Meu olhar em poesia

Meu olhar em poesia

        A página “Meu olhar em Poesia” é uma comunidade que seus membros divulgam seus trabalhos e nos encanta com seus versos.

        Segue abaixo alguns textos escolhidos para que nossos leitores conheçam o mar de sonhos nos versos dos poetas da comunidade.

 

Instante de amor.

 

        Ele chega devagar ,se aproxima,me toma nos braços ,me beija ,me leva para o quarto, abre um vinho , eu nada falo ,nada precisa ser dito , e um momento mágico, onde as palavras não fazem falta, só os gestos, os olhares , a música, com sons diferentes, que saem da gente ,e nos instiga a dançar , a dança da paixão, da imaginação ,nos corpos em chama, e labaredas que emana, como vulcão.

        Sou eu e você , o efeito do vinho ,a cama e o ninho, que abriga nossos corpos , enlouquecidos , de tanto desejo, perdendo a razão ,nessa hora não tem eu e você ,somos nós, nessa fusão, de corpos suados ,totalmente misturados ,em total combustão ,o mundo la fora se torna pequeno ,diante do ato, que agora nos causa tamanha emoção. Não, não cabe entre nós um ponto final , e só dois amantes, que se entregam ,sem medo, sem censura ,sem culpa ,não existe desculpa para acabar com essa doce emoção ,onde se entrega entre laços e abraços com tamanha luxuria ,que explode fazendo do amor , a melhor sensação. Descanso em seus braços onde o nosso cansaço, se perde e nos deixa saciados em uma suave canção.

 

Autora Cidinha Almeida.
Direitos autorais preservados
livro 1.382-folha -476
.

Jardim fechado és,
coração amado.
Em ti 
Habitam
Essências
Do mais nobre
Sentimento.
Caminharei
ao teu encontro.
Ousarei
Ser flor
Altar do amor...

Autora: Iveti Specorte-
Direitos reservados

 

EL CAMINANTE EN LA LUNA

Caminante solitario 
Sobre la luna en marcha, 
Dentro de un reloj sin horario, 
Y lágrimas de escarcha.

Luna que ya no brilla,
Luna apagada gótica, 
Noche triste fría, 
Remembranza erótica.

De la belleza remembranzas, 
Y su hermosa luz brillante, 
En soledad esperanzas, 
El silencio voz cantante.

El silencio que dice tanto, 
Y tan callados los palpitares, 
En silencio el silencio es canto, 
Y lágrimas mareas para los mares.

Y la luna tan triste y apagada, 
Y triste camina su caballero andante, 
Recordando que un día fue su amada, 
Y en Plenilunio su amor fue tan brillante.

 

Autor: FÉLIX BIGMAN

 

Tradução.

 

O caminhante na lua


Caminhante solitário
Sobre a lua em marcha,
Dentro de um relógio sem horário,
E lágrimas de geada.

Lua que já não brilha,
Lua apagada gótica,
Noite fria, triste
Re-Memória Erótica.


Da Beleza-Memórias,
E a sua linda luz brilhante,
Na solidão esperanças,
O silêncio voz cantora.


O silêncio que diz tanto,
E tão calados os palpitares,
Em silêncio, o silêncio é canto,
E lágrimas marés para os mares.


E a lua tão triste e apagada,
E triste anda seu cavaleiro andante,
Lembrando que um dia foi amada,
E na lua cheia o seu amor foi tão brilhante.

Autor: Felix bigman

 

Subterfugios da Razão

dei papéis à psicopatas

ele não nasceu, foi cagado na existência
ruminando de um lado para o outro
sem sentido.

talvez tenha sido concebido na rua pouco iluminada
ao lado de cães que brigam por restos e disputam fêmeas
demarcando territórios com urina
ou em algum colchão manchado de sêmen
não teve pai, não teve mãe:
é brasileiro
e seu nome não significa nada
nada nada nada nadica de nada
porque não possui títulos para ostentar

é praga de mãe, minha vó disse:
você sai de uma boceta pra morrer em outra
isso justifica as casas noturnas
as putas
as travestis
as drogas
a vontade de dar um soco em deus
o cheiro de cerveja e cigarro
é o mais próximo do seio materno que cheguei

qualquer coisa nas mãos de um psicopata
vira arma
até mesmo uma folha de papel
as vezes tento pegar a vida de quatro
mas há dias em que ela está preparada
a espreita com um canivete escondido
ontem mesmo ela disse que queria
engravidar de mim só pra abortar meu filho.

 

Autor: Bruno Sanctus.

 

 

 

Auto evolução!

