Laércio Tadeu Januário

Laércio Tadeu Januário

O mundo chamado Família.

 

        Neste louco mundo chamado Vida, somos nela lançados através do amor de nossos pais, esta concepção é apenas o início.

        Somos apresentados ao mundo através de uma tapa amigo do médico ou parteira, o primeiro choro, o primeiro cheiro, a primeira amamentação.

        Nascem os primeiros amigos, colegas e namoros.

        Conhecemos nossos primos, tios, avós e familiares, que durante toda nossa vida estarão ali, perto mesmo distante.

        Com a magia da vida, conhecemos pessoas que são mais que amigos, que mesmo sem termos o laço sanguíneo parental, o destino vai moldando-lhes pela saudade, carinho e amizade. Logo descobrimos que realmente eles são mais que amigos, são verdadeiros tios, primos, irmãos que a vida nos apresentou e presenteou-nos.

        Tão forte como o laço sanguíneo, nossa relação se torna espiritual, verdadeira, sólida, que nem mesmo a distância pode enfraquece-las ou destruí-las.

        Assim é a construção da nossa história; no seio de nossa família biológica nascemos, nossos amigos vem e aumentam, agregam, e somam nossos entes queridos, construindo assim laços fortes de relações espirituais e de amizade, que nem mesmo o tempo ou a distância apaga.

        Esta é a nossa vida, esta é a nossa família, esta é a história que deixaremos escrito neste mundo chamado de Terra.

 

        Com esta crônica quero apresentar um deste amigos que não são bem amigos, e sim, verdadeiros irmãos que Deus e o destino nos presenteou.

        Conheçam a crônica de Laércio Tadeu Januário de Santo André, São Paulo.

Leandro Campos Alves

Dezembro de 2016

 

 

 

A ROLHA

Por Laércio Tadeu Januário

 

        Dezembro de 1966 e muito calor em nossa Paranapiacaba. Era véspera de Natal e eu e meu primo estávamos no auge de nossos dezoito anos. Eu aguardava com ansiedade a chegada do Natal e do Ano Novo, as grandes festas de fim de ano. Para mim era uma emoção indescritível a abertura da nossa cesta de natal e a alegria contagiante de tios e primos na comemoração que fazíamos na casa de minha avó Alzira.

        Deus nos concedeu um domingo ensolarado, e eu e esse primo, sem ter combinado nada, fizemos uma extravagância sem precedentes. Compramos uma garrafa de champanhe e fomos caminhando por uma estrada de terra que vai de Paranapiacaba a Campo Grande, até chegarmos a um ponto conhecido como sítio do João Dias, local do qual tínhamos agradáveis lembranças de caçadas e pescarias realizadas em nossa infância.

        Acomodados entre árvores e gramados fomos bebericando nosso champanhe e conversando longamente sobre futebol, cinema, namoricos e principalmente, sobre sonhos, que era o combustível que movia nossas vidas em uma Paranapiacaba bucólica, aconchegante e feliz.

        Ao final de nossa doce e inocente aventura, deixamos a garrafa vazia no leito do rio transparente. A rolha foi cortada ao meio e em cada metade escrevemos a data 12/66. Cada um ficou com a sua metade como um tesouro, prometendo guardá-la como lembrança de um domingo ingenuamente feliz.

        O tempo passou e nunca mais falamos sobre esse assunto. A nossa convivência diminuiu em razão da vida agitada, mas nossa amizade perdurou, incluindo também as famílias que constituímos.

        Recentemente, já do alto dos nossos sessenta e tantos anos, combinamos uma reunião para um churrasco na casa desse primo, juntamente com nossas esposas e filhos. Lembrei-me então do fato ocorrido há tantos e tantos anos e antes de sair de minha casa fui procurar em meus guardados aquela metade de rolha que nunca tive coragem de deitar fora. Encontrei-a em uma caixa junto com outras preciosidades amareladas pelo tempo.

        O dia e a reunião transcorreram muito agradáveis e ao término de nosso encontro, no momento das despedidas, tirei do bolso o meu tesouro e perguntei ao meu primo se ele se lembrava daquele episódio de tantos anos atrás. Ele sorriu, pediu licença, e após alguns instantes retornou com a outra metade da rolha.

        Depois de aproximadamente 50 anos as duas metades da rolha foram novamente juntadas. O abraço carinhoso de dois primos/irmãos, saiu espontâneo, sem nenhuma tentativa de esconder a emoção.

 

A Rolha:

Por Laércio Tadeu Januário

 

Todos os direitos são reservados a autor, conforme artigo (lei 9.610/98)

 

Poemas, crônicas e textos de diversos Autores.

Leonia Teixeira

SOBRE LEONIA     Um ser humano como qualquer outro: Com erros e acertos, qualidades e defeitos, que ama a vida, os filhos, a família...Apaixonada por música, poema e poesia, que tem como hobby escrever e que pensa assim: "Ninguém é maior nem menor do que eu, somos da mesma...

