Filhos de Ninguém

Filhos de Ninguém
Bom dia leitores/escritores
 
"A suprema felicidade da vida é a convicção de ser amado por aquilo que você é, 
ou melhor, apesar daquilo que você é".
Victor Hugo
 
... E a pobreza enquanto se apresenta como "falta", tem qualquer coisa de cruel e imperdoável.
Lembrei-me de um caso que li certa vez, de um rapaz que tinha sido miserável  durante toda a sua infância.
Ele chorava muito, não conhecera seus pais, só lembrava de um velho a quem chamava de avô, por vezes pensava que devia ter feito alguma coisa para merecer aquilo, mas o quê? Ele apanhava dos arruaceiros, se escondia dos drogados, tinha medo da policia. Fazia pequenos serviços por uma refeição, e quando dava jeito ia até algum restaurante onde o dono lhe pedia para tirar o lixo em troca de comida.
Um dia ele foi adotado por uma bondosa senhora. Ela deu-lhe um teto, roupas, estudo, afeto e agora não faltava mais comida.
-Que pena o vô ter morrido - dizia para si.
Devagar, a boa senhora foi  lhe ensinando o significado da palavra dignidade, ensinou cuidados com o corpo, mandou para a escola. E Assim o moço foi crescendo, e por vezes ainda conseguia ensaiar um singelo sorriso em suas feições tão marcadas pela vida nas ruas.
Quando chegou na idade, o garoto agora homem feito, foi prestar o serviço militar, era obrigatório. e levado para uma guerra sem razão, ele não viveu sequer um mês.
Um dia qualquer a senhora recebeu seus pertences em mãos, e junto um telegrama com a notícia de sua morte em batalha e entre suas coisas tinha uma pequena carta dirigida a ela.
-Querida mãe. Porque me ensinaste tantas coisas boas? Não consigo matar, é mais certo que eu venha a morrer, e se eu não voltar quero que saiba que o tempo que passei com você, foi o melhor de tudo. Obrigado.
Dona Almerinda chorou como jamais havia chorado em toda a sua vida. Ficou sem comer e sem dormir, por algum tempo. Fez tratamento psicológico, porém parecia não querer mais viver, os amigos faziam o que podiam para tentar ajudá-la  a superar a dor daquela perda tão sofrida.
Ela era idosa já, e seu estado emocional a deixava fraca, suscetível as doenças. Um dia aconteceu um fato que mudou completamente  o curso de sua vida. Alguém bate a porta, e mal se aguentando em pé, Almerinda foi abrir achando ser a faxineira. Quem está na soleira da porta é uma menina miúda, de roupas rotas e olhos arregalados.
-Tem alguma coisa para eu fazer senhora? Preciso comer, por favor.
O que a senhora vislumbrava, ali bem na sua frente era o retrato da fome.
Sem qualquer gesto brusco ela abre a porta lentamente e dá passagem para a garota. Já dentro de casa, esta prepara e coloca um enorme sanduíche e um copo de leite em frente a pequena faminta. Em silêncio, ela se dirige para o quarto e vai dormir.
Quando acorda, muito tempo depois, sua amiga está lhe trazendo o jantar. E esta lhe pergunta da garota:
-Ela veio pedir o que comer e eu dei. Como é que voce sabe dela?
-Como sei?!  Ela lavou a louça, limpou a sua cozinha, varreu o quintal e quando cheguei ela estava aflita por voce ter dormido o dia todo.
Dona Almerinda ficou pensando. Aquela garota de rua podia ter ido embora depois de comer, e não foi. Podia ter-lhe carregado a casa inteira se assim o desejasse. No entanto ficou ali perto dela, uma velha que estava sozinha e parecia doente demais. E o que poderia ela fazer por mim? Nada. Porém. achou-se na obrigação de agradecer a comida oferecida.
Enquanto esperava, a menina foi lavando os pratos da pia e por vezes espiar no quarto para ver se a senhora respirava. Achou uma vassoura atrás da porta e seguiu varrendo...
-Não pode fazer isso Almerinda, abrir a porta para qualquer um, onde já se viu isso!
