Marialva

Marialva

Ola leitores/ escritores

Ler é tão bom, e conhecer as pessoas também!
 

 

Irritada, com o frio, e sem muita alternativa Joana ia ter que encarar uma viagem de 18 horas dentro de um coletivo que seguia de São Paulo para o Rosário Do Sul. Então munida de muita roupa e um livro do Saramago, o dia da morte de Ricardo Reis, ela  conformada dirigia-se a estação rodoviária. “Que porcaria”!

A tia estava doente e pediu que Joana fosse, e tinha como negar isso? Pois a tia Maria era idosa e Joana adorava aquela velhinha, alias Joana só tinha duas tias por parte de pai, ainda vivas. Estavam no meio do ano e sem muito dinheiro para custear avião e ônibus e mais taxi, teve mesmo é que ir de ônibus, porque pagava uma coisa só e chegava claro, só que demorava um bocado mais também. 

 

Agora que estava a caminho a moça respirou aliviada. E já abrindo seu livro  quando ouviu a voz a seu lado.

-Ainda bem que o tempo está bonito, não?

Acenando positivamente Joana nem se dignou a olha-la, e continuou com a leitura. Sem se fazer de rogada a moça estendeu a mão para cumprimentá-la.

-Me chamo Marialva, muito prazer!

Beirando as lágrimas Joana pensou desconsolada: "Isso vai ser uma longa viagem". E forçando um sorriso, ela a cumprimentou também.

-Igualmente Marialva. Marialva esperava que ela dissesse seu nome e ela sabia disso, mas não disse. Continuando a olhar para o livro, e já com pouca esperança, Joana retoma a leitura, só para contrariar. Sua companheira de viagem era barulhenta, e logo estava mastigando biscoitos e bebendo ou suco ou água. Sem jeito para se concentrar na leitura Joana resolveu apreciar a paisagem enquanto ainda era dia. Marialva carregava uma mala térmica que, provavelmente era mais pesada que a bagagem de roupas. Risos...

Após rejeitar, agradecendo seu oferecimento de juntar-se a ela na comilança Joana liga os fones ao radio celular, e encerra de vez o contato imediato.Não demorou muito e ela cochilava ...Sabe aquela coisa mole e gostosa! Estava sonhando penso eu, e  adivinha? Dona coisinha a chamava, para perguntar-lhe se ia descer para jantar.

-Claro... Obrigada por me acordar!

Disse-lhe mal conseguindo se conter. Sentaram juntas no restaurante, e em dado momento Joana não se conteve, e perguntou-lhe:

-Onde tu vai descer Marialva?

-Vou até Uruguaiana e tu?

-Desço em Rosário Do Sul. Responde Joana desolada. Ia ter que atura-la então, pois Uruguaiana era depois de sua parada...

O bom é que Marialva conversava sozinha mesmo, Joana dava aquele sorrisinho "congelado", acenava positivamente quando conveniente ou negativamente, e a viagem foi indo... Quando finalmente as luzes se apagaram e todos pareciam dormir, a matraquenta silenciou e Joana também adormeceu.

Era madrugada ainda e o ônibus estava parado na rodovia. Um caminhão havia tombado na pista. Mais atrasos...

Depois de fazer sua higiene  Joana pega seu livro e começa a leitura deslizando mansamente para o mundo da literatura.

-Puxa vida ainda estamos aqui! Joana finge nem ser com ela o assunto. Nervosa, Marialva retruca.

- Tu deve gostar muito de ler hein! Prefere a companhia dos livros a das pessoas...

Joana se irrita visivelmente...

- Tu precisa de alguma coisa Marialva?

-Não, claro que não. Só esperava que fôssemos mais cordiais, uma vez que viajamos juntas tem mais de dez horas. Abismada Joana olha para a mulher como se a visse pela primeira vez.

-Que quer dizer? Já conversamos muito, e desde que entrei neste coletivo, nem deixa-me respirar, esta sempre querendo conversa e, sinto-me como se fosse obrigada a dar-lhe atenção

.-Áh muito obrigada por isso! Nem teu nome tu  se dignou a me dizer! Olhavam-se com raiva, até que... Explodiram em risadas...

