Aldo Moraes

Aldo Moraes

        Filho de Noé Salustiano de Moraes e Maria Helena de Oliveira, Aldo sempre gostou de escrever e ganhou seu primeiro concurso aos nove anos de idade, numa redação sobre Monteiro Lobato, promovido pela Secretaria Municipal de Educação de Londrina. Foi aluno do maestro Gervásio Basílio Nunes e também de Koellreutter, Mário Loureiro, Nei Carrasco e José Eduardo Grammani.

        Infância e Influência Musical

        Clodoaldo Salustiano de Moraes (16 de junho de 1970/ Londrina, PR). Filho de Maria Helena de Oliveira Moraes e Noé Salustiano de Moraes (1930-1977).

      Seus avós maternos Horácio de Oliveira (1895 - 1970 - Natural de Xavantes / SP) e Maria de Oliveira (1905 - 1967 - natural de Belo Horizonte / MG) eram filhos de escravos.

        Os seus bisavós maternos, Ana da Silva e João da Silva (pais de Maria de Oliveira), eram africanos, da Costa da Mina (atual Benin, Togo e Gana) e escravos no interior de Minas Gerais.

        Os pais de Dona Helena (Horácio e Maria) tinham que trabalhar para manter a família. Os seus avós, Ana da Silva e João da Silva, cuidavam da pequena Helena falando dialetos africanos no seu cotidiano.

     Maria Helena aprendeu o "gosto" do canto e pela música influenciada pelo seu pai, Horácio de Oliveira (avó de Clodoaldo), músico profissional, que tocava em pequenas orquestras violão, sanfona, percussão e até mesmo piano.

        Tornou-se cantora amadora nas horas de folga, fato este que influenciou diretamente Aldo Moraes.

     Foi gravado e/ou teve peças e canções executadas por Jaime Santos, Batuque na Caixa, Tambores de Fogo, Grupo Instrumental de São  Paulo, Fábio de Carvalho (flauta), Oilian Lanna (piano), Batuc'urbano, Sandra Morh (piano) e Arthur Cimirro (piano), entre outros. Teve trabalhos musicais apresentados no Brasil, na França, na Itália, em Portugal e na Espanha; e premiados no Brasil, na Suíça, na Áustria e nos Estados Unidos. Fez trilhas sonoras para a peça Máscaras (direção de Gilvania Rodrigues), apresentada em Londrina, em 1996, e na França, em 1998; para o seriado Personalidades (exibido por uma temporada, em 2003, na TV CNT Londrina); e para o curta-metragem Quando eu morrer, quem vai chorar por mim? dirigido por Wilson Inácio.

        Também escreve canções populares e é escritor, autor de livros de poesia e romance, sobre música e cultura. Como escritor, foi premiado em diversos concursos nacionais e, em 2013, no Concurso Agostinho Gomes, de Portugal. Em 2015, escreveu a trilha da peça Quando eu morrer, quem vai chorar por mim? com texto de Valdir Rodrigues e direção de Anna Bacinello.

        O Batuque na Caixa, projeto criado pelo músico em 1999, já atendeu 5.750 alunos gratuitamente; fez mais de 40 parcerias; gravou o CD Arte Brasilis e realizou mais de 350 shows pelo Brasil. O grupo Batuque na Caixa já se apresentou ao lado de Alcione (1999); Olodum (2001); Naná Vasconcelos (2001); Hermeto Paschoal (2002) e banda Espíritos Zombeteiros (nos carnavais de 2001 e 2002). O Batuque na Caixa recebeu reconhecimento de diversos prêmios: Reconhecimento Público da Câmara de Londrina 1999; Junia Rabello (MG/2003); Louvor da Assembleia Legislativa do Paraná (2005); semifinalista do Prêmio Itaú Unicef 2011 e 2013; e Leitura para Todos (Ministério da Cultura, em 2014).

        Aldo Moraes, Interessado por música, estudou composição erudita em São Paulo e em Londrina com Hans Joachin Koellreutter, Mário Loureiro, Eduardo Gramani, Arrigo Barnabé e Oilian Lanna. Conquistou Prêmios como compositor no Brasil (2001), Suíça (2002) e Áustria (1994).         Além disso, teve a oportunidade de apresentar trabalhos musicais na Espanha, Itália, França, Portugal, Argentina e Estados Unidos. Também suas obras integram o acervo da Orquestra e Biblioteca The New York Public Library for the Perfoming Arts e da Biblioteca da Universidade de Austin, Texas(EUA). Desenvolve pesquisa sobre a fonética do canto brasileiro e possui canções populares, que interpreta junto com poemas de suas autoria, em shows pelo país.

