A morte.

A morte.

A morte que amedronta,

vem marcando, ferindo e sangrando.

Levando aos que ela encontra,

ou, aos que a Deus encanta.

 

Dói a prematuridade,

de uma flor em plena mocidade,

ser lançada a história,

e acolhido pela eternidade.

 

Sangra o peito de toda cidade,

ao receber a notícia,

desta imensa infelicidade,

que por uma fatalidade,

vai nos deixar muita saudade.

 

A família resta o abraço amigo,

o ombro em contrito,

o silêncio em respeito,

por este momento,

que esmaga o nosso peito.

 

Aos pais deixamos nossos sentimentos,

pela perda dos irmãos,

mas que tenha a certeza,

que eles com Deus já estão,

e a todos lá de cima,

Eles sempre olharão.

 

Vão em paz meninos,

que os anjos do Senhor,

lhes recebam com muito amor.

 

 

 

Meus sentimentos aos familiares e aos pais Dr. Luiz Borelli e Maria Santos.

 

 

A morte

Memórias póstumas aos irmão Luiz Gustavo e Luiz Borelli, mortos em acidente de carro no dia 06 de fevereiro de 2018 perto de Caxambu, em plena adolescência.

 

A Morte                

Autoria: Leandro Campos Alves

06 de Fevereiro de 2018

 

 

Acidente na BR-267 mata filhos de delegado aposentado próximo a Caxambu, MG

 

        Dois adolescentes de 13 e 16 anos morreram em um acidente na madrugada desta terça-feira (6) na BR-267, próximo a Caxambu (MG). Segundo a Polícia Rodoviária Federal, o pai das vítimas, o delegado aposentado Luiz Borelli Filho, de 68 anos, levava os meninos para a casa da mãe, em São Lourenço (MG), quando perdeu o controle do carro, saiu da pista e capotou em um aterro. O carro teria saído da pista após fazer uma curva em pista molhada.

        Ainda conforme a polícia, as vítimas ficaram presas nas ferragens e morreram no local. O Hospital Cônego Monte Raso, em Baependi (MG), para onde o delegado foi levado, não informou o estado de saúde dele.

        Os corpos dos adolescentes seriam levados para o IML de São Lourenço.

 

 

Fonte: reportagem acima Portal G1

Meus Poemas.

Louco Carrossel, por Leandro Campos Alves.

Louco Carrossel.     A vida é como um carrossel. Louco carrossel.   Com o nosso nascimento adquirimos direito ao seu passe. Embarcamos neste brinquedo com o nosso primeiro choro. E na roda da vida,                    ...

Celeiro de Minas, por Leandro Campos Alves.

Celeiro de Minas.   Cravada no seio de Minas, entre as montanhas da Mantiqueira, fica minha pequena cidade, com toda sua diversidade.   Mesmo trazendo neste livro, a minha filosofia interior, não posso deixar de mencionar, o celeiro de cultura, que flora na minha pequena cidade, isso...

Peteca do Destino.

foto pixabay dominio publico         Peteca do Destino.         Quando te ganhei, esposei em meus lábios o sorriso. E da surpresa da vida, então chorei.   Alegria em ter-lhe em minhas mãos, logo o seu feltro abriu. O aroma de sua juventude exalou-se pelo...

As Mãos que Afagam, por Leandro Campos Alves.

As Mãos que Afagam.     São minhas aquelas mãos. As mãos que afagam o seu sono, que segura e protege seu tombo.   São minhas aquelas mãos. As mãos que apoiam seu caminho, que acalenta seu coração, que te dá o porto...

Torre de Babel, por Leandro Campos Alves.

Torre de Babel.       O vento é o nosso polinizador de vidas, o responsável por levar a vida, dar a vida, conduzir a vida.   E com o seu veludo e delicado aconchego, ele leva sementes e pedalas aos quatro cantos do mundo.    E hoje como vento, lembro-me dos...
<< 10 | 11 | 12 | 13 | 14