HERÓIS DO TRAÍRA: 27 ANOS SE PASSARAM, MAS SUAS AÇÕES EM DEFESA DA NAÇÃO PERDURAM NA MEMÓRIA DE TODOS.

HERÓIS DO TRAÍRA: 27 ANOS SE PASSARAM, MAS SUAS AÇÕES EM DEFESA DA NAÇÃO PERDURAM NA MEMÓRIA DE TODOS.

    Tabatinga (AM) – No dia 2 de março, foi realizada a tradicional cerimônia no Comando de Fronteira Solimões/8º Batalhão de Infantaria de Selva (CFSol/8º BIS), em homenagem aos heróis que tombaram no Destacamento de Fronteira Traíra, em 1991.

    A homenagem marca os 27 anos da tragédia, em que militares do 8º BIS foram mortos após um ataque surpresa, às margens do Rio Traíra, por guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). Os heróis também foram lembrados em uma bonita homenagem realizada no 3º Pelotão Especial de Fronteira, situado na Vila Bittencourt (AM), onde foi destaque a entrega de um monumento confeccionado em memória dos militares participantes do episódio.

    Prestigiaram a cerimônia militares da reserva que pertenciam ao “Destacamento Traíra”, autoridades civis e militares e as famílias dos soldados homenageados, vítimas dessa ação: Sidmar Fonseca Moraes, Sansão Ramos Gonçalves Aldemir Lopes de Almeida.

    A ferro e fogo, o juramento à Bandeira Nacional, que todo militar do Exército Brasileiro declama solenemente ao transpor os portões da caserna, é colocado à prova: “defender a Pátria, se preciso for, com o sacrifício da própria vida”.

 

O que se passou no Rio Traíra, há 27 anos

    Em 26 de fevereiro de 1991, um grupo de cerca de 40 guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, que se autodenominava "Comando Simon Bolívar", adentrou em território brasileiro, próximo a fronteira entre Brasil e Colômbia, às margens do Rio Traíra no Estado do Amazonas, e atacou de surpresa o Destacamento Traíra do Exército Brasileiro, que estava em instalações semi-permanentes e possuía apenas 17 militares, efetivo muito inferior a coluna guerrilheira que o atacara.     Operações de inteligência afirmam que o ataque foi motivado pela repressão exercida pelo destacamento de fronteira ao garimpo ilegal na região, uma das fontes de financiamento das FARC. Nesse ataque morreram três militares brasileiros e nove ficaram feridos. Várias armas, munições e equipamentos foram roubados. 

    Imediatamente as Forças Armadas do Brasil, autorizadas pelo presidente Fernando Collor de Mello e com o conhecimento e apoio do Presidente colombiano César Gaviria Trujillo, deflagraram secretamente a Operação Traíra, com o objetivo de recuperar o armamento roubado e desencorajar novos ataques. Uma reunião bilateral entre representantes do Brasil e da     Colômbia em caráter urgente foi realizada em Leticia, na Colômbia, no dia 9 de março, em que planos de ação foram discutidos e traçados. Ambas as delegações concordaram sobre compartilhar, de imediato e também ao longo das semanas seguintes, informações sobre atividades subversivas, terroristas ou ligadas ao narcotráfico. 

 

Força Aérea Brasileira:


    A Força Aérea Brasileira apoiou a Operação Traíra, com seis helicópteros de transporte de tropas H-1H, seis aeronaves de ataque ao solo AT-27 Tucano e aviões de apoio logístico C-130 Hércules e C-115 Búfalo. 


Marinha do Brasil:


   A Marinha do Brasil apoiou a Operação Traíra com um Navio Patrulha Fluvial, que ficou baseado em Vila Bittencourt, cooperando com o apoio logístico e garantindo a segurança daquela região.


    Exército Brasileiro:


    O Exército Brasileiro enviou suas principais tropas de elite, elementos de forças especiais e de comandos e do Batalhão de Forças Especiais (atuais 1º Batalhão de Forças Especiais e 1º Batalhão de Ações de Comandos), e também guerreiros de selva do até então 1º Batalhão Especial de Fronteira, para atacar a base guerrilheira que se encontrava em território colombiano, próxima a fronteira. Também apoiaram, militares do 1º Batalhão de Infantaria de Selva, principal unidade do Comando Militar da Amazônia. O Comando de Aviação do Exército se fez presente fornecendo o meio de transporte utilizado pelos combatentes empregados na missão, 4 helicópteros de manobra HM-1 Pantera, 2 helicópteros de reconhecimento e ataque HA-1 Esquilo.
    O saldo da Operação Traíra foi o de 62 guerrilheiros mortos, inúmeros capturados, maior parte do armamento e equipamento recuperados. Desde então, nunca mais se soube de invasões das FARC em território brasileiro, assim como ataques a militares brasileiros.
    A maior parte da sociedade brasileira não sabe disso.
    O Exército realizou ontem (26/02/2019) homenagens aos heróis que tombaram defendendo nosso território.
    Nenhuma rede de TV fez questão de divulgar o fato.

 

Fonte: Ministério da Defesa - Exercito Brasileiro

Fonte:CFSol/8º BIS e Agência Verde-Oliva

Exército Brasileiro

 

 

O País e o Mundo.

HERÓIS DO TRAÍRA: 27 ANOS SE PASSARAM, MAS SUAS AÇÕES EM DEFESA DA NAÇÃO PERDURAM NA MEMÓRIA DE TODOS.

    Tabatinga (AM) – No dia 2 de março, foi realizada a tradicional cerimônia no Comando de Fronteira Solimões/8º Batalhão de Infantaria de Selva (CFSol/8º BIS), em homenagem aos heróis que tombaram no Destacamento de Fronteira Traíra, em 1991.     A homenagem...

Suspeitos ligados a quadrilha de ataques a bancos e tráfico são presos em MG e SP

    Segundo o Ministério Público, organização criminosa estava envolvida com ataques a bancos de Cruzília (MG) em setembro de 2018. Reprodução/EPTV  Fonte: G1 / EPTV     O Ministério Público de Minas Gerais (MG) prendeu na manhã desta terça-feira (26)...

Estação de Tratamento de Esgotos do município de Caxambu MG.

        Tenho um carinho enorme por este lugar, se eu falar muitos até duvidaram qual lugar é este.     Um lugar que é exemplo de competência e respeito à natureza, onde os profissionais que atuam neste local e em toda cidade, tem meu respeito e carinho pela...

RESTAURO DA CASA BARBOSA - LIBERDADE MG.

FOTO DA COLEÇÃO DE JCARLOS SILVÉRIO   Casa Barbosa            A Casa Barbosa hoje encontra-se em processo de Restauro devido à formação do Instituto Casa Barbosa - ICAB que em boa hora se constituiu pela Lideranças de Francisco Mendes, Maria do Carmo...

Policiais de Tangara da Serra.

        Um porteiro que estava com os documentos da motocicleta vencidos, em Tangará da Serra, a 242 de Cuiabá, pediu à polícia que não apreendessem o veículo dele, porque precisava do mesmo para levar a mulher dele ao hospital três vezes por semana para...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>