Manuel Antônio Álvares de Azevedo

 Manuel Antônio Álvares de Azevedo

       

       Manuel Antônio Álvares de Azevedo (São Paulo, Província de São Paulo, Império do Brasil, 12 de setembro de1831 — Rio de Janeiro, Império do Brasil, 25 de abril de 1852) foi um escritor da segunda geração romântica (Ultra-Romântica, Byroniana ou Mal-do-século), contista, dramaturgo, poeta e ensaísta brasileiro, autor de Noite na Taverna.

 

        Biografia:

        Filho de Inácio Manuel Álvares de Azevedo e Maria Luísa Mota Azevedo passou a infância no Rio de Janeiro, onde iniciou seus estudos. Voltou a São Paulo, em 1847, para estudar na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, onde, desde logo, ganhou fama por brilhantes e precoces produções literárias. Destacou-se pela facilidade de aprender línguas e pelo espírito jovial e sentimental.

        Durante o curso de Direito traduziu o quinto ato de Otelo, de Shakespeare; traduziu Parisina, de Lord Byron; fundou a revista da Sociedade Ensaio Filosófico Paulistano (1849); fez parte da Sociedade Epicureia; e iniciou o poema épico O Conde Lopo, do qual só restaram fragmentos.

        Não concluiu o curso, pois foi acometido de uma tuberculose pulmonar nas férias de 1851-52, a qual foi agravada por um tumor na fossa ilíaca, ocasionado por uma queda de cavalo, falecendo aos 20 anos. No entanto, vale ressalva, acausa mortis do autor é um tema historicamente controverso, com diferentes hipóteses.

        A sua obra compreende: Poesias diversas, Poema do Frade, o drama Macário, o romance O Livro de Fra Gondicário, Noite na Taverna, Cartas, vários Ensaios (incluíndo "Literatura e civilização em Portugal", "Lucano", "George Sand" e "Jacques Rolla") e Lira dos vinte anos

        Suas principais influências são: Lord Byron, Goethe, François-René de Chateaubriand, mas principalmente Alfred de Musset.

        Figura no cânone da poesia brasileira. Foi muito lido até as duas primeiras décadas do século XX, com constantes reedições de sua poesia e antologias. As últimas encenações de seu drama Macário foram em 1994 e 2001. É patrono da cadeira 2 da Academia Brasileira de Letras.

        Lira dos Vinte Anos.

 

        Álvares de Azevedo.

        Lira dos Vinte Anos (inicialmente planejada para ser publicada num projeto — As Três Liras — em conjunto com Aureliano Lessa e Bernardo Guimarães), é o título da principal obra do autor. Segundo alguns pesquisadores, o nome da coleção de poesias se dava ao fato de ter existido uma garota — a qual, até hoje, ninguém sabe a identidade, muito bem escondida pelo Dr. Jaci Monteiro — que tocava esse instrumento.

        É evidente a explicitação de Álvares de Azevedo na postura consciente do fazer poético, afinal em seus prefácios há um alto grau de conhecimento quanto à proposta ultrarromântica, a qual exibe um certo metarromantismo marcada pelo senso crítico.

        É, provavelmente, o primeiro a incorporar o cotidiano na poesia no Brasil, com o poema Ideias íntimas, da segunda parte da Lira. O autor de Lira dos Vinte Anos estabelece valores e critérios a sua obra. Revela-se, assim, uma verdadeira teorização programada.

        No segundo prefácio de Lira dos Vinte Anos, o seu autor nos revela a sua intencionalidade e o vincula de tal maneira ao texto poético, que a gratuidade e autonomia perde espaço e revela a intencionalidade do poeta, isto é, explicação de temas, motivos e outros elementos.

        Um aspecto característico de sua obra e que tem estimulado mais discussão diz respeito à sua poética, que ele mesmo definiu como uma "binomia", que consiste em aproximar extremos, numa atitude tipicamente romântica. É importante salientar o "Prefácio" à "Segunda parte" de Lira dos Vinte Anos, um dos pontos críticos de sua obra e na qual define toda a sua poética.