-Ok ok. Talvez eu tenha sido descuidada quanto a isso, me desculpe. Chamo-me Joana, muito prazer. E ela estendeu a mão sorrindo abertamente, pela primeira vez. 

Na cabeça de Marialva era impossível alguém preferir ler, do que conhecer pessoas. "moça estranha!” 

-A posto que as histórias de pessoas reais são muito melhores que estas baboseiras dos livros.

-Não gosta de livros Marialva?

-Não gosto, nem desgosto. Só não os leio.

Joana não ficou surpresa, pois sabia que a maior parte dos brasileiros não tem habito de leitura.

-Olha eu não sou boa de conversa, mas sou boa ouvinte. E quero uma boa historia real agora, portanto capriche. Disse Joana em tom de desafio enquanto guardava seu livro.

Atarantada Marialva retruca:

- E por onde eu começo?

-Pelo principio. De onde tu é?

Nasci no município de Queimadas na Bahia. Vim morar em São Paulo já casada com o "estrupício" do meu ex marido...Tenho três filhos  e tenho netos também, que amo de paixão.

-Seus familiares ainda moram lá?

-Alguns, meus pais já morreram... Meu pai morreu primeiro, pois era muito mais velho que a minha mãe. Era um mestiço de português com árabe, raça ruim mesmo!

Sabe que o povo de lá, era na maioria miserável. Então quem tinha muitos filhos e não podia cria, distribuía para quem tinha condições. E às vezes nem eram aquelas "condições". Se tiverem comida para alimentar o pequeno, já bastava para ser presenteado com um "enjeitadinho".

-Isso aconteceu com sua mãe?

-Sim e ela ainda foi criada por um casal e quando ela cresceu um pouco, o homem não queria que ela pedisse-lhe a benção, e sim que deitasse com ele.

E assim foi... Minha mãe teve quatro filhos, e todos os quatros foram distribuídos, incluindo eu.

-Por quê?

-Vou saber? Meu pai era velho, não podia sustentar todos, era um preguiçoso, e minha mãe coitada, não podia dizer nada, não tinha trabalho, e ela também não sabia fazer nada. Eram outros tempos aqueles...

Joana ficou muda, escutando aquela história que mais parecia um dos personagens de vidas secas.

-E minha mãe cuidou da mulher dele, do meu pai, até ela ficar velhinha e morrer, pensa isso!

O meu pai era um vendedor de porta em porta sabe, e minha mãe sempre o acompanhava. E eu me lembro como se fosse hoje,  quando eles passavam na frente da casa da mulher onde eu fui criada. Eu gritava e chorava, implorava para me levarem com eles. Até hoje não consigo esquecer aquele sentimento de abandono.

Como para interromper a comoção de Marialva, Joana pergunta:

-Então voce já grandinha quando eles te "deram"?

-Eu tinha cinco anos. Minha sorte que a mulher que me criou, foi muito boa e me ensinou dignidade, me fazia trabalhar desde pequena.

Tanto que nunca deixei faltar nada para os meus filhos.

Voltando aos meus pais... Quando a minha mãe teve sua ultima filha, ela achava que o velho ia criar este, ele prometera, pois só havia os dois em casa agora.

Pois o infeliz deu um jeito, e desapareceu com a pequena sem ela saber. Foi ai que ela perdeu o juízo de vez. Os olhos de Marialva brilhavam...

 Éramos todos grandes já quando ela morreu. Uma história triste, não? Pois tem aos montes destas, espalhadas pelo sertão mocinha, todas muito reias e a maioria sem finais felizes.

Todos nós carregamos marcas de um passado, pesado, doido e dilacerado.

Por isso que tive que largar o cretino do meu marido, acredita! Ele sabia de minha história,  só  achava que podia usar isso para me diminuir na sua presença. A gota d'agua foi quando pensou que podia me bater.

Como tu vê Joana, temos passado e não negamos, mas temos presente também. E hoje não somos mais crianças.

-É verdade Marialva. E os teus irmãos mantém contato então?

-Sim... Falamo-nos e visitamo-nos com frequência. Respondeu sorrindo.