Tudo que eu sou e tudo que eu tenho,
eu adquiro pelo pensamento,
uso a lei da atração,
sem pensar em nada,
através da meditação
alinhado por cada chakra,
purificado pela respiração,
estou entre a física quântica
e o próprio coração,
com a metafísica determinando a visão,
e ficou claro,
que todas as dualidades do mundo
são ilusórias,
sobre Samsara,
vou terminar minha rotatória,
do meu brega até o vertice
foi aberto um portal,
agora eu transcendo
pela dinâmica de escoamento rotacional,
onde quer que eu esteja,
carrego nas costas meu próprio templo,
com o conhecimento tácito,
eu desvendei o espaço/tempo.

Autor -Guilherme Sousa-

 

 

Angústia

 

Há uma estranha beleza na noite ! Há uma estranha beleza !
Oh, a transcendente poesia
que verso algum traduz...

A via-láctea, inteiramente acesa
parece a fotografia
de um tufão de luz !

- Quem seria,
quem seria
que pregou lá no céu aquela imensa cruz?

Que infinita serenidade...
Que infinita serenidade misteriosa
nesse infinito azul dos céus e em tudo mais:
nos telhados, nas ruas, na cidade...

( Só os gatos gritam na noite silenciosa
sensualíssimos ais !)

Meu Deus, que noite calma... E aquela trepadeira
feminina e ligeira
veio abrir bem na minha janela
uma flor - como uma boca rubra e bela
que não terei...

- E ainda sinto nos lábios um travo nauseante
do amor que faz bem pouco, há apenas um instante,
paguei...

E o céu azul assim... E essa serenidade!
Silêncio- A noite, o luar ... Tão claro o luar lá fora...
Juraria que há alguém, não sei onde que chora...

Oh, a angústia invencível que me prostra
invade
e me devorar ...

(Poema de JG de Araujo Jorge, Cânticos – 1949)

 

 

MEUS DEVANEIOS POÉTICOS


Ah! Meu doce poeta sonhador
venha me falar do teu amor
conta-me todos teus segredos
faça do meu corpo teu brinquedo,
abra a porta de tua gaiola
liberta esta saudade, mande-a embora,
traga-me tua liberdade meu poeta
quero este meu coração em festa,
vou preparar minha morada meu amor
perfumar minhas paredes com jasmim
afofar as almofadas da minha sala
colocar a nossa música preferida
mostrando para você, meu senhor
que tenho poder na tua vida,
vou colocar o vinho para gelar
aquele bem vermelho cor de sangue
para atiçar os nossos instintos
apaixonados, indomados sem limites,
deixando nossos sonhos reproduzirem
belas histórias para contarmos
em nossos versos rabiscados
na nossa pele macia, suada,
venha meu poeta acanhado
estou pronta a te esperar,
hoje a noite será nossa
para juntos versejar,
contaremos para nosso luar
como é gostoso nos amar.


Autora: Maura Rizzi.
Copyright "©" by Maura Rizzi

 

 

 

METAMORFIA

Celebre a muta
A muda
A mínima
As multas eles vão relembrar

Quando florescer nova margarida
Não espere alguém enxergar
Você habita no jardim da sua vida
Abraça tua novata flor singular

~ Naiara Ferreira

Que o Natal mais uma vez
Possa nos levar a uma reflexão
Sobre tudo e todos.
Um exame minucioso de atos e atitudes.
Que não seja apanes uma festa
Repleta de presentes
Mesas fartas...Mas um momento
De entendermos que um homem
Veio ao mundo e se entregou
De uma forma completa
Simplesmente por amor a mim, a você, a nós.
Ninguém o obrigou, ele o fez de livre 
Espontânea vontade. Então que um pouco
Desse amor flua em nossas vidas.
Portanto Papai Noel te peço licença
Porque o dono dessa linda 
Festa Chama-se JESUS CRISTO

Autor: Hannah Lessa

 

 

DEIXE-ME SONHAR


Ah! Meu amor deixe-me,
ser a lua que te namora
o sol que sente ciúmes
quando te vê caminhar
sorridente pela praia
olhando teu horizonte
tentando nele descobrir
como será teu dia hoje
tendo tua liberdade
livre e bela ao teu dispor,
eu de longe avisto tudo
namorando os olhos teus
que nem se quer imagina
destes sentimentos meus,
sinto meu corpo estremecer
minha pele no calor arrepiar
meu infinito no silêncio se agitar
anunciando-me a tempestade
transformando minha paz
num desejo tão sagaz
deixando seca minha boca,
meu coração louco acelera
minha alma se desespera
pelo imenso furacão
tomando conta de tudo
arrastando-me com força
cada vez mais perto
deste homem misterioso
que atiça meus infernos
tornando-me uma feiticeira
na arte do querer e do poder
amar-te com tanta força
até meu belo dia amanhecer,
Ah! meu amor te clamo agora,
quero nos meus lábios tua boca
sentindo a doçura do teu mel
flutuando em teus braços
pouso livre no teu céu.


