Vendedor de Ilusão, por J.R.Viviane

Vendedor de Ilusão, por J.R.Viviane

        Conheci virtualmente meu confrade Escritor e Cronista, que com muito respeito e carinho convidou-me para conhecer seu trabalho, e eu como bom apreciador de belas obras não posso deixar de apresentar aos amigos leitores esta obra literária que conheci em seu blog, "Vendedor de Ilusões".

        Um trabalho de respeito e dedicação, que no passar do tempo abriu as portas de seu blog para divulgação de trabalhos de alguns de seus amigos escritores.

 

        O escritor J.R.Viviani é paulista da Capital, nascido aos 3 de maio de 1946, engenheiro por formação, autor por opção, há anos escreve pelo puro prazer de escrever dramas, contos e romances na expectativa de levar o leitor a um mundo de sonhos, fantasias e encantamento...

 

                                                      


        O Vendedor de Ilusão foi criado em 17/12/2011 com o objetivo inicial de divulgar minhas obras, passando, logo a seguir, a publicar crônicas ou divulgando a literatura nacional em apoio a Autores Independentes; todavia, dando maior ênfase à sua finalidade básica original que é a de divulgar meus livros estimulando o leitor a lê-los, assim como divulgar notícias relevantes e significativas da nossa literatura que, segundo meu critério, possam contribuir de forma eficaz enriquecendo o conhecimento do leitor. 

                Fontes do blog: Vendedor de Ilusão

 

Conheçam uma de suas obras:

 

  “Sem ação...”

 

        Numa dada manhã de domingo; uma manhã ensolarada de céu limpo, temperatura amena e agradável, silenciosa e tranquila, com pouquíssimo movimento pelas ruas, lá ia ele, sentindo os solavancos e ouvindo os chiados intermitentes, sentado no banco pouco confortável do ônibus quase vazio, indo de volta pra casa depois de uma noite intensamente vivida.

        Manhã prazerosa que exaltava ainda mais a satisfação da luxuriosa noite de amor que teve; noite em que se entregou com lascívia à volúpia desenfreada e aos delírios incontidos da paixão que o deixaram completamente fatigado e exaurido, – entregue, sentindo até as pernas bambas. Nem mesmo o banho frio que, logo cedo pela manhã, tomou no hotel onde passou a noite, foi suficiente para refazê-lo.

        Ainda com os cabelos molhados, sentindo-se esgotado, com os braços esticados segurando no banco da frente tentando se equilibrar dos movimentos do ônibus, de cabeça erguida, – observando pelo para-brisa o trajeto do ônibus – lá ia ele ao lado da sua cúmplice: sua adorada jovem amante, também com os cabelos ainda molhados do banho, dando-lhe a impressão de ser ainda mais bonita do que já era, enaltecendo a satisfação e o prazer da extasiante noite que juntos tiveram. 

        Sentindo a pressão da mão dela na perna tentado se apoiar para também se equilibrar do movimento de vai e vem do ônibus, e vendo-a esboçar sorrisos encantadores que externavam imensa satisfação, calado – sem dizer palavra, olhando aqui e acolá por onde passavam, lá ia ele ao lado dela, apesar da fadiga, com o coração em chamas...

        No silêncio dos dois, o ruído estridente e o sacolejar do ônibus, aos relances, eles trocavam sorrisos, e assim iam...

        Dali a pouco, distraído olhando pra cá e pra lá, ele sentiu a mão dela lhe apertar ainda mais a perna. Nisso, olhou pra ela e a viu lhe olhando com expressão enigmática – esboçando sorrisos marotos e não menos sensuais, porém sem dizer nada, permanecia calada lhe olhando... Com isso, ele foi induzido a pensar ser prazer o que ela expressava e sentia, mas sem entender o porquê e não ter certeza do gesto e dos olhares dela, também não disse nada e continuou olhando pra frente.

        Não demorou muito, entre uma freada e outra, com o ônibus parando e saindo, pessoas subindo e descendo, ela apertou outra vez sua perna e quebrou o silêncio:

        — Você sabe o que a “peixinha” falou pro “peixinho”? – perguntou ela lhe sorrindo.

        Ele olhou espantado, não entendeu absolutamente nada e nem o porquê da pergunta e não respondeu de pronto, já imaginando ser uma “pegadinha”, uma “piada” ou coisa assim, só depois, depois mais pensar e ainda cheio de dúvida e até precavido ele respondeu:

        — Não, não sei! – respondeu ele, e aos sorrisos, já esperando ouvir alguma coisa engraçada, continuou. O que ela falou?

        — Sou “apeixonada” por você. – disse ela sorrindo um sorriso de expectativa.  