-Eu sei que é perigoso, mas o que é seguro nesta vida, me diga. E depois ela tinha fome e isso me deixa em vantagem sobre qualquer um que seja prisioneiro da fome.
Dona Almerinda ficou pensando. Aquela garota de rua podia ter ido embora depois de comer e não foi. Podia ter-lhe carregado a casa inteira se assim o desejasse, e no entanto ficou ali perto dela, que parecia frágil e doente demais. Que poderia ela fazer por mim? Nada. Porém achou-se na obrigação de agradecer a comida oferecida.
Dona Almerinda nunca mandou aquela menina embora, e a menina também nunca se foi.
As amigas ficaram de "olho", apreensivas pela amiga, esta poderia ser alvo de má fé da garota de rua.
O inusitado é que a senhorinha teve uma melhora de saúde surpreendente. Ambas tinham afeição uma pela outra. A garota, Janaina era o seu nome, falava pouco, e levou muito tempo para contar sua história. Almerinda entendia e respeitava, porém, um dado novo traz mudanças irreversíveis outra vez em suas vidas.
 Uma noite, ouvindo as noticias enquanto tricotava um suéter, e Janaina que estava em seu quarto entra na sala para pegar um livro e vê na televisão a foto de um delinquente e começa a gritar.
A velha senhora sem entender, pensando que ela estava com dores, corre a acudir.
-Que foi meu bem? Sente-se mal?
-Não deixe ele me achar, por favor
-Calma, calma, está tudo bem. Ninguém vai te fazer mal. Depois  de acalentada. a menina começa sua narrativa
-Eu morei com aquele homem que apareceu na televisão.
Ele me usava de mulher dele e me dava para seus amigos fazerem o mesmo. Fugi várias vezes, mas ele me achava sempre. Dizia que se eu fugisse novamente me mataria desta vez e me fazia dizer a todos que era meu pai, mas imagino que não era mesmo, as famílias se cuidam e ele só ganhava dinheiro comigo. Não queria lhe dizer nada disso, me desculpe. É tudo tão feio que a senhora vai sentir nojo de mim agora. Eu fui encontrada no lixo quando criança e uma irmã dele me levou pra casa numa noite chuvosa. E isso é  tudo que sei do meu nascimento.
Dona Almerinda mal conseguia conter-se de emoção.
-E a tal irmã dele, onde está?
-Ela morreu  por causa de droga, faz muito tempo.
Se ele me descobrir aqui, terei de voltar para casa, pois é capaz de ameaçar sua vida também.
-Ai  minha filha querida! Vai longe o tempo que eu sentia medo - disse a senhora sorrindo de leve
- Bem... Acho que chega de emoções por hoje, vamos dormir agora, amanhã é outro dia. Vamos resolver isso tudo, prometo.
O homem a quem a menina se referia estava preso agora, ela não sabia e era por isso que seu rosto estava estampado em rede nacional.
No dia seguinte bem cedinho Dona Almerinda vai em busca de informações para adotar Janaina. Não é fácil vencer a burocracia, mas foi com grande alegria que Janaina se descobriu filha de Almerinda.
-Esta é sua casa agora, e eu sou sua mãe. Janaina chorou muito abraçada a sua mãe e quando conseguiu dizer qualquer coisa , murmurou um agradecimento.
Hoje em dia a mãe já é falecida, porém deixou Janaina crescida e médica formada.
Dizem suas amigas que antes de fechar seus olhos ela disse à filha adotiva:
-Quero-te dizer o quanto sou grata por ter você em minha vida. Acho mesmo que tive muita sorte. Vivi duas vidas. E foi por causa de você que eu ressuscitei.
Janaina emocionada também dizia:
-Eu também tive sorte e duas vidas.
As amigas estavam todas lá juntas, e de fato nunca tinham visto uma pessoa morrer feliz.
Janaina não estava mais sozinha agora, pois eu filho nasceria logo, as amigas de Dona Almerinda esperavam sinceramente que ela e o marido fossem muito felizes.
 
Desta narrativa só uma coisa é certa, o mundo ficou mais vazio sem a presença de Almerinda.
 Era tão bom se todos os filhos de ninguém encontrassem alguém!
 
