Estação de Augusto Pestana Liberdade Minas Gerais

Estação de Augusto Pestana Liberdade Minas Gerais

 

E. F. Oeste de Minas (1915-1931)
Rede Mineira de Viação (1931-1965)
V. F. Centro-Oeste (1965-1975) 
RFFSA (1975-1996)

 

AUGUSTO PESTANA 
Município de Liberdade, MG

Linha-Tronco - km 180,942 (1960)

 

MG-0168

Altitude: 1.260 m

 

Inauguração: 15.06.1915

Uso atual: fechada (2015)

 

com trilhos

Data de construção do prédio atual: n/d

 

 

 

HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da RMV foi construída originalmente pela E. F. Oeste de Minas a partir da estação de Ribeirão Vermelho, onde a linha de bitola de 0,76 chegou em 1888. A partir daí, a EFOM iniciou seu projeto de ligar o sul de Goiás a Angra dos Reis, passando por Barra Mansa por bitola métrica: construída em trechos, somente em 1928 a EFOM chegou a Angra dos Reis, nua ponta sul, e no início dos anos 1940 a Goiandira, em Goiás, na ponta norte, e já agora como Rede Mineira de Viação. A linha chegou a ser eletrificada entre Barra Mansa e Ribeirão Vermelho, e transportou passageiros até o início dos anos 1990. Nos anos 1970, o trecho final norte entre Monte Carmelo e Goiandira foi erradicado devido à construção de uma represa no rio Paranaíba, e a linh foi desviada para oeste encontrando Araguari. Hoje (2003) a linha, já não mais eletrificada, é operada pela concessionária FCA.

 

A ESTAÇÃO: A estação de Augusto Pestana foi inaugurada em 1915 e é o ponto mais alto da linha entre Barra Mansa e Lavras na Serra da Mantiqueira: 1260 m. 

A estação fica em curva e dispõe de um triângulo de reversão. Tem duas plataformas, uma em cada lado do prédio e em uma delas a linha já foi arrancada. 

Em 2015, a antiga estação já começava a sentir o abandono e a falta de manutenção. 

ACIMA: Elétrica da RMV em Augusto Pestana nos anos 1930 (Arquivo Nacional). ABAIXO: A estação de Augusto Pestana em 1990; a locomotiva da RFFSA está junto à plataforma (Foto Selmo Victor Miranda).

 

 

Fonte: www.estacoesferroviarias.com.br

 

 

Engenheiro Augusto Pestana

Augusto Pestana (Rio de Janeiro, 22 de maio de 1868 — Rio de Janeiro, 29 de maio de 1934) foi um engenheiro e políticobrasileiro. Radicou-se em fins da década de 1880 no Rio Grande do Sul, onde se notabilizou como líder republicano, administrador público e especialista em transportes ferroviários. Pestana conduziu a cidade de Ijuí à emancipação política em 1912, integrou a bancada gaúcha na Câmara dos Deputados em quatro legislaturas e fundou a hoje extinta Viação Férrea do Rio Grande do Sul (VFRGS).

 

Augusto Pestana em 1887 (foto de M.Ferrez).

Augusto Pestana nasceu no bairro de São Cristóvão, na então capital imperial, em uma família de servidores públicos de origem portuguesa. Seu pai, Manuel José Pestana (c.1832-1883), era funcionário da Casa Imperial. Sua mãe, Januária de Abreu Pestana (1844-1893), era filha de um agente portuário do Ministério da Fazenda. O avô paterno, Antônio José Pestana (1790-1859), natural de Figueira da Foz, Portugal, foi juiz de paz no segundo distrito do Engenho Velho (São Cristóvão) nas décadas de 1830e 1840, e era parente do padre e procurador eclesiástico português Antônio Pestana Coimbra (1684-1751), primeiro visitador apostólico no Rio Grande do Sul.

Órfão de pai aos quinze anos de idade, Augusto Pestana recusou a bolsa de estudos oferecida pela Princesa Isabel no Colégio Pedro II e, em seguida, na Faculdade de Direito de São Paulo. Na resposta que fez chegar à princesa, disse não poder aceitar favores da Coroa por ser "republicano convicto". Ávido leitor dos enciclopedistas e de Auguste Comte, passou a lecionar Português, Matemática, História e Geografia para ajudar a família e custear seus próprios estudos no Pedro II e, a partir de 1884, na Escola Politécnica do Rio de Janeiro.