        Participou do projeto Pão e Poesia da Secretaria Municipal de Cultura em 1999 e 2.000, tendo 03 poemas seus publicados em 500 mil saquinhos de pão. Em 1999 fez um curso de haicai com Alice Ruiz. Ainda em 1999 criou os projetos Aqui tem Livro e Batuque na caixa, de incentivo à leitura e música para crianças e jovens carentes de Londrina, através do Instituto Cultural Arte Brasil, do qual é Presidente.

        Participou de diversas coletâneas nacionais em Concursos de poesia e contos que venceu, sempre nas primeiras colocações. Lançou em 2002 os CDs Arte Brasilis com música e poesia e Gestos (piano solo), Música de invenção (2009) e Poemas do Amanhecer (2008). Aldo Moraes escreveu artigos para o Jornal Panorama (PR) e já colaborou com Jornal de Londrina, Folha de Londrina, Folha de S.Paulo, Revista ASFEMPR, Jornal União, Letras Santiaguenses, Coruja Cultural e Revista Varal do Brasil.

        Em outubro/2011, recebeu o selo de qualidade cultural do Unicef por sua atuação à frente do Instituto Arte Brasil e do projeto musical Batuque na caixa. Foi Secretário Municipal de Cultura de Londrina.

        Em 2013, Aldo Moraes recebeu certificado especial pela participação no Concurso Internacional de Poesia de Portugal e o Batuque na caixa foi novamente certificado com o selo do Prêmio Itaú Unicef.

 

Poemas do Amanhecer

Amor de Invenção (Canções)

Arte Brasilis

Gestos (piano solo)

Twin Sounds (música incidental para teatro)

 

Livros

Casassanta (romance) - 2011

Poemas do amanhecer - 2011

Contos do cotidiano - 2012

O Sonho do arco-íris (infantil) - 2012

Cultura: caminhos para uma cidade democrática e acessível - 2012

Obras para piano e violão de Aldo Moraes - 2013

Obras para música de câmara de Aldo Moraes - 2013

Batuque na caixa: 15 anos - 2015

 

Fonte: Wikipédia

Biografias de Escritores Brasileiros.

Autobiografia de Geraldo D'Almeida Alves

    Nasci em Goiana, município distante sessenta quilômetros do Recife (PE), no dia 29 de fevereiro de 1964. De família humilde, não tive regalias na infância.     Minha família: meu pai, minha mãe e nove filhos. Eu fui o sexto a nascer. Duas irmãs nasceram...

Thais Matarazzo

Empresária, jornalista, escritora e investigadora cultural, com ênfase na história do rádio e da música popular brasileira e lusa.  Integra a equipe do programa “Solo Tango”, na Rádio Trianon de São Paulo. Vem participando nos últimos anos de vários Congressos e Ciclos de Conferências no...

Adélia Prado.

Mineira de Divinópolis, Adélia Prado foi professora e escritora, formou-se em Filosofia em 1973 e acumulou vários prêmios ao longo de sua trajetória, entre os quais o Prêmio Jabuti de Literatura de 1978 da Câmara Brasileira do Livro com o livro "Coração Disparado", Prêmio ABL de Literatura...

‎Jose Armando Sousa Rodrigues de Sousa‎

LEANDRO SOU, CAXIENSE DA PRINCESA DO SERTÃO MARANHENSE (CAXIAS - MARANHÃO - BRASIL), ATENAS BRASILEIRA, MÃE DA BANDEIRA NACIONAL, MÃE DA CIDADE MARAVILHOSA DO RIO DE JANEIRO E MÃE DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, CASADO, JORNALISTA, PROFESSOR, POETA E ESCRITOR...

Fábio Fabrício Fabretti

    É de Maringá, no Paraná. Reside no Rio de Janeiro. Formado em Letras, especializou-se em Literatura. Professor de Literatura, Redação e Língua Portuguesa. Participou de antologias e coletâneas. Colaborou com diversas mídias. É autor de livros lançados no Brasil e na Europa, como...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>