-Que coisa essa tua vida mulher! Que bom que superaram tudo e tocaram em frente. E quer saber, fico admirada mesmo, pois juntar pedaços de vida espalhados é muito difícil no entanto vocês parecem ter conseguido quando parecia mais fácil não fazer e continuar sofrendo por coisas do passado.

Quando criança não há muita opção pois dependem dos adultos, mas todos crescem e viram adultos...

Joana realmente não pegou mais o livro durante aquela viagem. E quando chegaram a Rosário ambas trocaram telefones, emails e despediram-se como se fossem velhas amigas.

- Na próxima vez, quero ouvir a "sua história" Jô!

- A minha é muito sem graça Marialva! 

E Marialva tornou-se inesquecível.

Guerreria Xue/Hilda Milk

https://www.facebook.com/GuerreiraXue/

http://escritoressemfronteiras2.blogspot.com.br

 

 

Artigos Literários por Hilda dos Santos Milk.

SENSO COMUM

Na rotina diária o homem respira, trabalha, come e dorme. Suas diversões são; futebol das quartas e a bebedeira das sextas, acompanhado de outros bêbados que chamam de hora feliz. Certo ou errado, cada um é que sabe de si. Algumas mulheres acompanham o ritmo, dando colorido ao...

O Ladrão do Tempo

Na era da escuridão ele já existia, e quando se fez a luz, ele ausentou-se, pois foi de ferias para África. Ao retornar ao país de origem ele estava entrado em anos, e os amigos de infância tinham morrido. E ele chorou. Nesse momento que ele percebeu que o tempo não ligava para a sua morte. Depois...

Tia Irene

Quando era menina morava na Vila Harmonia, e logo depois do rio vivia uma mulher sozinha, a quem todos chamavam de tia Irene, e se era minha, eu não sei. Há que se diga que esse nome é de bruxa mesmo. Segundo as línguas do lugar ela tirava mau-olhado, tristeza, devolvia a alegria e fazia homem...

Tudo que Encanta

Tudo que encanta se reflete no coração e na emoção de cada um, mas isso não quer dizer que a mesma coisa encante a todos da mesma maneira. A exemplo disso posso mencionar a Teresa. Uma moça que morava do lado de lá da ponte de São Seberi , e nem adianta procurar no mapa, porque esse lugar, eu...

Amor Perfeito

Ana Lucia era professora de matemática de Marquinhos na escola, e tinha um problema sério com o garoto. Toda vez que ela entrava na sala de aula, ele dormia. Ao se inteirar de seu histórico, Ana Lucia ficou sabendo que o menino era orfão de mãe e que morava com avó, uma senhora que vendia doces...

Sonhos Encantados

Rosilda me diz que sonha muito, e sonha tanto que ela nunca sabe se está dormindo ou acordada. Pois bem, uma vez a moça sonhou que se casava, e no dia seguinte foi ao mercadinho buscar vinagre, para a salada. E não se sabe porque cargas dágua, ela levou a cadela "Diana" consigo.  A Diana...

A Feiticeira

Dizem que elas são muitas, e moram em qualquer lugar. E dizer que não acredito seria perda de tempo, pois a vida é tão cheia de mistérios que não me surpreenderia se eu mesmo fosse uma. Então vá lá ... Uma vez, eu menina ainda, ia tomar banho no açude nas terras de meu pai, estava para completar...

O Homem e Sua Existência

A História do homem acontece desde os primórdios, e ainda nenhum "pensador" até hoje conseguiu decifrar de maneira conclusiva, o porquê de sua existência.   A natureza, dos animais e das plantas, dos céus e da terra está lá, a espera de respostas. O homem é criatura que subjuga,...

NOTA DA AUTORA

Ola,  para Novembro, Pelos Caminhos do Vento, nas livrarias Bertrand, Finac e Wook de Portugal. Pela Editora Pastelaria Studios, Obrigada Teresa Queiroz pela confiança e paciência. :) Esqueci de mencionar sobre a foto de capa! A imagem linda de sol é de Paulo Fernandes. E...