Formou-se engenheiro geógrafo em 1886 e civil em 1888, o mais jovem de sua turma. Em paralelo aos estudos universitários, Pestana lecionou gratuitamente para alunos carentes na Associação Protetora da Instrução, fundada pelo senador e ex-chanceler Manuel Francisco Correia.

Engenheiro no Rio Grande do Sul.

Em 1888, pouco depois da conclusão de seus estudos na Escola Politécnica, Augusto Pestana aceitou convite para trabalhar como engenheiro da Comissão de Estudos e Construção da Estrada de Ferro Porto Alegre-Uruguaiana, função que lhe permitiria conhecer em profundidade o interior do Rio Grande do Sul, assim como acompanhar o desenrolar da Revolução Federalista (1893-1895) e a posterior consolidação no Estado da ditadura de Júlio de Castilhos, inspirada pela doutrina positivista de Auguste Comte, com a qual estava ideologicamente alinhado. Suas atividades incluíam deslocamentos constantes entre Porto Alegre, Cachoeira do Sul, Santa Maria e Saicã, à época um distrito de Rosário do Sul, onde chegou a residir.

Com a virtual paralisação das obras ferroviárias gaúchas por problemas orçamentários, Pestana aceitou em 1897 o convite de Júlio de Castilhos para chefiar a Comissão de Estudos do Rio Jacuí, em Porto Alegre, mas partiu em seguida para o Ceará a fim de trabalhar na Estrada de Ferro de Baturité. Sua estada no Nordeste foi curta e, em agosto de 1898, retornou ao Rio Grande do Sul como engenheiro das linhas telegráficas, função onde permaneceria por menos de quatro meses.

Diretor e prefeito de Ijuí

Em 6 de dezembro de 1898, Augusto Pestana foi nomeado pelo governo estadual para o duplo comando da Colônia de Ijuí, que havia sido fundada em 19 de outubro de 1890, e da Comissão Discriminadora de Terras Devolutas e Verificadora de Posses nos Municípios de Cruz Alta, Palmeira das Missões, Santo Ângelo e Passo Fundo, responsável pela regularização fundiária do noroeste do Rio Grande do Sul.

Primeira colônia gaúcha criada no regime republicano, Ijuí vivia grave crise resultante de problemas de gestão e dos constantes desentendimentos entre colonos de quase vinte diferentes nacionalidades (a colônia foi descrita por seu primeiro padre católico, o polonês Antoni Cuber, como a "Babel do Novo Mundo"). Logo após sua chegada a Ijuí, em meados de 1899, Pestana promoveu reunião entre os líderes das comunidades de imigrantes no local hoje conhecido como Alto da União, e obteve sua conciliação. Racionalizou a política de assentamentos rurais, privilegiando famílias com experiência agrícola na distribuição de terras e reservando oportunidades no núcleo urbano aos imigrantes com vocação industrial ou comercial. Deu prioridade a investimentos em infraestrutura e educação, o que contribuiu para a diversificação da economia da colônia. Em 1901, determinou a demarcação e colonização da região conhecida como Cadeado, entre os rios Conceição e Ijuizinho, no atual município de Augusto Pestana.

Nos quase treze anos e meio da gestão de Augusto Pestana em Ijuí, a população da colônia passou de 6 mil para 28 mil habitantes. A rede de transportes ganhou cerca de 300 quilômetros de estradas e pontes nos principais rios e arroios. Na educação, 16 escolas públicas e 16 particulares foram abertas, com quase 2 mil crianças matriculadas. A colônia, que mal conseguia manter agricultura de subsistência ao final do século XIX, ostentava em 1912 mais de 100 fábricas de alimentos, 70 casas comerciais, 32 moinhos de cereais, 42 engenhos de cana-de-açúcar, 17 serrarias, uma tipografia e quatro hotéis. Mais da metade da produção local era exportada para o restante do Rio Grande do Sul e do Brasil, com destaque na pauta para madeiras, móveis, fumo, milho e banha.

