Amadeu Ataliba Arruda Amaral Leite Penteado

 Amadeu Ataliba Arruda Amaral Leite Penteado

        Amadeu Ataliba Arruda Amaral Leite Penteado (Capivari (hoje Monte-Mor), 6 de novembro de 1875 — São Paulo, 24 de outubro de 1929) foi um poeta, folclorista, filólogo e ensaísta brasileiro.

        Estudos Linguísticos.

        Autodidata, surpreendeu a todos por sua extraordinária erudição, num tempo em que não havia em São Paulo, os estudos acadêmicos e os cursos especializados que se especializariam pouco depois. Dedicou-se paralelamente à poesia aos estudos folclóricos e, sobretudo, à dialectologia. No Brasil, foi o primeiro a estudar cientificamente um dialeto regional. O Dialeto Caipira, publicado em 1920, escrito à luz da linguística, estuda o linguajar do caipira paulista da área do vale do rio Paraíba, analisando suas formas e esmiuçando-lhe sistematicamente o vocabulário. Esta obra é considerada como sua melhor contribuição às Letras.

        Percurso literário.

        Sua poesia enquadra-se na fase pós-parnasiana, das duas primeiras décadas do século XX. Como poeta, não esteve à altura de seus dois predecessores,Gonçalves Dias e Olavo Bilac, mas destacou-se pelo desejo de contribuir, com suas obras, para a elevação de seus semelhantes.

        Seu primeiro Livro, Urzes, revela a influência pelo Simbolismo, notadamente na parte referente aos sonetos, estética da qual se afastaria gradualmente dos volumes posteriores, Névoa e Espumas, já ligados ao Parnasianismo. Em seu último livro de versos, Lâmpada Antiga, é constituído de sessenta sonetos, os quais verificam os princípios de humildade, na análise de personalidade do ser humano e dos princípios da moral e cívica, visando diretamente ao aperfeiçoamento humano.

        Academia Brasileira de Letras.

        Foi eleito para a cadeira 15 da Academia Brasileira de Letras, na vaga de Olavo Bilac, recebido em 14 de novembro de 1919 pelo acadêmico Magalhães Azeredo.

        Obras:

Urzes, poesia (1899)

Névoa, poesia (1902)

Espumas, poesia (1917)

Lâmpada antiga, poesia (1924)

Letras floridas, ensaio (1920)

O dialeto caipira, filologia (1920)

O elogio da mediocridade, ensaio (1924)

Tradições populares, folclore (1948)

Obras completas de Amadeu Amaral, com prefácio de Paulo Duarte (1948).

 

Fonte:: Wikipédia

Biografias de Escritores Brasileiros.

Autobiografia de Geraldo D'Almeida Alves

    Nasci em Goiana, município distante sessenta quilômetros do Recife (PE), no dia 29 de fevereiro de 1964. De família humilde, não tive regalias na infância.     Minha família: meu pai, minha mãe e nove filhos. Eu fui o sexto a nascer. Duas irmãs nasceram...

Thais Matarazzo

Empresária, jornalista, escritora e investigadora cultural, com ênfase na história do rádio e da música popular brasileira e lusa.  Integra a equipe do programa “Solo Tango”, na Rádio Trianon de São Paulo. Vem participando nos últimos anos de vários Congressos e Ciclos de Conferências no...

Adélia Prado.

Mineira de Divinópolis, Adélia Prado foi professora e escritora, formou-se em Filosofia em 1973 e acumulou vários prêmios ao longo de sua trajetória, entre os quais o Prêmio Jabuti de Literatura de 1978 da Câmara Brasileira do Livro com o livro "Coração Disparado", Prêmio ABL de Literatura...

‎Jose Armando Sousa Rodrigues de Sousa‎

LEANDRO SOU, CAXIENSE DA PRINCESA DO SERTÃO MARANHENSE (CAXIAS - MARANHÃO - BRASIL), ATENAS BRASILEIRA, MÃE DA BANDEIRA NACIONAL, MÃE DA CIDADE MARAVILHOSA DO RIO DE JANEIRO E MÃE DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, CASADO, JORNALISTA, PROFESSOR, POETA E ESCRITOR...

Fábio Fabrício Fabretti

    É de Maringá, no Paraná. Reside no Rio de Janeiro. Formado em Letras, especializou-se em Literatura. Professor de Literatura, Redação e Língua Portuguesa. Participou de antologias e coletâneas. Colaborou com diversas mídias. É autor de livros lançados no Brasil e na Europa, como...
<< 1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>