Marcio Campos, autor de livro sobre o Caso Eloá.

Marcio Campos, autor de livro sobre o Caso Eloá.

"Foi uma tremenda derrapada da imprensa", diz Marcio Campos, autor de livro sobre o Caso Eloá

 

Por Thaís Naldoni/Redação Portal IMPRENSA
 
 
 

Há quase dois meses - em 13/11 - começava um sequestro na cidade de Santo André, região metropolitana de São Paulo (SP), que dias depois terminaria com a morte da jovem Eloá Pimentel, de 15 anos, assassinada pelo ex-namorado, Lindemberg Alves, 22.

O caso, que seria mais um dos milhares crimes passionais que acontecem por ano no Brasil, tornou-se uma tragédia nacional e um case a ser estudado se levada em conta a desastrada participação da mídia, que insistiu em interferir na ação policial entrevistando, por vezes consecutivas, o seqüestrador.

Ainda sob o calor da polêmica, em meio a discussões acaloradas de Comissões da Câmara dos Deputados, e de um pedido da indenização do Ministério Público à Rede TV! (a primeira a entrevistar Lindemberg ao vivo), o jornalista Marcio Campos, da Band - que cobriu o caso pela emissora - assina o primeiro livro a ser publicado sobre o tema, através da Editora Landscape: "A tragédia de Eloá - Uma sucessão de erros", lançado nesta esta quarta-feira (10), na Livraria Saraiva, localizada no Shopping Morumbi, em São Paulo (SP).

De acordo com o jornalista, o livro - escrito em oito dias - não se propõe a analisar profundamente o caso, mas a levar informação a todos os que acompanharam o decorrer dos acontecimentos, para que haja a possibilidade de uma reflexão mais profunda da sociedade sobre o tema. Acompanhe a entrevista.


IMPRENSA - O seqüestro da Eloá Pimentel acabou há menos de dois meses. A história está viva ainda na cabeça da população. Não há o risco de que o projeto, e seus participantes - você e a editora - sejam considerados oportunistas?
Marcio Campos
 - Fui convidado pela Editora Landscape para escrever esse livro. Ninguém é ingênuo de achar que as empresas são somente idealistas. É claro todas têm programas idealistas, mas elas têm que pagar suas contas. Falando por mim, me sinto honrado em ter sido convidado para escrever esse livro. Há muitos jornalistas que têm livros na gaveta há anos e não conseguem publicar, não tem editora. No meu caso, fui convidado a escrever.

Se algum crítico, alguém me achar oportunista, vou classificar como hipocrisia, por que imagino que muita gente gostaria de ter recebido o convite que recebi. Acho que vai ter muito oportunista aproveitando o lançamento do livro para se promover em cima de críticas.

O fato é que, no Brasil, não existe a cultura dos livros publicados no calor dos acontecimentos. Nos Estados Unidos, por exemplo, isso é normal. Veja só o número de livros publicados sobre o Barack Obama, na época das eleições presidenciais.

IMPRENSA - Em quais circunstâncias aconteceu o convite da Editora? Você pensou em recusar?
Marcio -
  O diretor comercial da Editora entrou em contato comigo. Nós não nos conhecíamos. Ele me disse que havia acompanhado meu trabalho pela TV, que havia me visto passando informações sobre o Caso Eloá e que havia gostado do meu trabalho. Ele conseguiu falar comigo em um dia à tarde e me convidou para jantar naquele dia. Durante o jantar, ele me apresentou a proposta para escrever o livro.

IMPRENSA - Qual foi sua reação ao convite?
Campos -
 Pedi a ele um tempo para pensar no assunto, mas logo ele me disse que não tinha tempo para dar, já que se tratava de um projeto rápido. Então, fui para casa com a proposta na cabeça, conversei com minha esposa, que também é jornalista, e acabei decidindo por fazer. Em casa, sou o lado emocional, ela é o racional. Juntamos tudo, fizemos a média e, no final, a decisão foi essa.

