A História do “Bata ti Bata tá.”

A História do “Bata ti Bata tá.”

 

            A história do “bata ti bata tá” aconteceu na década de setenta.

            Seu protagonista era uma criança com muita maturidade apesar de seus seis anos de idade. Ele parecia um homenzinho. Suas brincadeiras deste muito novo eram maduras e seus amigos eram na maior parte todos senhores de idade avançada, talvez por este fato este jovem tenha adquirido uma educação primorosa para sua idade.

            Seu nome era Giovane.

            Um dia ele estava brincando no quintal de sua casa, e normalmente suas brincadeiras eram muito silenciosas, mal se ouvia seus tropeços, deixando ali reinar a quietude e a paz naquelas tardes.

            Enquanto Giovane brincava sozinho, Virginia sua mãe, cuidava de Léo seu irmão mais novo mas repentinamente todo aquele silêncio foi quebrado pelos pequenos passos a galope que indicavam a corrida desenfreada de Giovane.

Virginia ao ouvir seus passos olhou para trás e viu entrando pela cozinha o pequenino com os olhos estatelados, dizendo:

            ___ Mamãe!   Mamãe!  O “bata ti bata tá” não quer parar!  Ajuda mamãe!

           Virginia assustada tentou entender que história era aquela de “bata ti bata tá”.

            Ela nunca tinha escudado este termo até então.

            Giovane muito assustado tornou a pedir ajuda por mais duas vezes, sempre mostrando com o dedinho indicador à direção da garagem.

Foi então que percebendo que sua mãe não o entendia, Giovane pegou-a pela mão e a conduziu até o jipe que estava na garagem, mostrando-a o limpador do para brisas que estava ligado.

Não era preciso mais nenhuma explicação, eis que se mostra a origem daquele termo. “Bata ti Bata tá”.

            Virginia escutou que ao deslizar suas palhetas do limpador de para-brisas no vidro seco fazia o barulho, bata ti bata tá.

            Depois daquela tarde tenho por mim descoberto, que as palhetas que limpam o vidro dos carros, não chamam mais limpadores, e sim, “Bata ti Bata tá”.

 

 

Esta crônica é parte do Romance “Instinto de Sobrevivência”.

Editoras, Clube de Autores e publique Saraiva.

Páginas 35 e 36.

 

Obrigado aos meus amigos e leitores pela visita, fiquem com Deus.

Crônicas e Contos de Leandro Campos Alves.

O homem do campo perdeu o encanto.

fotógrafo aldino cavalcante em 20 de outubro de 2012.       Hoje a roça está triste, não vejo mais a alegria em seu entardecer.     O cabo da enxada perdeu espaço para a capina química, a junta de boi para o arado mecânico, e a ordenha então?  Nem tem...

Senhor Digué.

        Um dia, quando adolescente, eu estava sentado no banquinho de madeira dentro de uma mercearia, cujo o proprietário era pai de um grande amigo, quando percebi entrar uma criança meio ressabiada com olhar desconfiado e todo acanhado, olhando na direção do dono...

Ciúmes...

Foto web           A vida é mesmo cheia de sentimentos, obstáculos, raivas e falta de compreensão.     Sou Paulo e casei-me muito cedo, mas tinha certeza do que queria, pois maturidade nunca me faltou, mas minha impetuosidade sempre esteve comigo, em...

Curiosidades de Liberdade Minas Gerais.

        A crônica que passo a contar, é uma daquelas que todos pensam que só acontece em histórias fictícias das mentes brilhantes de grandes escritores.         Mas a realidade muitas vezes se confunde com as histórias e romances, pois na...

Fundação da Rádio Comunitária Liberdade FM.

        A rádio que recebeu o nome em homenagem a nossa cidade, “Liberdade”, tem sua origem e fundação uma história que poucas pessoas sabem de verdade, ou, quase ninguém, porque os fundadores da rádio são poucos que estão entre nós, infelizmente.  ...

“A vida do João”

        “Tudo deu início em meados do ano de mil novecentos e setenta e um, num pequeno vilarejo onde composta de poucas ruas ainda de terra batida, mas que os moradores se cumprimentavam respeitosamente como compadres. Neste período como se a magia do amor tomasse...

Fundação do Time Ferrugem.

        Vamos falar um pouco da história de Liberdade MG.         Natural de Liberdade, até meus vinte e dois anos residi na cidade e neste período fui eletricista, trabalhei como servente de pedreiro, mas meu primeiro emprego com carteira...

Direitos Autorais o Grande Julgamento.

          Chamo-me José Pedro, escrevo pequenos pensamentos por mero prazer. São textos com uma construção quase única.  São poucos os poetas e os escritores que conseguem a façanha de redigir romance em versos. Alguns chamam esta construção de...

Algodão doce.

          Com não falar em algodão doce, sem citar aniversários, crianças e alegria.         Mas para quem acha que esta guloseima é um doce apenas de criança, se engana, pois há alguns anos atrás, eu fui com um...

Nomes de Bebês.

Crônica Nomes para Bebês.           A vida é muito engraçada mesmo.         Quando nascemos, nossos pais procuram o melhor nome para nos dar, esta é a primeira marca que ganhamos no...
1 | 2 | 3 >>