Eu juro que vi.

 Eu juro que vi.

 

Eu vi uma arara vermelha

com pitangas nas orelhas.

Eu vi uma cobra jararaca

engolindo uma jaca.

 

Eu vi uma onça pintada

se coçando com a espingarda.

Eu vi o senhor Juvenal

comendo açúcar com sal.

 

Eu vi um dromedário

fazendo tricô no armário.

Eu vi uma baleia dançando

na lua cheia.

 

Eu vi uma canoa na beira da lagoa.

Eu vi um elefante dançando no balanço.

Eu vi uma macaca engolindo uma jaca.

Eu vi o rio fazendo assovio.

Eu vi um sabiá que sabia assoviar.

 

Jefferson Aparecido de Oliveira, nascido em Resende – RJ, aos 25/05/2004, estudante do 4° ano da Escola Municipal Professor José Estevão, em Liberdade – MG quer ser soldado do exército.

 

 

 

Todos direitos estão reservados a "Antologia Liberdade dos Poetas" e ao autor  conforme artigo (Lei 9610/98).

 

Poetas e seus Poemas da Antologia “Liberdade dos Poetas".

Uma flor.

  Olho na janela vejo uma flor, tão bonita que vi o seu amor. Vejo uma menina perto dela, passando numa passarela.   Que coisa tão bela, vou levar para colocar na janela, fico triste, porque não mais irei vê-la.   Saio da janela, vou passear na rua. Vejo a lua, lembro-me da flor, que...

Os sinos de minha terra.

  Quando nasci, assim disse minha mãe: Escute, menino. Escute o doce badalar dos sinos de setembro. Escute-os para nunca esquecê-los para que te lembres de casa quando for outubro, quando for novembro. Eu escutei-os, e de casa me lembro enquanto ainda carrego minha vela. Nessa vida de muitos...

Ser bailarino.

  Ser bailarino, é mostrar ao mundo o jeito, mais simples para ser feliz.   Deixar seus movimentos falar por você, com o gesto mais singelo com meu pé paralelo, e invés de reclamar da vida, da um salto e fala que sabe voar.   O mundo de hoje mostra a crueldade, mais eu mostro a...

A vida

    Pelos caminhos da vida, muitas pessoas irão encontrar. Umas te farão feliz, outras apenas chorar.   Espero que dessas lágrimas, muitas alegrias possam nascer. Porque nesta vida, temos que aprender a conviver.   Temos que deixar, as coisas ruins para lá. E pensarmos...

A corrida para a escola de manhã.

    Dormir cedo para não demorar acordar, tomar banho para se limpar, arrumar os cadernos e tomar café, e depois os dentes escovar.   Pegar a mochila e chegar cedo, para um lugar pegar, abra o caderno e pegue o lápis, que a aula vai começar.   A professora já chegou. Preste...
<< 2 | 3 | 4 | 5 | 6 >>