Bodas.

 Bodas.

 Bodas.



Não quero o seu sacrifício,
quero a sua felicidade.
Por isso eu me realizo,
com a nossa cumplicidade.

Digo isso com a certeza,
porque não vejo só a sua beleza.
Temos uma afinidade,
que foge a realidade,
das razões da nossa sociedade.

Nossa amizade é de alma,
e isso me acalma.
Quero muito bem a você,
por isso lhe dedico este poema,
com este belo tema.

Você não é só uma simples mulher,
esposa, mãe ou companheira.
Você é a pessoa,
que escolhi como minha metade, 
para toda eternidade.

Por isso além de te amar,
quero deixar em versos meu registro,
o tamanho de nosso amor,
que sobrevive após tantos anos de casados,
sempre juntos e ligados.
Por este forte laço, 
deixo este poema,

                                 para ficar eternizado.                                 

                              

 Leandro Campos Alves.

Poema da antologia Além do Olhar.

ISBN: 978-85-8290-025-3

2014

 


 

Obrigado aos meus amigos leitores pela visita, e fiquem com Deus.

 

 
Número de páginas: 103 

Edição: 1(2015) 

Formato: A5 148x210 

Coloração: Preto e branco 

Acabamento: Brochura c/ orelha 

Tipo de papel: Offset 90g
 

Meus Poemas.

Brumadinho.

Sombra a morte, no vale do desespero. Estrondoso dia, de lama, dor e enterro.   Fúria da natureza, na ruptura da obra humana. Desrespeito da força estática, levando no torso a dor, água e lama.   O vale se faz noite, o choro ecoa e reclama. A saudade daqueles, que deixou aqui quem os...

Grande final da Liga Mantiqueira de Motocross, em Liberdade MG.

        O ronco dos nossos motores, chora em silêncio a sua partida. Valeu Companheiro.                           Gabriel Ribeiro #13 Autor da Frase: Leandro Campos Alves.   Homenagem...

A morte!

A morte expressa o medo. Mas que medo? Medo do que? Nascemos e somos levados ao batismo, cremos em Cristo, na ressurreição e na vida eterna. Então não seria a morte a consagração do que na vida esperamos?   Aos que vão, o silêncio! Aos que ficam, o choro! Aos incrédulos, a desilusão!   A...

Silêncio

O pensamento voa, na calada da noite. E no silêncio do dia! Meu peito agoniza.   Os momentos da vida, ficam restrito nas lembranças. O tempo com a vida passa, e envelhecemos com ele.   Com o amadurecimento... Sinto a frieza da alma, na quietude do seu silêncio.   Sombrio...

Soneto de la vida

Nuestros cuerpos entrelazados, sin remordimiento y pecado, me lleva al éxtasis del placer, al poseer usted.   Gritamos y amamos, El placer rompe el silencio de la noche, como la propia noche, que se pierde al amanecer.   Las memorias permanecen, sin miedo y consecuencias, sin hijos o...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>