O rápido crescimento econômico e populacional permitiu a elevação de Ijuí a município em 31 de janeiro de 1912, emancipado de Cruz Alta. Augusto Pestana foi o primeiro intendente (o equivalente hoje a prefeito) da cidade. Exerceu o cargo entre 31 de janeiro e 11 de julho daquele ano.

Deputado federal e fundador da VFRGS

 

Vagão-restaurante da VFRGS (c.1925), montado nas oficinas da empresa em Santa Maria.

Depois de um período complementar em Ijuí e outro em Porto Alegre como diretor dos Telégrafos, Pestana foi nomeado diretor-presidente da Estrada de Ferro Oeste de Minas pelo presidente Hermes da Fonseca em setembro de 1913. Retornou ao Rio Grande do Sul em dezembro do ano seguinte para ingressar na vida político-partidária. Elegeu-se deputado federal pelo Partido Republicano Rio-Grandense (PRR) em 30 de janeiro de 1915 e 30 de janeiro de 1918.

Na Câmara dos Deputados, foi membro das Comissões de Educação e de Finanças e relator do orçamento de viação e obras públicas, destacando-se como defensor da ampliação e modernização da infraestrutura brasileira. Em 1918, chegou a ser cotado para assumir o Ministério de Viação e Obras Públicas, convite que não se concretizaria pela morte do presidente eleito Rodrigues Alves. Crítico do modelo de concessões a grupos privados estrangeiros então vigente no País, Pestana moveu campanha contra a Compagnie Auxiliaire de Chemins de Fer au Brésil, empresa sediada em Bruxelas, Bélgica, e controlada pelo megaempresário norte-americano Percival Farquhar, que explorava as ferrovias gaúchas desde 1905. Prejudicado pela falta de investimentos de Farquhar e pela má gestão da Auxiliaire, o transporte ferroviário no Rio Grande do Sul encontrava-se à beira do colapso ao final da década de 1910. Em articulação envolvendo o presidente Epitácio Pessoa, o governador Borges de Medeiros e os demais membros da bancada gaúcha no Congresso, Pestana conseguiu que a União aprovasse em 18 de junho de 1920 a estatização da Auxiliaire e a criação da Viação Férrea do Rio Grande do Sul (VFRGS), sob controle do governo gaúcho.

Diretor-presidente da VFRGS de 1920 a 1926 (com uma breve interrupção em 1924 para representar a empresa no Rio de Janeiro) e secretário estadual de Viação e Obras Públicas entre 1926 e 1928, Pestana recuperou as linhas ferroviárias gaúchas e adquiriu novas composições, incluindo locomotivas alemãs 2-8-2 preparadas para o uso de carvão nacional como combustível. Preocupado com a dependência do transporte ferroviário brasileiro por carvão mineral importado, estimulou a realização de estudos técnicos para demonstrar o potencial de utilização do carvão nacional. Em 1922, determinou a aquisição do primeiro motor a gasogênio no Brasil, movido exclusivamente com combustível produzido no Rio Grande do Sul.

Apesar de eventos adversos como a Revolução de 1923 e a Revolta Tenentista de 1924, o volume do transporte ferroviário no Rio Grande do Sul subiu de 1,1 milhão de passageiros em 1920 para mais de 2 milhões em 1928, enquanto os números de carga passaram de 640 mil toneladas para 1 milhão de toneladas nesse mesmo período. Pestana estabeleceu modelo de gestão, investimento e planejamento que asseguraria o bom funcionamento do transporte ferroviário gaúcho até sua absorção pela Rede Ferroviária Federal (RFFSA) em 1959 e seu posterior sucateamento nas décadas de 1960 e 1970.A malha da antiga VFRGS é hoje operada pela empresa América Latina Logística (ALL), com exceção do trecho de 23 km percorrido por trem turístico entre as cidades serranas de Bento Gonçalves e Carlos Barbosa.

A fundação da extinta Viação Aérea Rio-Grandense (VARIG) por Otto Ernst Meyer coincidiu com a gestão de Pestana na Secretaria Estadual de Viação e Obras Públicas.

