Como e porquê os restos mortais do poeta permanecem em Leopoldina

Como e porquê os restos mortais do poeta permanecem em Leopoldina
por Luja Machado e Nilza Cantoni 


O personagem de hoje é conhecido de todos e se faz presente para que não fique esquecida a sua data de morte há 102 anos e o Jubileu de Prata do Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos.
 
Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos era filho de Córdula de Carvalho e de Alexandre Rodrigues dos Anjos Filho, o pernambucano que perambulou pelo nordeste como promotor público em Granja (CE), Aracahú (Aracati?) (CE), em Atalaya (AL), Pedra de Fogo (PB) e, como Juiz Municipal em Ipú (CE). 
 
Um menino que nasceu a 20 de abril de 1884 no Engenho do Pau D’Arco, no interior da Paraíba e foi batizado no dia 27 de fevereiro de 1885 na Igreja de Nossa Senhora dos Anjos em São Miguel de Taipu, PB, na zona canavieira do vale do Rio Una.
 
 
 
 
Um homem que se casou em João Pessoa (PB) e um dia abandonou o nordeste para fixar residência no Rio de Janeiro (RJ), onde trabalhou o quanto e no que pode para sustentar a si e aos seus. 
 
Augusto dos Anjos, que estudou em Recife e tendo muitas outras cidades como referência, um dia foi indicado para dirigir uma escola no final de um ramal ferroviário no interior de Minas Gerais. Juntou a família e embarcou nesse Trem. Nesta nova terra continuou fazendo versos que ainda hoje encantam e granjeou admiradores que lhe teceram elogios mil. 
 
Moacyr Carneiro[1] afirma em entrevista que Augusto, ao ser indagado sobre sua poesia ser triste, respondeu:
 
“Meu filho, o meu poema vem como o meu espírito o dita. É isto. O mundo, meu caro aluno, é o pior lugar do mundo. A desilusão ocorre em todos os níveis. Eu já nasci desiludido de tudo e de todos.”
 
Augusto dos Anjos criou discípulos, angariou amigos e construiu uma bela História de amor à terra que adotou. A doença lhe corroeu as entranhas e lhe tirou a vida ainda jovem, mas ele desejou permanecer na terra que o acolheu. Augusto dos Anjos faleceu em Leopoldina (MG) no dia 12 de novembro de 1914. 
 
Na previsão emocionada de José Oiticica, segundo Fausto Cunha[2], a morte de Augusto dos Anjos só se comparava à morte prematura de Castro Alves: “Poucos o compreenderão hoje [...] No futuro será, sem possível dúvida, o mais assinalado poeta brasileiro de seu tempo.”
 
Júlio Ferreira Caboclo foi um grande divulgador e incentivador do culto à obra do poeta em aulas e matérias publicadas. E de tal modo o fez, que se tornou uma figura indissociável da trajetória de Augusto dos Anjos entre a juventude leopoldinense. Os textos que produziu sobre o “rapaz de cérebro de ouro”[3] o confirmam. 
 
Além disto, no dia 25 de junho de 1925, Júlio ajudou a fundar o Grêmio Lítero-Artístico Augusto dos Anjos[4], do qual foi o primeiro presidente. E foi com o apoio dele que, para comemorar o décimo segundo aniversário de morte de Augusto dos Anjos, em 1926, o Grêmio promoveu uma romaria ao túmulo e uma sessão solene que incluiu a denominada Missa de Arte, na qual falaram vários oradores.
 
Passado algum tempo começaram a surgir movimentos com o objetivo de levar os restos mortais de Augusto dos Anjos de volta à Paraíba. No final da década de 1940 estava sendo idealizada a construção, em João Pessoa, de um monumento a Augusto dos Anjos. Entre as diversas notícias a respeito, uma delas, de 1947, acrescentava[5] que os restos mortais do poeta seriam trasladados de Minas Gerais para a capital paraibana. No ano seguinte o mesmo periódico[6] informava que os jornalistas do estado natal de Augusto dos Anjos estavam “trabalhando junto ao governo para fazer a trasladação das cinzas do poeta” de Leopoldina para João Pessoa. Por outro lado, um jornalista recifense declarou que “os descendentes de Augusto dos Anjos nunca se mostraram desejosos das trasladações”.
 
Nesta época circularam rumores a respeito do túmulo do poeta em Leopoldina e em 1952 Henrique Gonzalez ressaltou[7] que os leopoldinenses ignoravam ter hospedado “um dos maiores poetas brasileiros” e ilustrou sua matéria com uma foto “do tosco túmulo cento e quarenta e nove”.
 
Túmulo de Augusto dos Anjos em 1952Túmulo de Augusto dos Anjos em 1956
 
 
Gonzalez não estava totalmente enganado porque, a despeito de Julio Caboclo e Barroso Júnior terem publicado na imprensa do Rio de Janeiro vários artigos sobre Augusto dos Anjos, havia algum desconhecimento por parte dos moradores da cidade. Fato que se observou ao entrevistar pessoas que estudaram no Grupo Escolar Ribeiro Junqueira em meados da década de 1930, quais quais pouco sabiam sobre o poeta que foi diretor daquela instituição e acreditavam que o túmulo estaria vazio, que os ossos teriam sido levados embora.
 
Mas o poeta não estava esquecido! Esforços variados resultaram na construção do Mausoléu de Augusto dos Anjos, inaugurado no dia 11 de janeiro de 1964 quando a cidade recebeu[8] a então denominada Caravana da Cultura, patrocinada pela Rádio MEC, composta pela Diretora da Rádio, pelo Ministro da Educação Pascoal Carlos Magno e pelo escritor Francisco Assis Barbosa, biógrafo do poeta, e com a presença dos filhos de Augusto dos Anjos.
 