 

Divulgação  
Capa do livro
IMPRENSA - A Editora estabeleceu um prazo determinado para a entrega da obra?
Campos -
 Estabeleceu sim. Depois de ter aceito o convite, tinha cerca de oito dias para entregar todo o texto para que fosse viável à editora o lançamento ainda neste ano. O fato é que eu não podia tirar licença da Band para escrever porque o projeto era sigiloso. Uma das exigências da editora foi que eu trabalhasse no mais absoluto sigilo. Até por questão de espionagem. Outra empresa poderia abraçar a idéia com outro autor. Então não deixei de trabalhar, continuei na minha rotina normal, mas em qualquer horário livre, estava escrevendo, pesquisando. A única coisa que fiz, foi pedir para que minha esposa viajasse com minha filha (ela tem apenas quatro anos), para que eu tivesse as noites livres para trabalhar. Então, tive quatro noites consecutivas para trabalhar em casa.

 

IMPRENSA - Você nem chegou a tentar uma dispensa da Band?
Campos -
 Nem pedi porque teria que explicar o motivo da licença. Ao dizer que estaria escrevendo um livro, teria que dizer qual, aí não conseguiria manter o sigilo pretendido. Então, usava qualquer brecha para escrever, pesquisar, assistir as matérias das demais emissoras e redigir os textos.

IMPRENSA - Como você fez para assistir as matérias e as entradas ao vivo das demais emissoras? Arquivos, YouTube?
Campos -
 Acabei assistindo todas as emissoras usando uma ferramenta da própria Band, que permite acessar a programação das emissoras, até simultaneamente, na data e horário que escolhermos. Aí, assisti tudo o que todos os canais passaram. Essa ferramenta foi fundamental para o meu trabalho.

IMPRENSA - O livro não se propõe a analisar o caso, dado o pouco tempo que se teve para escrever e também pelo fato de o caso ainda não ter acabado...
Campos -
 O livro se propõe a ser uma ferramenta que leve informação, que mostre exatamente tudo o que aconteceu no seqüestro. Trata-se de uma ferramenta para discussão, para análise, já que, na minha opinião, todos deveriam refletir bastante sobre o caso, tanto as famílias, quanto os órgãos de segurança pública e, claro, a imprensa. As redações precisam discutir, as faculdades precisam discutir. Os pais devem refletir a convivência e o diálogo com os filhos adolescentes.

 

Divulgação
Marcio Campos, da Band
IMPRENSA - Você disse que no livro não fez nenhum juízo de valor. Mas, como jornalista, como você avalia o trabalho da imprensa no Caso Eloá, mais precisamente o fato de a mídia ter entrevistado o seqüestrador?
Campos -
 Acho que foi um erro enorme. No caso da entrevista, a primeira, falava-se em furo. Não vejo isso como um furo, mas como uma tremenda derrapada da imprensa. Nesse caso, a mídia ultrapassou os limites. Durante uma crise, ninguém deve interferir, muito menos a imprensa. Nós, na Band, tínhamos os dois telefones, mas não ligamos. O próprio Coronel responsável pelo caso classificou a entrevista como um "desserviço", já que havia um acordo com Lindemberg em que ele se entregaria logo após o almoço do dia 15/11. Depois das entrevistas, ele recuou e manteve Eloá refém.

 

É o reflexo na concorrência desenfreada que se vê na mídia brasileira, que vem gerando prejuízos aos cidadãos.

IMPRENSA - O que, na sua opinião, fez do Caso Eloá, um namoro mal resolvido, se transformar em uma tragédia de alcance nacional?
Campos -
 Acho que a incompetência em administrar uma crise faz com que ela se torne cada vez maior. Isso em qualquer crise. Juntou-se uma série de fatores à incompetência de diversos agentes da gestão da crise, por isso o caso cresceu tanto.


