama,

lençóis desarrumados,

corpos despreparados,

roupas penduradas e espalhadas.

E nossos sentimentos dês-ritmados.

 

E no amanhã o desencontro,

sexo apenas sexo.

Este é o amor que hoje vivemos?

Ou sempre foi assim,

e nunca percebemos?

 

Amor, o que é o amor?

 

Meu peito arde de dor,

minha razão dormente me ignora,

mas sei,

que amar é mais que podemos dar.

 

Amar é o complemento da excitação.

É o conjunto da paixão.

É o sentimento morto no passado,

que acho necessário,

tê-lo no peito ao acordar.

Do lado da mulher,

que um dia me fez sonhar,

chorar, sorrir e amar.

 

Amar, apenas Amar...

Leandro Campos Alves.

www.clubedeautores.com.br/book/181600--Metaforas_da_Vida#.VwWWN_krLIU

 
Número de páginas: 103 

Edição: 1(2015) 

Formato: A5 148x210 

Coloração: Preto e branco 

Acabamento: Brochura c/ orelha 

Tipo de papel: Offset 90g
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Meus Poemas.

Brumadinho.

Sombra a morte, no vale do desespero. Estrondoso dia, de lama, dor e enterro.   Fúria da natureza, na ruptura da obra humana. Desrespeito da força estática, levando no torso a dor, água e lama.   O vale se faz noite, o choro ecoa e reclama. A saudade daqueles, que deixou aqui quem os...

Grande final da Liga Mantiqueira de Motocross, em Liberdade MG.

        O ronco dos nossos motores, chora em silêncio a sua partida. Valeu Companheiro.                           Gabriel Ribeiro #13 Autor da Frase: Leandro Campos Alves.   Homenagem...

A morte!

A morte expressa o medo. Mas que medo? Medo do que? Nascemos e somos levados ao batismo, cremos em Cristo, na ressurreição e na vida eterna. Então não seria a morte a consagração do que na vida esperamos?   Aos que vão, o silêncio! Aos que ficam, o choro! Aos incrédulos, a desilusão!   A...

Silêncio

O pensamento voa, na calada da noite. E no silêncio do dia! Meu peito agoniza.   Os momentos da vida, ficam restrito nas lembranças. O tempo com a vida passa, e envelhecemos com ele.   Com o amadurecimento... Sinto a frieza da alma, na quietude do seu silêncio.   Sombrio...

Soneto de la vida

Nuestros cuerpos entrelazados, sin remordimiento y pecado, me lleva al éxtasis del placer, al poseer usted.   Gritamos y amamos, El placer rompe el silencio de la noche, como la propia noche, que se pierde al amanecer.   Las memorias permanecen, sin miedo y consecuencias, sin hijos o...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>