Impeachment de Dilma Rousseff

Hoje acontece a votação pelo impeachment de Dilma Roussef. Confesso que nem assisti a palhaçada toda, porque ao que me consta a queda "dela" já são favas contadas, independente do que se diga ou prove. O que dizer de um País que elege seu presidente pelo voto direto, e agora o tem acusado por...

THE OGRE AND THE WEAVER By Guerreira Xue

…ABOUT THE BOOK … As far as I know, these stories and tales are true journeys into the imaginary of our heads, and they cross the lines between curves and straight lines, between right and wrong, and ultimately everything is a life lesson, and each person interprets it their own way. The book deals...

Ecos Do Silencio

- Morreu esta madrugada, o residente do chalé 15 Joana. - Eu soube assim que cheguei. O que foi desta vez? Sorvendo seu café da manha, as enfermeiras trocam informações de rotina. -Coração, foi o que disse o atestado de óbito. Joana acabava de chegar para cumprir seu turno diário enquanto Amélia se...

Sem Futuro

Estou com medo do mundo que vamos deixar para os nossos netos. Eu sinceramente, não preciso acreditar em Deus ou em Diabo, queria mesmo era acreditar na humanidade de todos nós. Esses ataques terroristas pelo mundo são uma tentativa de desestabilizar uma sociedade que a muito tempo afogou-se no...

Era Uma Vez Na Toscana

  Madalena estava embrenhada  na papelada burocrática quando a secretária a interrompe. _Telefono sulla linea uno, Magdalene _Rispondo ora, grazie Ana. Magdalene a parlare. _Olá Madalena, é Lindolfo. Um silêncio no outro lado da linha... _Olá Lindolfo, como vai? Quantos anos...

O Amor de Além Mar

  Ao entrar em casa, Lindolfo é recebido com festa pelo cão tic-tac, que só sossega depois de ganhar sua ração diária. Ambos tinham uma vida em comum bem rotineira que começava cedo com uma caminhada matutina pela praia, uma parada para no café do Manuel, para o desjejum e passar os...

Era uma vez no México

Ao perguntar-se o que é a vida, e qual a finalidade da mesma, não saberíamos responder de pronto, mas uma coisa é certa; ora a vida é cheia, ora a vida é vazia, e ora a vida é pelo meio.  Sem sentir nada, é que ninguém passa. Talvez até esqueça o sentimento, mas duvido quem não sofreu ou...

Ana na Terra Sem Lei

Sabe aqueles dias comuns, feito por gente comum? Pois é, era num destes dias quando Ana estava voltando do trabalho para casa. “Que vou fazer para a janta? Ainda tenho que passar no mercado. Droga”! Enquanto espera o farol abrir pega no celular, e liga para casa. -Oi filha,...
1 | 2 | 3 >>

Artigos da Escritora Hilda dos Santos Milk.

LUZES E SOMBRAS

Entre as luzes e as sombras Ando em busca de meus caminhos Entre o meio fio e a rua  A floresta e a montanha Por entre flores e espinhos Ora sob a luz da lua Entre carros e gentes Permeio por aves e cobras Ora sob a luz do sol Vou tramando... E tecendo a vida feito um linho São tantos erros e...

O Ladrão do Tempo

Na era da escuridão ele já existia, e quando se fez a luz, ele ausentou-se, pois foi de ferias para África. Ao retornar ao país de origem ele estava entrado em anos, e os amigos de infância tinham morrido. E ele chorou. Nesse momento que ele percebeu que o tempo não ligava para a sua morte. Depois...
1 | 2 | 3 >>

Caminhos do vento!

LUZES E SOMBRAS

Entre as luzes e as sombras Ando em busca de meus caminhos Entre o meio fio e a rua A floresta e a montanha Por entre flores e espinhos Ora sob a luz da lua Entre carros e gentes Permeio por aves e cobras Ora sob a luz do sol Vou tramando... E tecendo a vida feito um linho São tantos erros e poucos...

Os Fantasmas

Hoje eles, os fantasmas,  vieram me visitar E ao recordar fizeram-me rir,  e fizeram-me chorar. Em meio a tantas lembranças  vieram os ciganos. que na beira do arroio vinham  todo verão acampar. E na casa do passado  ouvia-se o bando cantar com suas grandes...