Autor: Maura Rizzi
Copyright "©" by Maura Rizzi

 

 

ENQUANTO

Enquanto um se farta
De caviar russo
E champanhe francês
Outro roga preces
Exigindo a sua vez.
Enquanto um
Já nasce em berço de ouro
E com sangue
Comprovadamente azul.
Outro nasce de teimoso
Desafia as estatísticas
E vara a vida nu.
Enquanto um
Apregoa o egoísmo
Como verdadeiro altruísmo
Invertendo os valores
Se arvorando em senhor.
Outro divide cordato
A única moeda
Que lhe resta
E até em velório
Mantém o clima de festa
E nunca se esquece
Da secular promessa
Da morte abrupta
Do tigre de papel
e de todos os seus asseclas.

Autor: (Hudson Ribeiro)
Bom dia, asé!

 

 

 

Subterfugios da Razão

 

Acordei bem cedo e recolhi do rabo dos olhos
as réstias de estrelas.
Abri as janelas esquizofrênicas.
O sol discreto e as nuvens boêmias.
O chão era o teto e o teto nem se lembra.
Agora são rabiscos. Verbos quebrados.
Na democracia do achismo...
Sonhos e receptáculos.
Você me entendia tão bem
que era desnecessário o pleonasmo.
E agora a saudade lembra
que uma vogal só, não vira poema.

Autor: Bruno Sanctus.

 

 

 

Amor de jardim

Eu amo os antúrios, as avencas, e os abraço com a minha presença.
Sinto seu verde que tem cheiro de harmonia, de felicidade de natureza.
Tenho por meu melhor amigo o tinhorão e prezo minha confidente
a renda portuguesa.
Nesta energia tenho coragem, fico forte.
Olho a folhagem e acredito: comigo-ningum-pode!
O amor que eu os dou, me devolvem na exata medida.
Eu os adubo, molho, podo, e eles florescem,
crescem, enfeitam a minha vida.
Vivemos assim um jogo de sedução.
É a relação perfeita, ninguém quer a razão.
Eu espero deles esse carinho, eles esperam de mim o cuidado.
Cumprimento minha amiga jiboia
e pergunto: - como vai lirio do campo meu namorado?

Maio de 2007

Essa poesia foi publicada em 2014
Georgeane Lima

 

 

LOUCO FASCÍNIO

Enquanto 
Você manipula os meus passos 
Os meus doces beijos 
Os meus fortes abraços 
Quando nos encontramos 
Dentro de um demarcado ensejo

Pra você eu sou a bolacha perfeita 
Que satisfaz tua fome, teu desejo. 
O homem perfeito que te ajeita 
Quando quer degustar o teu beijo

Enquanto 
Você manipula meu jeito atencioso 
Eu me jogo no campo da fauna 
Dentro de um momento tão gostoso 
Como se eu estivesse numa sauna 
Em que o entrave se faz apetitoso 
Dentre as notáveis quatro paredes 
Em um jogo louco de apetites 
Onde faz parte saciar a tal sede 
Sem precisar de comparáveis arrebites 
Dentro de lances de alto-estimas 
Em cima de um badalado tapete 
Dentro de quarto de efeitos climas
Sem arandelas e lindos enfeites

Pra você eu sou a bolacha perfeita 
Que satisfaz tua fome, teu desejo. 
O homem perfeito que te ajeita 
Quando quer degustar o teu beijo

Enquanto 
Eu me deixo levar a um louco fascínio 
Que o momento justifica ser amável 
Você se faz o animal de domínio 
Constrói num devagar solitário
O tricotar de um final lamentável 
Que trará a mim a traiçoeira desilusão 
Em um jogo de lágrimas 
E amor invisível com feridas 
Que adentrará em meu coração 
Pra destruir o meu sorriso 
A minha vida

Pra você eu sou a bolacha perfeita 
Que satisfaz tua fome, teu desejo. 
O homem perfeito que te ajeita 
Quando quer degustar o teu beijo

LOUCO FASCÍNIO
Autor Maklerger Chamas

Escrito em (LOCAL)RUA MINISTRO GASTÃO MESQUITA, 538 antigo 552 Sumaré 
Data 22/12/1984
Dedicado à ZALDA MEIRE DE JEOWÁA
Registrado na B.N.B.

 

Convido a todos leitores e amigos a conhecerem mais dessa comunidade através do link:

www.facebook.com/groups/1520507001523301/1801649773409021/?notif_t=group_activity¬if_id=1477679838918158

 

Todos os direitos são reservados ao autor, conforme artigo (lei 9.610/98)