Luisa Brás Pacheco

Poemas Poemas são mais que palavras Rimas, versos ou quadras cantadas Poesia é livre, mesmo acorrentada Tece teias nas inquietas madrugadas Embala sonhos quando acordada No sol que desponta no horizonte Na água que brota da fonte No cheiro a terra molhada No vento que sopra no monte E nas...

Vinícius Reis

    O texto é ótimo, porém com um nível cultural de verbetes e uma singularidade muito expressiva, posso afirmar que a compreensão só dará aos leitores elevados de cultura, por sua complexidade na estrutura.     Mas esta minha humilde opinião não é negativa, e sim,...

A Promessa

        Um rapaz de Cascavel - PR comprou uma moto mas não tinha habilitação, passeando com sua moto pela BR 277 vendo uma blitz da PRF de longe, não tendo como voltar ele desceu da moto e foi empurrando. Passando pela blitz o policial o chamou mas ele já foi logo...

Valdeck Almeida de Jesus

A chegada de Michel Temer no Inferno   Batizado com esse nome É mesmo para temer, Pois parece aquele verbo Criado pra estremecer Todo mundo se amedronta Somente de ouvir dizer.   Ele foi para o inferno Buscar força pra mandar Acabou com o capeta Destruiu tudo por...

Ligia Beltrão

Nós Perfeição   Amo as tuas mãos delicadas Que tiram do meu corpo canções Nas noites pálidas e enluaradas Dentro de nós vibram as emoções   Meus olhos vagam num mar incerto Dos desejos que em meu corpo tremem De pensar em ti de mim tão perto Palavras tontas... Versos que...

Gisiéle Gargioni

        O que falar de um talento assim?         Sei que palavras talvez não seja suficiente para descrever uma poetisa plena, completa.         Me rendo aos poemas de Gisiéle Gargioni – “A princesa da serra...

Laércio Tadeu Januário

O mundo chamado Família.           Neste louco mundo chamado Vida, somos nela lançados através do amor de nossos pais, esta concepção é apenas o início.         Somos apresentados ao mundo através de uma tapa amigo do médico ou...

Memorias de Guerra- Trajetória de Vidas Vividas

        Como não abrir espaço para uma crônica de reflexão destas?         Como não pensar em vitoriosos e derrotados em guerras desumanas?         Como não pensar na vida?      ...

Deunice Maria Andrade.

A fé nos traz a paz, harmoniza nossos sentimentos, abastece nossas forças. Assim como a fé, as palavras, pensamentos e sentimento nobres rega nossa fé. Conheçam um pouco a poetisa que encanta e canta a vida. Leandro Campos Alves. Setembro de 2016.         Conheçam seus...

Miquiáine Laurenço

O que falar de poemas, sem conhecê-los? O que pensar da vida, sem vivê-la? O que imaginar da cultura, sem lê-la?           Cada dia admiro mais as pessoas e os talentos de cada amigo, descubro sonhos e pensamentos, viajo por versos, estrofes e romances.  ...

Hugo Dias "Marduk".

Foi   Foi obra na escuridão, na arte da verdade que nasceu, as flores que sorriu, para o norte que cresceu. Foi corvo que para a morte, no cântico da noite corveja, desprezando a inimizade, da antipatia que inveja. Foi lobos que uivou, sabendo que a noite voltava, os desejos conscientes e...

Neon - Luís Felipe

Mestre dos ladrões   Deguste o vinho, Mais caro que a vida de teu irmão Enquanto tuas bombas explodem em longínqua terra Surdez perante a sinfonia do desespero Leviatã, o simplório ladrão Não esconde o sangue em suas mãos Os que enxergam, mas não possuem visão Se põem a servir, festejar e...

Luciano Spagnol

POETA MINEIRO DO CERRADO Poeta do cerrado, simplista, mineiro de Araguari, fevereiro de 1958, mariano, formado em Fisioterapia pela UCP, Petrópolis, criado no Rio de Janeiro.   "Sou alma do cerrado, pé no chão, do Triângulo, do chapadão... Pão de queijo com café, fogão de lenha, das vilas...

Ione Kadlec

  Ione Kadlec   Graduada em Letras e Pós-graduada em Psicopedagogia na Educação. Autora do livro O Enigma dos Guardiões, Editora Biblioteca 24 horas.  O livro, literatura Fantástica, nasceu com o intuito de por, no papel, ideias da filha única. E, assim, neste encontro de...

Ricardo Cunha Costa

CALOROSA Abraça-me! Abre os braços aos abraços Há tanto que esperando te envolver. Deixa-me, ao te tocar, enternecer Porquanto me reténs os olhos baços. Para o bem ou não, toma-me em teus braços, Sob pena de jamais acontecer... E, entregues à alegria, ousemos ser Apenas dois ladeando breves...