        Ele não achou graça nenhuma, e muito menos entendeu o trocadilho; ficou calado olhando pra ela pensando:

        “Apeixonada?... Que graça tem nisso?”

        Pensou já achando tudo uma grande bobagem. O que tinha a ver a “peixinha” e o “peixinho” com eles? Por que ela disse: “apeixonada” e não apaixonada? Que conversa era aquela? Só podia ser bobagem mesmo; bobagem que não dava pra entender. Todavia, pra que ela não se sentisse frustrada, decepcionada ou coisa parecida, não comentou, ficou olhando pra ela aos sorrisos, porém eram meios-sorrisos – sorrisos de dúvida, e ela, claro, não deixou de perceber. Mas não se falaram, continuaram olhando pra frente observando o trajeto do ônibus.

        Dali a pouco, ela voltou:

        — E sabe o que eu falo pra você?

        Ele olhou mais espantado ainda, só que agora cheio de curiosidade, tentando fazer correlação com o que ouvi. Ela devia ter usado o que a “peixinha” disse ao “peixinho” para ter um pé, uma forma sagaz e astuta de dizer o que queria; imaginava isso, entretanto, não fazia nem ideia do que ouviria depois de responder a pergunta:

        — Não, não sei! – respondeu e ficou olhando pra ela cheio de curiosidade aguardando com expectativa o que ela diria.

        Ela ouviu a resposta, baixou o olhar aos sorrisos, e ficou, por momentos, sorrindo dando a nítida impressão de estar comedida, prudente ou receosa pensando antes de complementar, e ele ávido de expectativa.

        Em seguida, ela levantou o olhar e olhou, agora, com semblante sóbrio, sem, entretanto, deixar de esboçar os sorrisos cativantes que, como sempre, emoldurava seu rosto de boneca, falando em tom meigo quase inaudível:

        — Sou apaixonada por você... – murmurou fitando-lhe os olhos notadamente querendo ser convincente, lhe apertando a perna com mais força ainda.

        O coitado ouviu, e dessa vez, não ficou espantado, ficou abestalhado, aturdido. Tá certo que ele presumia de que ela gostasse dele, tinha quase absoluta certeza disso, porém não esperava jamais ouvir uma declaração como aquela e dita de forma irresistivelmente encantadora. Era de inebriar, de sentir-se embevecido, de tirar as palavras; se não sabia o que pensar muito menos o que falar, – como não falou. Permaneceu calado, olhando pra frente e sorrindo feito um bobo.

        Se não bastasse ouvir o que ouvi, ela voltou no mesmo tom extasiante, lhe apertando a perna parecendo querer esmagá-la com a mão, lhe olhando, de rosto quase colado e se expressando de forma mais sensual ainda:

        — Você é meu “cacho”... – disse ela aos sorrisos. 

        Nessa hora ele sentiu um “engasgo” seco descendo garganta abaixo e arrepios correndo pela espinha indo desde os dedos dos pés até à nuca, lhe deixando trêmulo de emoção. Se já se sentia cativado por ela, depois disso então... Era demais ouvir... De engrandecer qualquer um. Pois não era uma simples palavra que ela usava, e sim uma expressão com a qual as mulheres, na época, conotavam e enfatizavam seu inegável e incondicional amor por alguém.

        E ele sabia muito bem do seu significado. Era comparar alguém a um cacho de uva, de fruto doce saboroso e irresistível, porém cheio de “galhos” toleráveis, admitidos e aceitos, o que sem dúvida alguma, mexia com brio exaltando e enlevando o amor-próprio e o orgulho de qualquer homem. 
        Com isso, mesmo envaidecido e com a autoestima enobrecida, ele parecia ter perdido a fala – que ficou mudo, sem palavras para exprimir o que sentia.         Naquele instante, a emoção era muito mais forte do que ele e não lhe permitia falar nada; permaneceu, aos sorrisos, sentindo extremo e imensurável orgulho, de olhos baixos olhando o assoalho do ônibus completamente sem ação... 

 

Texto Copla Blog Vendedor de Ilusão, por J.R.Viviane.

        

        Para conhecer mais de seus trabalhos, convido aos amigos e leitores a visitarem sua página através do Link: vendedordeilusao.blogspot.com.br/.

 

        Para adquirir suas obras acessem sua página em nossa Editora pelo link: www.clubedeautores.com.br/authors/47456

 

 

Aos todos nossos amigos agradecemos a visita e fiquem com Deus.

Escritores Convidados.