Últimos anos de vida.

 

Monograma de Augusto Pestana.

Eleito novamente para a Câmara dos Deputados em 28 de abril de 1928, Pestana foi convidado em setembro daquele ano para comandar o Lloyd Brasileiro, cargo que o teria feito principal representante do Rio Grande do Sul na fase final da administração do presidente Washington Luís. Sua recusa em assumir a presidência da companhia, por alegadas questões de saúde, foi reflexo das articulações políticas que culminariam, alguns meses depois, no lançamento da candidatura de seu amigo e correligionário Getúlio Vargas, então governador do Rio Grande do Sul, à Presidência da República.

Reelegeu-se deputado federal em 1º de março de 1930, no mesmo pleito em que Vargas disputou a Presidência com o paulista Júlio Prestes, candidato apoiado por Washington Luís. Integrante da ala do PRR que considerava a via armada inconciliável com a doutrina positivista, Pestana preferiu não participar da revolução de 1930. Com a dissolução do Congresso Nacional em 11 de novembro daquele ano, regressou ao Rio Grande do Sul. Seu último cargo público foi o de diretor do porto de Porto Alegre em 1932, no qual se aposentou.

Os derradeiros meses de vida de Pestana foram marcados pela trágica perda de seu filho Celso, oficial da Marinha, morto aos 33 anos de idade no acidente envolvendo o carro que conduzia Getúlio Vargas do Rio de Janeiro a Petrópolis, na noite de 25 de abril de 1933. Celso Pestana havia sido nomeado ajudante-de-ordens do presidente da República na semana anterior, e, em sua primeira missão ao lado de Vargas, foi fulminado por um bloco de granito que, em meio a uma tempestade, se desprendeu da serra e acertou em cheio o veículo presidencial.

De volta ao Rio de Janeiro para um tratamento contra o câncer, Augusto Pestana faleceu na então capital federal em 29 de maio de 1934. Seu corpo está sepultado em Porto Alegre, no Cemitério São Miguel e Almas.

Legado e família.

Influenciado pelo positivismo de Comte, Augusto Pestana foi típico integrante da geração que definiu os rumos da República Velha (1889-1930), cuja existência praticamente coincidiu com sua vida profissional e política. Contribuiu de modo decisivo para o desenvolvimento de Ijuí e do noroeste gaúcho, e defendeu, ao longo de toda a sua trajetória, a implementação de políticas públicas robustas nas áreas de educação e infraestrutura, que considerava basilares para o desenvolvimento econômico e social do Rio Grande do Sul e do Brasil. Deixou imagem de administrador honesto, eficiente e conciliador, embora marcada pelo mesmo estilo autoritário e personalista dos governos de Júlio de Castilhos e Borges de Medeiros.

O município de Augusto Pestana, antigo distrito de Ijuí, recebe seu nome, bem como o Museu Antropológico Diretor Pestana, o Colégio Evangélico Augusto Pestana, ambos em Ijuí, e estações ferroviárias e vias públicas em inúmeras cidades do Rio Grande do Sul.

Também recebe seu nome a localidade e a estação situadas no ponto mais alto da antiga Estrada de Ferro Oeste de Minas, no município mineiro de Liberdade.

Augusto Pestana casou-se em 1892 com Virgínia da Fontoura Trindade (1873-1933), filha de Miguel Cândido da Trindade (1825-1899), militar e político em Cachoeira do Sul, e neta do líder farroupilha Vicente da Fontoura (1807-1860), ministro da Fazenda na República Rio-Grandense e negociador da paz de Ponche Verde, que pôs fim à Guerra dos Farrapos.

O casal Augusto e Virgínia Pestana teve dez filhos, todos nascidos e criados no Rio Grande do Sul, entre os quais Clóvis Pestana (1904-2001), prefeito de Porto Alegre e ministro dos Transportes nos Governos Dutra e Quadros, Ciro Pestana (1898-1982), desembargador do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul entre 1952 e 1968 e presidente do Tribunal Regional Eleitoral em 1961-1962, e César Pestana (1894-1977), prefeito de Veranópolis e de São Sebastião do Caí, além do comandante Celso Pestana (1900-1933).