Sainz José del Río.

Luis Alberto de Cuenca escrever uma introdução para as obras completas de esse poeta santanderino. É chamar o seguinte. JOSEPH RIO Sainz é hoje, a partir de sua estátua no Sardinero Santander, um poeta esquecido. leitura obrigatória nas escolas e faculdades transformaram a...

Mahe Leandro.

O que seria do mundo sem as poetas? O que seria da história sem seus construtores? O que seria dos sentimentos sem a beleza da vida escritas em versos? O que seria da literatura sem os romancistas?   A vida seria vazia. A história faltaria partes. O versos não teriam sentidos. A literatura...

Cristiane Vilarinho.

        Cristiane Vilarinho é carioca, escritora e professora e roteirista. Cursando Letras e Literatura, é Professora em formação de professores no ensino fundamental. Curso de roteirista. Participou de oficinas literárias. Atualmente trabalha, única...

EDU LAZARO.

        Eduardo Brancaglioni Marquetti Lazaro conhecido por Edu Lazaro entre os amigos e o meio literário, é morador da grande São Paulo.         Estudante de Psicologia na Anhanguera Educacional; Eduardo encontrou em...

Fátima Pereira.

        Sonhos, sentimentos, a sensibilidade feminina nos versos do poema, poesias cheias de sentimentos puros que revelam a alma feminina.         Convido todos leitores a conhecerem o trabalho da Poetisa Fátima...

Maria de Lourdes Castelo Branco.

        Quero carinhosamente apresentar alguns trabalhos que tive o prazer em conhecer, a literatura nos revela amigos, sonhos, poetas e boêmios, que se desnudam em seus versos para mostrar-nos seus sentimentos.         Conheçam o trabalho...
1 | 2 | 3 >>

Escritores Convidados.

Rosalina Herai.

                    Nos caminhos das Gerais, os bandeirantes desvendaram as nossas montanhas atrás das riquezas minerais, mas deixaram em seu rastro fontes de conhecimento e cultura, que hoje temos o prazer de descobrir através...

Amgelica Maria Borges.

                          Quero apresentar a minha amiga poetiza, Amgelica Maria Borges,  de  Porto Judeu, Azores, Portugal, que vem nos presentear o nosso...

Nery Shirano.

          Toda obra literária tem a profundidade dos sentimentos de seu autor, e digo que a sensibilidade feminina nos leva aos caminhos dos sonhos, a viajar em versos e  parábolas dos sentimentos, por isso apresento o trabalho desta...

Juan Jerónimo González Malmierca

        La vida es increíble, en nuestros caminos se reunieron los amigos que nos acompañan durante toda la vida personal, pero también encontrar amigos en línea que se identifican con nosotros de una manera inspiradora, y compartiendo sus sueños y...

Rone Wulff Araújo de Carvalho Filho.

            Da terra de Monteiro Lobato, eu quero apresentar este jovem de sangue Paulista e origem Mineira, um promissor cineasta, que acompanho a sua evolução e amadurecimento no decorrer do...

Manuela Passarinho.

                    O mundo parece pequeno em frente à tecnologia virtual.                 Mesmo...

Deuseli Campos Alves.

  Como falar em amor à literatura, às letras e aos poemas, sem reverenciar à sua ligação materna. Ligação de amor às normas, ou simplesmente a ligação de sons e fonemas, que dá origem a nossas línguas e dialetos.   Como as letras se unem em uma Torre de...

Lucia Barros.

              Hoje tenho o prazer em apresentar aos meus amigos leitores o trabalho desta poetisa, que nos presenteia com sua dedicação no trabalho bem feito e a sensibilidade feminina na construção de seus poemas.  ...

Virgilio Teixeira dois talentos homônimos.

                      Dois homens, duas personalidades homônimas, mas com talentos indiscutíveis para a cultura mundial.         Um começou cedo a...

Poesia e Pensamentos por Antonia Albuquerque.

              No caminho das letras, romances, poemas e pensamentos, deparamos com algumas obras literárias realmente belas, dando-nos o prazer de comentá-las e muitas vezes divulgá-las em nossos espaços.   O...

Barão da Mata.

              No caminho da vida conhecemos muitos amigos, alguns daqui, outros de acolá, mas com uma peculiaridade em comum entre eles. Em nossa primeira visão somos cometidos ao erro de imaginar como elas...

O Sol e a Lua, por Leu Siva.

              O romance nasce através dos olhares perdidos, dos afagos recebidos e das palavras bem ditas.         Como o Sol, astro forte e masculino que nos abraça e...

Cavalheiro Verardo Neto.

              O caminho literário é surpreendente; quando pensamos que autores, poetas e trovadores só estão nas grandes cidades, eis que descubro próximo a minha cidade um amigo de letras e poemas, natural de uma...
<< 1 | 2 | 3 | 4