Isaías Medina López

        Hoje a literatura não tem mais fronteiras, idiomas e separação de gêneros.         Território é a representação dos limites geográficos de nações, porém o talento literário rompe estas barreiras e nos presenteiam com amizades de...

Kátia Storch Moutinho

        Mineira de Teófilo Otoni-MG, radicada em Vitória - ES desde 1981; neste tempo, um hiato, onde foi cursar Design Gráfico na UEMG, em Belo Horizonte.         Empreendedora por natureza e acima de tudo, alguém que ama...

Gravatá Dea G. Coirolo Antunes

        Nasci no Uruguai, fiquei lá até meus 38 anos. Em 1984 vim para o Brasil como correspondente extrangeira do Jornal El Telegráfo de Paysandu Uruguay. Viajei por outros continentes. Sou prof. de Biologia. Curto poetas como Lorca, Neruda, Miguel, Hernandes; Manuel...

Suely Ribella

  Advogada, Escritora, Poeta Acadêmica Imortal, Membro Nacional Vitalício da Academia de Letras do Brasil-ALB; Membro da Associação Internacional de Poetas; Membro do Movimiento Poetas Del Mundo;   SONHADORES   E nos perdemos  em nossas vidas,  por onde andamos...  E...

Daniel Denani

        Daniel Denani (1987) nasceu e cresceu na cidade de São Paulo, no distrito de Pirituba, zona norte. Iniciou sua carreira como escritor aos 14 anos de idade, quando participou mais com estudos na área poética do que obras e trabalhos propriamente ditos, e foi...

Anuragi Mauricio Antonio Veloso Duarte

    O coração do mundo Doces rusgas de namorados, destinos destilados em aguardentes, cadáveres de generais apodrecendo, turbas de pedintes, claves de sol no ar, quebras de mar na praia à noite, levas de ouriços,  um não sei quê de...

José Alberto Sá.

        Existem aqueles escritores que caminham e lutam para conquistar seu lugar ao sol, mas também existem os mestres, pessoas iluminadas pelo dom divino da expressão, pela força das palavras e pelo carisma, que constroem seu nome sobre a dádiva  de...

Roberto Mello

        Sempre procuramos aquilo que nos dá felicidade na vida, um bom emprego, dinheiro, carros, posição social entre vários outros objetivos! A vida é assim mesmo...         Porém vou dizer a verdade que mais parece uma utopia, ou, uma...

Paulo Braga Silveira Junior.

               Pablito Nerudo é filho de Paulo Braga Silveira (Gerente de recursos humanos, teólogo, poeta e escritor) e de Zilda Sguassábia Silveira (cozinheira, tricoteira, dona de casa e esteio de toda a família) é natural de São João da Boa...

Juliana Teixeira.

         Convido os amigos a conhecerem um pouco da obra da Escritora Juliana Teixeira, que de uma forma especial fiquei conhecendo.          A escritora Juliana e eu somos moradores do mesmo Estado, porém foi  uma amiga nossa que também é...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>

Poemas, crônicas e textos de diversos Autores.

Vanessa Sant'Anna da Silva.

        Convido a todos os amigos a conhecerem esta escritora que aqui apresento, pois quando iniciei minhas publicações, ela foi a primeira a me presentear com a sua saudação e o apoio literário. Tenho pela escritora Vanessa Sant'Anna da Silva, um imenso...

Tanea Fragoso.

        Quero apresentar o trabalho desta grande poetisa, que descreve os sentimentos e a sensibilidade feminina nas linhas de seus poemas. Conheça um pouco do trabalho da Escritora Tanea Fragoso, conforme as copla dos poemas de sua página.     Teu...

Roberto Ferrari.

Doce Paixão   Olhos de paixão Um sorriso convidativo Em uma fração de segundos Nossos corpos tremem por inteiro  Nossas almas se incendeiam O calor toma conta de nossos corpos Nossos corações denunciam É paixão... Desejo de estar junto Chama incontrolável  Que faz arder nosso...

Adoração em Santidade por Fabiana Miranda.

        Quando nos falta o sentimento e a solidão toma conta de nós, deixando-nos no caminho da tristeza e da falta de esperança, Deus nos colhe em seus braços e nos carrega por caminhos entre espinhos e pedregulhos, porém em Seu caminho não existem atalhos,...

Sueli Teresinha do Rocio Schulka.

       Pelo caminho literário encontramos poetas e poetisas, escritores da vida e de sonhos, e com este carinho quero apresentar a poetisa Sueli  Schulka.   É natural de Curitiba (PR), onde vive e trabalha . Poetisa e Ativista Cultural. Graduou-se em...

