Aleijadinho.

Aleijadinho.

foto pixabay dominio publico

 

Aleijadinho.

 

A- Antônio Firmino Lisboa,

n- narro agora a sua história de vida,

t - talento nato de Vila Rica,

o- orgulho do movimento barroco,

n- nasceu com sangue mestiço,

i- intitulado mulato escravo,

o- obteve sua alforria ainda menino.

 

F- Foi um renomado escultor,

r- riquezas ele não conquistou,

a- ainda assim seu nome eternizou,

n- nas obras que ele talhava,

c- com imensa aptidão em pedra sabão,

i- imagens sacras por inspiração,

s- surgiam de suas mãos.

c- consciente que não era vistoso,

o- o pobre escondia sua aparência e cobria o rosto.

 

L- Legou os profetas para Congonhas.

i- irreconhecível por uma doença,

s- surgiu seu apelido de referencia,

b- bafio por suas chagas,

o- o levou a um isolamento inesperado,

a- assim em 1814, Aleijadinho morreu e foi sepultado.

 

Leandro Campos Alves.

2015.

 

 Todos direitos estão reservados a autor  conforme artigo (Lei 9610/98).


 

Meus Poemas.

Brumadinho.

Sombra a morte, no vale do desespero. Estrondoso dia, de lama, dor e enterro.   Fúria da natureza, na ruptura da obra humana. Desrespeito da força estática, levando no torso a dor, água e lama.   O vale se faz noite, o choro ecoa e reclama. A saudade daqueles, que deixou aqui quem os...

Grande final da Liga Mantiqueira de Motocross, em Liberdade MG.

        O ronco dos nossos motores, chora em silêncio a sua partida. Valeu Companheiro.                           Gabriel Ribeiro #13 Autor da Frase: Leandro Campos Alves.   Homenagem...

A morte!

A morte expressa o medo. Mas que medo? Medo do que? Nascemos e somos levados ao batismo, cremos em Cristo, na ressurreição e na vida eterna. Então não seria a morte a consagração do que na vida esperamos?   Aos que vão, o silêncio! Aos que ficam, o choro! Aos incrédulos, a desilusão!   A...

Silêncio

O pensamento voa, na calada da noite. E no silêncio do dia! Meu peito agoniza.   Os momentos da vida, ficam restrito nas lembranças. O tempo com a vida passa, e envelhecemos com ele.   Com o amadurecimento... Sinto a frieza da alma, na quietude do seu silêncio.   Sombrio...

Soneto de la vida

Nuestros cuerpos entrelazados, sin remordimiento y pecado, me lleva al éxtasis del placer, al poseer usted.   Gritamos y amamos, El placer rompe el silencio de la noche, como la propia noche, que se pierde al amanecer.   Las memorias permanecen, sin miedo y consecuencias, sin hijos o...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>