Guerreira Xue/Hilda Milk
https://www.facebook.com/GuerreiraXue
http://escritoressemfronteiras2.blogspot.com.br
 

Artigos da Escritora Hilda dos Santos Milk.

Hilda dos Santos Milk/ Guerreira Xue

        Hilda dos Santos Milk/GuerreiraXue, nascida aos 24/08 em Rosário do Sul, no estado do RS.         Atualmente residente em São Paulo desde 1987.         Trabalhou em diversas atividades, sendo vendedora...

O Ogro e a Tecelã.

              Apresento-vos o livro infanto juvenil O O gro e a tecelã.             O livro fala sobre um garoto de...
1 | 2 | 3 >>

Caminhos do vento!

LUZES E SOMBRAS

Entre as luzes e as sombras Ando em busca de meus caminhos Entre o meio fio e a rua A floresta e a montanha Por entre flores e espinhos Ora sob a luz da lua Entre carros e gentes Permeio por aves e cobras Ora sob a luz do sol Vou tramando... E tecendo a vida feito um linho São tantos erros e poucos...

Os Fantasmas

Hoje eles, os fantasmas,  vieram me visitar E ao recordar fizeram-me rir,  e fizeram-me chorar. Em meio a tantas lembranças  vieram os ciganos. que na beira do arroio vinham  todo verão acampar. E na casa do passado  ouvia-se o bando cantar com suas grandes...

A Palavra Poderosa

O poder da palavra vai além Da bala de metralhadora, Ela grita mais alto Que a bomba. Explode e não mata. A palavra pode te ferir Magoar, mentir, Ou falar a verdade. É uma questão A entender e refletir. A palavra pode te levantar Para seguir adiante Ou mesmo te derrubar. A palavra não tem idade Ou...

Princesa de Nada

O dia estava bonito E ela sentada na areia Construindo seu castelo Sonhando Sabe-se lá com o que Não vê o mar Não olha o horizonte Está como que encantada Carrega dentro de si A ilusão de amar E nela, está sendo amada Querida e desejada Tanto que nem percebe a chuva Que vem forte e rápida E a maré...

A Mascarada

Desde menina, ela era linda. Muito vaidosa, e admirada. Sua mãe dizia preocupada Não se gabe disso Porque a beleza de fora  o tempo leva Se quiser um dia ser amada Terá de ser capaz de mostrar O que poucos vão ver O que há dentro de você Porque isto Só a morte pode levar. O tempo passou, A...

TEMPO DE REDENÇÃO

Ela sabia que era culpada de sua cegueira. Embora tivesse sido julgada e absolvida, ainda era culpada. Ela levou-o para casa, cuidou de suas feridas que logo cicatrizaram, mas a visão, essa não foi recuperada. E não havia dia que ela não pensasse: “sou culpada!”. Mas a vida tem destas surpresas, e...

TRISTE LAMENTO

Olhai o trigo nos campos, meu filho Com ele alimente a alma, e aos seus Não criei o mundo para que seja destruído e sim nutrido por tudo que vos conforte o coração Não mate por ganância o seu igual porque isso não te fará único Poderoso ou imortal Reparta o seu pão pois do trigo virá muito...

Sonhos Rotos não Cabem Mais

  Alguns homens carregam o mundo com a leveza de uma pena. Outros são arrastados por enxurradas sem nada de seu à acrescentar. Além do que antes foi dito daquilo que um dia por outro alguém foi sonhado e em seus antigos pergaminhos já descrito existem novos sonhos que podem e devem ser...

Na Hora da Fome

No mundo redondo e perfeito O relógio vira na hora certa, Todos livres de preconceito E o tempo, uma porta aberta. A natureza produz o sustento O homem cuida da cria... A fera a espera do advento E o sol nasce todo dia O céu e a terra se misturam O cão e gata andam juntos O leão e a zebra...

Escolhas

 Para Onde Ir O homem encontra a mulher  no meio do caminho e pergunta -Para onde você vai? A mulher olha então para um lado, e vê Uma criança abandonada chorando, Olha para outro lado Há uma guerra em curso, Em outro, uma festa começando A mulher então...