Serviço
A tragédia de Eloá - Uma sucessão de erros
Autor: Marcio Campos
EditoraLandscape
Páginas:112
Preço: R$ 21,90

 

Fonte: Portal Imprensa, Por Thaís Naldoni/Redação Portal IMPRENSA

Link:portalimprensa.com.br/noticias/entrevista+da+semana/22569/foi+uma+tremenda+derrapada+da+imprensa+diz+marcio+campos+autor+de+livro+sobre+o+caso+eloa

 

Entrevistas Literárias.

Entrevista com Rosa Marques

Por Shirley M. Cavalcante ( SMC)   'Prisioneiros do Progresso' com a autora portuguesa Rosa Marques Rosa Marques nasceu em Portugal, na ilha da Madeira, freguesia da Camacha, onde viveu até aos dezoito anos de idade. Após o seu casamento mudou-se para Porto Santo. Preocupa-a a grande...

Entrevista com Fernanda Camillo

Por Shirley M. Cavalcante (SMC) Fernanda Camillo é escritora graduada pela Universidade de São Paulo e Master in Fine Arts pelo Instituto Vera Cruz, também em São Paulo. Autora de diversos contos, em 2005 publicou o livro de poemas “Além do Olhar” e está lançando seu primeiro romance  “A...

Patrícia Fernandez

por Shirley M. Cavalcante (SMC)   Sou publicitária e autora profissional. Gosto de explorar meu talento e criatividade, criando ideias sólidas e concretas, sempre buscando a melhor maneira de desenvolvê-las. Trabalho bem em equipe e gosto de compartilhar ideias e metas bem definidas de...

Pola Oloixarac

A escritora argentina, Pola Oloixarac, atualmente vive em São Francisco, onde trabalha na divulgação de seu livro As Teorias Selvagens (Benvirá), recentemente traduzido para o inglês por Roy Kesey. Desde 2011 Pola conquistou espaço entre os leitores brasileiros quando veio...

A Medicina do Futuro apresenta massagem de som com Taças Tibetanas e Gongos

Por Shirley M. Cavalcante ( SMC)   Sou a Vida chamada Margareth. No período de tempo como a maioria o conhece, tenho 44 anos, gosto de honrar e refletir sobre os meus ancestrais bem como sobre a minha própria história enquanto mulher e ser pensante. Sei-me uma mulher livre e consciente, ligada...

WASHINGTON LUIS LANFREDI

Por:Conexão Literatura   ENTREVISTA COM WASHINGTON LUIS LANFREDI   Washington Luis Lanfredi O autor é formado em Técnico de Eletrônica e Engenharia Mecatrônica. Tem 35 anos e nasceu em Atibaia, mas vive em Taubaté desde os três anos de idade, sendo Taubaté a terra da Literatura infantil....

Nara Vidal

Por Selmo Vasconcellos   Nara Vidal é mineira de Guarani. Formada em Letras pela UFRJ, é Mestre em Artes pela London Met University. Mora na Europa há 14 anos. É autora de infantis, juvenis e seu primeiro adulto, “Lugar Comum” (Editora Pasavento), já em reimpressão, foi lançado em...

Dinovaldo Gilioli

Por Selmo Vasconcellos   Dinovaldo Gilioli — nasceu em Leópolis/PR, 1957, morou em Curitiba e reside há mais de 30 anos em Florianópolis – SC. Formado em Ciências Contábeis, com especialização em Realidade Brasileira e pós graduação em Dinâmica dos Grupos. Quando diretor do Sindicato...

Christiane de Murville

A francesa e brasileira Christiane de Murville apresenta 'Até Quando?'   Por Shirley M. Cavalcante (SMC) Graduada, mestre e doutora em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo, com especialização em psicodrama e orientação profissional, Christiane Isabelle Couve de Murville...

George Ornellas

Romance policial 'Amores e crimes' será lançado no Rio de Janeiro   Por Shirley M. Cavalcante (SMC) George Ornellas é Professor de Educação Física, Geógrafo, Historiador e Escritor. Romântico e aventureiro, nasceu no Rio de Janeiro, escreveu seu primeiro romance há mais de vinte anos,...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>