A Palavra Poderosa

O poder da palavra vai além Da bala de metralhadora, Ela grita mais alto Que a bomba. Explode e não mata. A palavra pode te ferir Magoar, mentir, Ou falar a verdade. É uma questão A entender e refletir. A palavra pode te levantar Para seguir adiante Ou mesmo te derrubar. A palavra não tem idade Ou...

Princesa de Nada

O dia estava bonito E ela sentada na areia Construindo seu castelo Sonhando Sabe-se lá com o que Não vê o mar Não olha o horizonte Está como que encantada Carrega dentro de si A ilusão de amar E nela, está sendo amada Querida e desejada Tanto que nem percebe a chuva Que vem forte e rápida E a maré...

A Mascarada

Desde menina, ela era linda. Muito vaidosa, e admirada. Sua mãe dizia preocupada Não se gabe disso Porque a beleza de fora  o tempo leva Se quiser um dia ser amada Terá de ser capaz de mostrar O que poucos vão ver O que há dentro de você Porque isto Só a morte pode levar. O tempo passou, A...

TEMPO DE REDENÇÃO

Ela sabia que era culpada de sua cegueira. Embora tivesse sido julgada e absolvida, ainda era culpada. Ela levou-o para casa, cuidou de suas feridas que logo cicatrizaram, mas a visão, essa não foi recuperada. E não havia dia que ela não pensasse: “sou culpada!”. Mas a vida tem destas surpresas, e...

TRISTE LAMENTO

Olhai o trigo nos campos, meu filho Com ele alimente a alma, e aos seus Não criei o mundo para que seja destruído e sim nutrido por tudo que vos conforte o coração Não mate por ganância o seu igual porque isso não te fará único Poderoso ou imortal Reparta o seu pão pois do trigo virá muito...

Sonhos Rotos não Cabem Mais

  Alguns homens carregam o mundo com a leveza de uma pena. Outros são arrastados por enxurradas sem nada de seu à acrescentar. Além do que antes foi dito daquilo que um dia por outro alguém foi sonhado e em seus antigos pergaminhos já descrito existem novos sonhos que podem e devem ser...

Na Hora da Fome

No mundo redondo e perfeito O relógio vira na hora certa, Todos livres de preconceito E o tempo, uma porta aberta. A natureza produz o sustento O homem cuida da cria... A fera a espera do advento E o sol nasce todo dia O céu e a terra se misturam O cão e gata andam juntos O leão e a zebra...

Escolhas

 Para Onde Ir O homem encontra a mulher  no meio do caminho e pergunta -Para onde você vai? A mulher olha então para um lado, e vê Uma criança abandonada chorando, Olha para outro lado Há uma guerra em curso, Em outro, uma festa começando A mulher então...

Andejo

Ando no vento A balançar os cabelos Sinto a água da chuva A bater no meu rosto O chão deslizar sob meus pés Percebo o cheiro das arvores O barulho frenético dos carros Escuto as batidas de meu coração E hoje pareço mais viva  Do que jamais fui. Ando no vento A...

Intermitências

Intermitências   Intermitência é tudo  e um pedaço,  o que existe  e o que não,  o que vai e volta.   O relógio que rompe  e liberta o tempo,  o ruído do silêncio,  o nada que espera,  o tudo que já se foi.   A...

Eu Me Lembro

Eu me lembro Quando éramos crianças Que andávamos pelas pontes Corríamos atrás do trem E escalávamos os montes   E os pássaros sobrevoavam Pela volta toda do atol Subindo paras as nuvens Bebíamos da mesma fonte Seguíamos o caminho do sol   Eu me lembro Todos...

O Príncipe e a Escrava

Tudo a favor de nada Tudo vem vai tudo que dói alivia tudo que é noite vira dia e tudo que é tudo vira nada Ela era a bela princesa De uma grande nação Ele era o principe de outra E ambos não conheciam a servidão Um dia veio a guerra E com ela também a escravidão De moça...
1 | 2 | 3 >>