Augusto Pestana é bisavô da economista e militante socialista Vera Sílvia Magalhães (1948-2007), uma das principais lideranças da resistência armada à ditadura militar de 1964-1985, e do político gaúcho Carlos Pestana Neto, secretário-chefe da Casa Civil do Governo do Estado do Rio Grande do Sul entre 2011 e 2014.

 

Fonte: https://pt.wikipedia.org

 

O Gentílico de Liberdade é Libertense.

O município Liberdade está localizado no Estado Brasileiro Minas Gerais - MG.
Liberdade possuí uma área total de 401,34 Km². Sua população no ano de 2010 era de 5.346 habitantes.
Quem nasce ou reside na cidade de Liberdade é chamado de Libertense.

O estado Minas Gerais possuí uma área total de 586.961,12 Km² e está localizado na Região Sudeste do Brasil.
A capital do Estado Minas Gerais é Belo Horizonte.
Quem nasce ou mora no Estado Minas Gerais é chamado de Mineiro.

Informações Resumidas do Município Liberdade e o Estado Brasileiro Minas Gerais:
 

Sigla do Estado: MG
Capital: Belo Horizonte
Área do Estado: 586.961,12 Km²
Região do IBGE: Sudeste
Gentílico dos Nascidos no Estado Minas Gerais: Mineiro

Município: Liberdade
População Segundo o Censo de 2010: 5.346 habitantes
Área do Município: 401,34 Km²
Código da Cidade Liberdade no IBGE: 3.138.500
Gentílico dos Nascidos no Município Liberdade: Libertense

Fonte: https://www.geografos.com.br/

 

O País e o Mundo.

Os Pereirinhas.

        O sucesso pode vir e ir.         Pode ter um auge e ficar ali, quietinho na nossa lembrança.         Porém o talento nunca se perde no tempo.         Um sucesso é para...

Restaurante e Lanchonete Delicias Caipira.

    Em uma viagem a Poços de Caldas neste mês de março de 2018, fiquei muito satisfeito pela surpresa agradável que tive ao buscar um local para almoçar.     Na avenida principal da cidade que nos leva ao acesso das rodovias 381, ou para as cidades de Pouso alegre,...

Fiorella Lanchonete Restaurante e Pizzaria

    Fiquei muito satisfeito ao notar que os clientes podem ver o preparo dos alimentos, pois o forno a lenha fica no salão principal, e mesmo sendo a lenha a perfeição dos fornos não deixa nenhuma fumaça no ambiente.     O pizzaiolo natural da terra das pizzas no...

Meteoro de Cheliabinsk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.     O Meteoro de Cheliabinsk foi um meteoroide que adentrou a atmosfera terrestre sobre a Rússia em 15 de fevereiro de 2013, transformando-se em uma bola-de-fogo que cruzou os...

2a Jornada Mística Meditativa e de autoconhecimentos.

Será um profundo encontro de 3 dias em São Thomé das Letras, Minas Gerais. São Thomé fica 360 kms da cidade de Guarulhos. Retiro com diversas vivências e grande oportunidade de conhecer e sentir a cidade através das pedras energéticas. São Thomé das Letras é considerada por místicos como um dos...

Estação de Augusto Pestana Liberdade Minas Gerais

  E. F. Oeste de Minas (1915-1931) Rede Mineira de Viação (1931-1965) V. F. Centro-Oeste (1965-1975)  RFFSA (1975-1996)   AUGUSTO PESTANA  Município de Liberdade, MG Linha-Tronco - km 180,942...

Motoristas deverão fazer exames e prova para renovar CNH

Um país de Invenções.         Vamos enriquecer as Auto Escolas?         Um país de extremos, um país do absurdo.         A nova resolução da Resolução 726 do Contran (Conselho Nacional de Trânsito), não passa...

Vacina anti-câncer RINS E PELE

    Infelizmente muitos sites em busca de cliques, faz da angustia das pessoas uma forma de sobrevivência.     Vi muitos amigos pularem de alegria com a notícia da descoberta de uma Vacina anti-câncer RINS E PELE pelos médicos do     Renomado Hospital...

O absurdo da falta de responsabilidade das autoridades continua.