Poetisa Sandra Pires

ABRAÇA-ME Ontem foi noite de lua cheia intensa... Transformando em magia tanta felicidade. Nosso momento extremo exalando amor. na essência que me fez apaixonar. Levando contigo minha alma Abraça-me quero este amor que estou vivendo dure para sempre. Quero-te tanto, quanto tu me queres cada...

Lúcia Helena.

        Uma obra, uma história, um destino decorrido de sonhos ou da experiência da vida?         Pelo caminho literário encontramos poetas e poetisas, escritores da vida e de sonhos, e com este carinho quero apresentar...

EDU LAZARO.

        Eduardo Brancaglioni Marquetti Lazaro conhecido por Edu Lazaro entre os amigos e o meio literário, é morador da grande São Paulo.         Estudante de Psicologia na Anhanguera Educacional; Eduardo encontrou em...

José Fernando.

                Convido aos leitores amigos a conhecerem o trabalho do Poeta Jose Fernando Pinto, um poeta que nos traz a sabedoria e romantismo em seus...

Poeta Hei de Ser, André Anlub.

Poeta Hei de Ser       Um dia me perguntaram o por quê? Por que ser? Por que fazer? Por que ter tanto trabalho, para ser um poeta e escritor? A resposta é muito simples. Trata-se simplesmente de amor. Amor às rimas. Amor às...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>

Meus Poemas.

Tempo, por Leandro Campos Alves.

   TEMPO.    Gostaria de ter o poder sobre o tempo, tempo saudoso, tempo virtuoso,  mas cruelmente maldoso.  Ah passado distante da vida real,  presente indiscreto,  e futuro incerto.  Juventude perdida,  num laço...

As Mãos que Afagam, por Leandro Campos Alves.

As Mãos que Afagam.     São minhas aquelas mãos. As mãos que afagam o seu sono, que segura e protege seu tombo.   São minhas aquelas mãos. As mãos que apoiam seu caminho, que acalenta seu coração, que te dá o porto...

Minha Prece ao Senhor, por Leandro Campos Alves.

          Algumas vezes na vida, olhamos para o que temos a ganhar no futuro, e o que ganhamos no passado, porém esquecemos-nos de olhar para cima ou para dentro de nossos sentimentos, e ver quem realmente é nosso...

Menção de Despedida, por Leandro Campos Alves.

            Minha homenagem a poetiza.             Leticia de Barros 1972 a 2014            Menção de Despedida.    Hoje a perda bate a porta. Perda dolorosa. Perda nobre. Que dói e vai deixar muita...

Celeiro de Minas, por Leandro Campos Alves.

Celeiro de Minas.   Cravada no seio de Minas, entre as montanhas da Mantiqueira, fica minha pequena cidade, com toda sua diversidade.   Mesmo trazendo neste livro, a minha filosofia interior, não posso deixar de mencionar, o celeiro de cultura, que flora na minha pequena cidade, isso...

Resposta Divina, por Leandro Campos Alves.

Resposta Divina.           O nosso caminho é penoso e distante, nosso corpo sente dor e cansaço, e ao longe enxergamos nosso destino e seguimos viagem. Muitas vezes, olhamos para o horizonte de nossas vidas e clamamos ajuda a...

Vida, por Leandro Campos Alves.

Vida.   Não sei se vivo a vida, ou se é ela que vive em mim, sendo apenas minha grande amiga, ou quem sabe outrora, minha própria inimiga.   Sou instrumento de seus desejos, que sendo ela moleca, e sorrateira, algumas vezes se faz de zombeteira.   Acordo em minutos e...

Bodas.

 Bodas. Não quero o seu sacrifício, quero a sua felicidade. Por isso eu me realizo, com a nossa cumplicidade. Digo isso com a certeza, porque não vejo só a sua beleza. Temos uma afinidade, que foge a realidade, das razões da nossa sociedade. Nossa amizade é de alma, e isso me...

Carta a Humanidade, por Leandro Campos Alves.

Carta a Humanidade. Algumas vezes apontamos as falhas dos outros. Mas que falhas? Se não conseguimos encontrar as nossas próprias.   Somos errantes sim! Mas devemos aprender com nossos erros, e não lhes ocultar nas sombras dos outros. A vida é mesmo engraçada. Ou quem sabe irônica? Não...

Acróstico para Álvares de Azevedo, por Leandro Campos Alves.

Acróstico para Álvares de Azevedo.   Alma de poeta, Livre como uma criança. Viveu no Rio de Janeiro Álvares de Azevedo. Romancista, poeta e cronista, Eis que morreu cedo. Saudoso menino Paulista.   Deixou vários poemas e manuscritos, E só uma por ele preparada para ser...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>