Abílio Barreto

Abílio Barreto

 

        Filho de Francisco José Velho Barreto e de D. Josefina Vieira Barreto, ingressou na escola Nossa Senhora do Rosário, onde traçava os primeiros versos. Transferiu-se em fins de 1895 para Belo Horizonte, então um canteiro de obras administradas pela Comissão Construtora da Nova Capital. Foi distribuidor dos dois primeiros jornais fundados ali, o "Bello Horizonte" e "A Capital". Em seguida, sucessivamente, trabalhou como caixeiro no comércio e foi aprendiz tipográfico.

        Em 1898 foi admitido na Imprensa Oficial, onde fez carreira como tipógrafo, revisor e redator interino do jornal "Minas Gerais", enquanto prestava os cursos preparatórios. Adotou o pseudônimo de Francisco Amado Jr ao publicar "Versos de um Autor Anônimo", em 1900. Cinco anos depois fez sua estreia na literatura com "Vernais", seguida de "Coralinas" (1909), em que apareceram os primeiros sonetilhos à moda B. Lopes, estilo que marcaria a sua produção.

        Foi repórter da "Folha Pequena", colaborando em quase todos os jornais e revistas que ali foram surgindo. Fundou o "Diário de Notícias", com Vasco Azevedo, e a Folha do Dia, com Soares Brandão, em ambas as repartições se tornando um redator secretário. Fundou associações literárias e beneficentes.

        Em 1924 foi promovido a primeiro oficial do Arquivo Público Mineiro, cargo no qual se aposentou em 1934. No ano seguinte, passou a dirigir o Arquivo Municipal e, ainda nessa função, em 1941, foi convidado pelo então prefeito Juscelino Kubitschek para organizar o Museu Histórico de Belo Horizonte, onde se tornou diretor. Abílio tornou-se membro da Academia Mineira de Letras na sucessão da cadeira de nº 18 pertencente a Estevam de Oliveira, em 1927. Nessa época conheceu ampla notoriedade como historiador e poeta ruralista. Veio a falecer em 17 de julho de 1957 e, logo após, o município decidiu homenageá-lo mudando o nome do museu para Museu Histórico Abílio Barreto.

        Publicou ainda: "Matizes" (1910); "Liz" (1912); "O Avô" (1912), peça teatral em um ato; "Viagens e Conferências" (1914); "Cromos" (1918), que viria a se tornar um recorde de vendagem após 1.000 edições se esgotarem em poucas semanas; "A Última Serenata" (1931), dedicada à perda da esposa; "A Noiva do Tropeiro"(1942), em que estreou como romancista. Até 1952 a obra "Cromos" ganharia uma 4ª edição aumentada, com acréscimo dos sonetilhos da obra "Coralinas"alterados nas estrofes.

        Como historiador publicou: "Livro das Cartas e Requerimentos: Modelos de Correspondência" (1921); "Belo Horizonte: Memória Histórica e Descritiva" (1928) e"Urbo Belo Horizonte" (1949). O biógrafo Augusto Fernandes publicou, em 1950, "Nobre Vida", contando a sua história. Deixou sem publicar: "Sua Excelência o Amor", comédia em três atos.

 

        Abílio publicou obras sobre a história do município, sendo elas: "Belo Horizonte: Memória Histórica e Descritiva – História Antiga"; "História Média" e "Resumo Histórico de Belo Horizonte". Sua obra "Cromos" garantiu-lhe o renome com a excepcional vendagem nas edições seguintes, tornando-o um dos principais autores mineiros em sua época. Nos seus poemas, Abílio abordava assuntos com minúcia na descrição, sempre enfatizando o amor e seus conflitos, seja no relacionamento, na vida sexual ou no trato com pessoas mantidas a um certo grau de parentesco.

        A linguagem que trazia para os seus versos provinha de uma estética concretista, onde procurava expressar o mínimo de sentimento por meio dos parâmetros de uma escola realista, nos moldes da linguagem difundida ainda nos primórdios do Parnasianismo: a preocupação de matizar, de esboçar um quadro em seus versos para então atingir a perfeição e associá-la ao foco de uma mensagem propriamente dita. Estaria, em sua época, associado a uma escola pós-realista em meio à realidade do Modernismo.

 

Fonte: Wikipédia.

Biografias de Escritores Brasileiros.

Príncipe Dom Alexandre da Silva Carvalho

Príncipe Dom Alexandre da Silva Camêlo Rurikovich Carvalho Chefe da Augustíssima e Soberana Casa Real e Imperial dos Godos de Oriente   Príncipe Dom Alexandre da Silva Camêlo Rurikovich Carvalho Chefe da Augustíssima e Soberana Casa Real e Imperial dos Godos de Oriente   Príncipe Dom...

Dom Iguaci Luiz de Gouveia Júnior

  Príncipe e Arquiduque da Gothia Duque do Castelo de Gotland Sua Alteza Real e Imperial Príncipe e Arquiduque da Gothia Sua Alteza Sereníssima Duque do Castelo de Gotland Nome de tratamento Dinástico Dominus Eurico Gouveia 1° Dom Iguaci Luiz de Gouveia Júnior Nome: Iguaci Luiz de Gouveia...

Thais Matarazzo

Empresária, jornalista, escritora e investigadora cultural, com ênfase na história do rádio e da música popular brasileira e lusa.  Integra a equipe do programa “Solo Tango”, na Rádio Trianon de São Paulo. Vem participando nos últimos anos de vários Congressos e Ciclos de Conferências no...

Adélia Prado.

Mineira de Divinópolis, Adélia Prado foi professora e escritora, formou-se em Filosofia em 1973 e acumulou vários prêmios ao longo de sua trajetória, entre os quais o Prêmio Jabuti de Literatura de 1978 da Câmara Brasileira do Livro com o livro "Coração Disparado", Prêmio ABL de Literatura...

‎Jose Armando Sousa Rodrigues de Sousa‎

LEANDRO SOU, CAXIENSE DA PRINCESA DO SERTÃO MARANHENSE (CAXIAS - MARANHÃO - BRASIL), ATENAS BRASILEIRA, MÃE DA BANDEIRA NACIONAL, MÃE DA CIDADE MARAVILHOSA DO RIO DE JANEIRO E MÃE DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, CASADO, JORNALISTA, PROFESSOR, POETA E ESCRITOR...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>