Andejo

Ando no vento A balançar os cabelos Sinto a água da chuva A bater no meu rosto O chão deslizar sob meus pés Percebo o cheiro das arvores O barulho frenético dos carros Escuto as batidas de meu coração E hoje pareço mais viva  Do que jamais fui. Ando no vento A...

Intermitências

Intermitências   Intermitência é tudo  e um pedaço,  o que existe  e o que não,  o que vai e volta.   O relógio que rompe  e liberta o tempo,  o ruído do silêncio,  o nada que espera,  o tudo que já se foi.   A...

Eu Me Lembro

Eu me lembro Quando éramos crianças Que andávamos pelas pontes Corríamos atrás do trem E escalávamos os montes   E os pássaros sobrevoavam Pela volta toda do atol Subindo paras as nuvens Bebíamos da mesma fonte Seguíamos o caminho do sol   Eu me lembro Todos...

O Príncipe e a Escrava

Tudo a favor de nada Tudo vem vai tudo que dói alivia tudo que é noite vira dia e tudo que é tudo vira nada Ela era a bela princesa De uma grande nação Ele era o principe de outra E ambos não conheciam a servidão Um dia veio a guerra E com ela também a escravidão De moça...

Viagem

Pela fresta da janela Percebo um raio de luar Escuto o silêncio da floresta E o pensamento  Começa a viajar... Nem sei direito para onde vai,  Mas vai voar.   Eu que achava já,  Ser a dona de mim  Quase não consigo controlar, Esta avalanche de...

Salvem a Síria/Save the Síria

Onde anda o Amor que não encontro Onde estão meus filhos que eu perdi A mulher  da qual dela nasci Todos se foram morreram Só eu sobrevivi porque nos matam se somos todos iguais Até ontem eu era um sujeito de sorte Eu tinha a minha casa a minha família E dormíamos embalados  em sorrisos e...

O Velho Pirata

Remem escravos  Gritava o homem demente pois é qualquer dia  bom dia para navegar E ao olhar em volta o velho marinheiro mirando firme no horizonte  continuava a berrar Icem as velas marujos Não tenham medo porque a vida e a morte  andam ai por todo lugar...
1 | 2 | 3 >>

Artigos Literários por Hilda dos Santos Milk.

SENSO COMUM

Na rotina diária o homem respira, trabalha, come e dorme. Suas diversões são; futebol das quartas e a bebedeira das sextas, acompanhado de outros bêbados que chamam de hora feliz. Certo ou errado, cada um é que sabe de si. Algumas mulheres acompanham o ritmo, dando colorido ao...

O Ladrão do Tempo

Na era da escuridão ele já existia, e quando se fez a luz, ele ausentou-se, pois foi de ferias para África. Ao retornar ao país de origem ele estava entrado em anos, e os amigos de infância tinham morrido. E ele chorou. Nesse momento que ele percebeu que o tempo não ligava para a sua morte. Depois...

Tia Irene

Quando era menina morava na Vila Harmonia, e logo depois do rio vivia uma mulher sozinha, a quem todos chamavam de tia Irene, e se era minha, eu não sei. Há que se diga que esse nome é de bruxa mesmo. Segundo as línguas do lugar ela tirava mau-olhado, tristeza, devolvia a alegria e fazia homem...

Tudo que Encanta

Tudo que encanta se reflete no coração e na emoção de cada um, mas isso não quer dizer que a mesma coisa encante a todos da mesma maneira. A exemplo disso posso mencionar a Teresa. Uma moça que morava do lado de lá da ponte de São Seberi , e nem adianta procurar no mapa, porque esse lugar, eu...

Amor Perfeito

Ana Lucia era professora de matemática de Marquinhos na escola, e tinha um problema sério com o garoto. Toda vez que ela entrava na sala de aula, ele dormia. Ao se inteirar de seu histórico, Ana Lucia ficou sabendo que o menino era orfão de mãe e que morava com avó, uma senhora que vendia doces...

Sonhos Encantados

Rosilda me diz que sonha muito, e sonha tanto que ela nunca sabe se está dormindo ou acordada. Pois bem, uma vez a moça sonhou que se casava, e no dia seguinte foi ao mercadinho buscar vinagre, para a salada. E não se sabe porque cargas dágua, ela levou a cadela "Diana" consigo.  A Diana...