       Eu falo por mim, pois o trecho conheço muito bem.         A saída da cidade de Bom Jardim de Minas para entrar na BR267, digo que é uma das piores que conheço, só perde ao projeto final da BR267 na chegada a Juiz de Fora, na qual a...

Valentino Silva locutor de Minas Gerais.

        Aos organizadores de grandes rodeios e eventos sertanejos, seu evento não pode deixar de ter a participação do Locutor Valentino Silva, um locutor de voz clara, sem vícios de pronuncia e com muita presença de...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>

Notícias Diversas.

Inauguração da Sede da Academia Caxambuense de Letras.

        Nesta noite do dia 30 de junho de 2018, a véspera da data de aniversário de fundação da Academia, a cidade de Caxambu encontra-se em festa.         A Academia Caxambuense de Letras concretiza um de seus maiores sonhos, a...

Prêmio Reportagem Amazon

Amazon e Editora Record criam premiação de livrorreportagem.   #PremioReportagemAmazon: em parceria, Jornalistas&Cia, Amazon.com.br e a Editora Record incentivam o mercado editorial e reconhecem obras de autores focados em grandes reportagens       Acaba de...

Prêmio Literário Biblioteca Nacional 2018

ESTA POSTAGEM FOI PUBLICADA EM 25/06/2018 AS 07:00 E FOI ARQUIVADA EM LITERATURA.   Prêmio Literário da Fundação Biblioteca Nacional, lança o Edital 2018.     Concedido anualmente, desde 1994, tem por objetivo valorizar a produção editorial e os autores nacionais...

29º CONCURSO DE CONTOS PAULO LEMINSKI - 2018

Este evento literário é uma atividade promovida e realizada em parceria entre UNIOESTE - Campus de Toledo - e Prefeitura Municipal de Toledo, por meio da Biblioteca Pública Municipal – Centro Cultural Oscar Silva – da Avenida Tiradentes, 1165. CRONOGRAMA Inscrição dos contos: 01/06/2018 a...

Inscrições para o Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura 2018 estão abertas

Edital destina o total de R$ 212 mil para os vencedores; projetos podem ser inscritos até o dia 1 de julho       Celeiro de escritores fundamentais para a formação da literatura brasileira, Minas Gerais viu nascer em seu território nomes como os de Carlos Drummond de Andrade,...

Prêmio Jabuti 2018

Criado em 1958 e outorgado anualmente pela CÂMARA BRASILEIRA DO LIVRO (CBL), o PRÊMIO JABUTI é o mais tradicional e prestigiado prêmio do livro do País, conferindo aos vencedores o reconhecimento do leitor e da comunidade intelectual brasileira. Vale também ressaltar que o 60.o PRÊMIO...

2º CONCURSO INTERNACIONAL DE POESIA ARGENTINA 2018

  O 2º  Concurso Internacional de Poesia , é promovido pela escritora  LIBIA BEATRIZ CARCIOFETTI    Presidente da Organização Mundial de Trovadores  OMT - ARGENTINA     CONCURSO ANUAL     TROFÉU    MIGUEL ÁNGEL...

antologia Meu Lado Serial Killer

Participe das Seletivas para a antologia "Meu Lado Serial Killer"   São seres humanos loucos ou cruéis? Serial killer é a denominação de uma pessoa criminosa com perfil psicopatológico que comete assassinatos com uma certa frequência, seguindo o modus operandi, e não raramente, deixando sua...

Antologia 50 vozes poéticas do Brasil

Edital para Antologia 50 vozes poéticas do Brasil   INSCRIÇÕES ABERTAS     PERÍODO DE INSCRIÇÕES De 7/04 a 30/05/18 para antologia 50 vozes poéticas para o Brasil, com tema livre podendo participar poetas maiores de 18 anos.   DA PARTICIPAÇÃO 1....

Coletânea Literatura Sentimentos & Razões.

Inicia-se a captação de textos para a coletânea.     Após o significativo sucesso das edições de 2016 e 2017, com escritores de todo país e aprimorando as inovações na apresentação editorial, incluindo páginas com ilustrações personalizadas. Os organizadores Adélia Einsfeldt e Milton...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>