        Machado de Assis publicou no jornal “Semana Literária”, em 26 de junho de 1866 uma análise de Lira dos vinte anos.

        Atualmente, a literatura de Álvares de Azevedo tem suscitado alguns estudos acadêmicos, dos quais sublinham-se "O Belo e o Disforme", de Cilaine Alves Cunha (EDUSP, 2000), e "Entusiasmo indianista e ironia byroniana" (Tese de Doutorado, USP, 2000); "O poeta leitor. Um estudo das epígrafes hugoanas em Álvares de Azevedo", de Maria C. R. Alves (Dissertação de Mestrado, USP, 1999); "Álvares de Azevedo: A busca de uma literatura consciente", de Gilmar Tenorio Santini (Dissertação de Mestrado, UNESP, 2007); "Uma lira de duas cordas", de Rafael Fava Belúzio (Scriptum, 2015). Este último propõe uma leitura renovadora da crítica sobre o autor.

        O crítico literário Alexei Bueno faz uma interessante observação sobre a "característica quase esquizoide da alma de Álvares de Azevedo", a dissociação entre sua obra "onde não faltam bebedeiras e orgias altamente byronianas" e sua vida pacata de "excelente e responsabilíssimo aluno, de enorme afeição familiar e provavelmente bastante casto".

        

        Trabalhos.

        Devido a sua morte prematura, todos os trabalhos de Álvares de Azevedo foram publicados postumamente.

        Lira dos Vinte Anos (1853, antologia poética);

        Macário (1855, peça de teatro);

        Noite na Taverna (1855, contos);

        O Conde Lopo (Juaréz Cavalcante)

        Álvares de Azevedo também escreveu muitas cartas e ensaios e traduziu para o português o poema Parisina, de Lorde Byron, e o quinto ato de Otelo, de William Shakespeare.

 

Fonte:Wikipédia

Biografias de Escritores Brasileiros.

Thais Matarazzo

Empresária, jornalista, escritora e investigadora cultural, com ênfase na história do rádio e da música popular brasileira e lusa.  Integra a equipe do programa “Solo Tango”, na Rádio Trianon de São Paulo. Vem participando nos últimos anos de vários Congressos e Ciclos de Conferências no...

Adélia Prado.

Mineira de Divinópolis, Adélia Prado foi professora e escritora, formou-se em Filosofia em 1973 e acumulou vários prêmios ao longo de sua trajetória, entre os quais o Prêmio Jabuti de Literatura de 1978 da Câmara Brasileira do Livro com o livro "Coração Disparado", Prêmio ABL de Literatura...

‎Jose Armando Sousa Rodrigues de Sousa‎

LEANDRO SOU, CAXIENSE DA PRINCESA DO SERTÃO MARANHENSE (CAXIAS - MARANHÃO - BRASIL), ATENAS BRASILEIRA, MÃE DA BANDEIRA NACIONAL, MÃE DA CIDADE MARAVILHOSA DO RIO DE JANEIRO E MÃE DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, CASADO, JORNALISTA, PROFESSOR, POETA E ESCRITOR...

Fábio Fabrício Fabretti

    É de Maringá, no Paraná. Reside no Rio de Janeiro. Formado em Letras, especializou-se em Literatura. Professor de Literatura, Redação e Língua Portuguesa. Participou de antologias e coletâneas. Colaborou com diversas mídias. É autor de livros lançados no Brasil e na Europa, como...

Gislaine Canales

Gislaine Canales nasceu em Herval - RS - BR, em 20/04/38. Divorciada. Quatro filhos. Sete netos. Uma bisneta. Delegada do Portal CEN - "Cá Estamos Nós", Presidente da UBT, União Brasileira de Trovadores, e Cônsul de Poetas Del Mundo em Balneário Camboriú /SC. Bacharel  em Pedagogia e...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>