A Feiticeira

Dizem que elas são muitas, e moram em qualquer lugar. E dizer que não acredito seria perda de tempo, pois a vida é tão cheia de mistérios que não me surpreenderia se eu mesmo fosse uma. Então vá lá ... Uma vez, eu menina ainda, ia tomar banho no açude nas terras de meu pai, estava para completar...

O Homem e Sua Existência

A História do homem acontece desde os primórdios, e ainda nenhum "pensador" até hoje conseguiu decifrar de maneira conclusiva, o porquê de sua existência.   A natureza, dos animais e das plantas, dos céus e da terra está lá, a espera de respostas. O homem é criatura que subjuga,...

NOTA DA AUTORA

Ola,  para Novembro, Pelos Caminhos do Vento, nas livrarias Bertrand, Finac e Wook de Portugal. Pela Editora Pastelaria Studios, Obrigada Teresa Queiroz pela confiança e paciência. :) Esqueci de mencionar sobre a foto de capa! A imagem linda de sol é de Paulo Fernandes. E...

Impeachment de Dilma Rousseff

Hoje acontece a votação pelo impeachment de Dilma Roussef. Confesso que nem assisti a palhaçada toda, porque ao que me consta a queda "dela" já são favas contadas, independente do que se diga ou prove. O que dizer de um País que elege seu presidente pelo voto direto, e agora o tem acusado por...

THE OGRE AND THE WEAVER By Guerreira Xue

…ABOUT THE BOOK … As far as I know, these stories and tales are true journeys into the imaginary of our heads, and they cross the lines between curves and straight lines, between right and wrong, and ultimately everything is a life lesson, and each person interprets it their own way. The book deals...

Ecos Do Silencio

- Morreu esta madrugada, o residente do chalé 15 Joana. - Eu soube assim que cheguei. O que foi desta vez? Sorvendo seu café da manha, as enfermeiras trocam informações de rotina. -Coração, foi o que disse o atestado de óbito. Joana acabava de chegar para cumprir seu turno diário enquanto Amélia se...

Sem Futuro

Estou com medo do mundo que vamos deixar para os nossos netos. Eu sinceramente, não preciso acreditar em Deus ou em Diabo, queria mesmo era acreditar na humanidade de todos nós. Esses ataques terroristas pelo mundo são uma tentativa de desestabilizar uma sociedade que a muito tempo afogou-se no...

Era Uma Vez Na Toscana

  Madalena estava embrenhada  na papelada burocrática quando a secretária a interrompe. _Telefono sulla linea uno, Magdalene _Rispondo ora, grazie Ana. Magdalene a parlare. _Olá Madalena, é Lindolfo. Um silêncio no outro lado da linha... _Olá Lindolfo, como vai? Quantos anos...

O Amor de Além Mar

  Ao entrar em casa, Lindolfo é recebido com festa pelo cão tic-tac, que só sossega depois de ganhar sua ração diária. Ambos tinham uma vida em comum bem rotineira que começava cedo com uma caminhada matutina pela praia, uma parada para no café do Manuel, para o desjejum e passar os...

Era uma vez no México

Ao perguntar-se o que é a vida, e qual a finalidade da mesma, não saberíamos responder de pronto, mas uma coisa é certa; ora a vida é cheia, ora a vida é vazia, e ora a vida é pelo meio.  Sem sentir nada, é que ninguém passa. Talvez até esqueça o sentimento, mas duvido quem não sofreu ou...

Ana na Terra Sem Lei

Sabe aqueles dias comuns, feito por gente comum? Pois é, era num destes dias quando Ana estava voltando do trabalho para casa. “Que vou fazer para a janta? Ainda tenho que passar no mercado. Droga”! Enquanto espera o farol abrir pega no celular, e liga para casa. -Oi filha,...

Amar uns aos outros

  Ai ai... Queria entender como pode um "ser", ser capaz de fazer mal à seu próximo, e como uma suspeita pode provocar atos tresloucados de crueldade sem qualquer direito à redenção! Nossa sociedade está doente, e com ela vamos ficando também. Como queremos um mundo melhor, no meio...
1 | 2 | 3 >>