Entretanto, a intenção de trasladar os restos mortais voltou a ser divulgada mais tarde, resultando na atitude dos dois filhos do poeta, Glória e Guilherme, de registrarem no Cartório do 15º Ofício de Notas da rua da Assembleia, 36, Rio de Janeiro, RJ, no dia 15 de setembro de 1977, uma declaração tornando público o “propósito irrevogável de não consentirmos sejam trasladadas do cemitério dessa cidade [de Leopoldina] as cinzas de nosso glorioso pai, que ali jazem, sob o túmulo nº 149 desde o ano de 1914”.
 
O documento foi encaminhado para registro pelo Oficial do Registro de Títulos e Documentos da Comarca de Leopoldina, Mauro de Almeida Pereira, que o transcreveu no Livro de Registro Integral de Títulos e Documentos nº B-4, fls 598 a 599, número de ordem 2438. Na mensagem, os filhos do poeta declaram

 

“plena convicção de estarmos cumprindo fielmente recomendação deixada, a tal respeito, por nossa inesquecível genitora, Esther Fialho Rodrigues dos Anjos” e que transmitiriam a orientação “aos netos e bisnetos de Augusto dos Anjos, ao abrigo do que dispõe o Código Civil Brasileiro em matéria de Direito de Família [...] no sentido de que permaneçam, no Campo Santo de Leopoldina, MG, os restos mortais do referido vate. [e reiteram] ao povo leopoldinense o profundo sentimento de gratidão pela veneração, pura e sincera, sempre devotada à memória de Augusto dos Anjos a quem nos derradeiros meses de sua vida, jamais deixou de dar inequívocas provas de solidariedade, que se estenderam, após a sua morte, à viúva e aos seus dois filhos, ao longo de muitos anos [tendo recebido] expressões de estima e decisivo apoio moral em momentos difíceis”.

 

Segundo Orlandino Rocha[9] em matéria publicada em 1980, o mausoléu de Augusto dos Anjos, no cemitério de Leopoldina, “já se converteu, inclusive, em atração turística. Ir a Leopoldina e não visitar o túmulo de Augusto é o mesmo que ir a Roma e não ver o Papa”.
 
De resto, conferindo a bagagem do viajante deste Trem de História se constata que Augusto dos Anjos teria deixado João Pessoa aborrecido com fato ocorrido em sua vida profissional naquela cidade. Rumou para o Rio de Janeiro em busca de melhores dias, mas não obteve o sucesso esperado. Recebeu um convite para vir para Leopoldina e aqui encontrou emprego, carinho, vida social e cultural. Fez amigos e deixou saudades, material suficiente para a sua permanência entre nós. Até hoje seu nome e obra merecem o respeito de todos os leopoldinenses. A cidade o homenageia com o Museu Espaço dos Anjos, na casa onde viveu seus últimos dias, e com a Escola Estadual Augusto dos Anjos. A Academia Leopoldinense de Letras e Artes – ALLA o escolheu como patrono. E este ano, realiza-se o 25º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos, criado em 1992 pela equipe da Biblioteca Municipal Luiz Eugênio Botelho capitaneada pela professora Maria Helena Vieira. 
 
Ele se disse “aquele que ficou sozinho, cantando sobre os ossos do caminho, a poesia de tudo quanto é morto[10]”. Mas está, em Leopoldina, rodeado de admiradores.
________________


Fontes Utilizadas:

MACHADO, Luja e CANTONI, Nilza. Augusto dos Anjos visto por alguns biógrafos e pensadores. Ensaio. Leopoldina, 2014, 37f, Centenário de Morte de Augusto dos Anjos.


[1] Gazeta de Leopoldina, 30 nov 1979, p. 6

[2] Jornal do Brasil, 20 abr 1974, Caderno Livro, p.2

[3] Revista Fon-Fon, Rio de Janeiro, 30 out 1926, seção Caixilhos

[4] Revista Brasil Progresso, Rio de Janeiro, setembro 1925

[5] Illustração Brasileira, Rio de Janeiro, agosto 1947, ed 148 p. 37

[6] Idem, abril 1948, ed 156, p. 37

[7] O Malhor, Rio de Janeiro, julho 1952, ed 150 p. 18

[8] A Noite, Rio de Janeiro, 10 jan 1964, ed 17513 p. 8

[9] O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 15 jan 1980, ed 10 p. 71

[10] ANJOS, Augusto dos. O Poeta do Hediondo. In: Eu e Outras Poesias. 42. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998. p 65

 
 

 

Fonte: Academia Leopoldinense

 

Todos os direitos são reservados as autoras Luja Machado e Nilza Cantoni e a Academia Leopoldinense, conforme lei (9.610/98).

 

 

Notícias Diversas.

PARA ONDE VAI A CULTURA?

      Por : Aldo Moraes           Depois da tentativa de extinção do Ministério da Cultura, veio a redução de orçamento e o corte em importantes editais que valorizavam a memória, a formação de público e a criação artística no Brasil. De Norte a...

14º Concurso Nacional de Contos Josué Guimarães

             Promovido pela Secretaria de Estado da Cultura, Turismo e Lazer do Rio Grande do Sul (Sedactel/RS), por meio do Instituto Estadual do Livro (IEL), em parceria com a Universidade de Passo Fundo (UPF) e a Prefeitura de Passo Fundo, o 14º...

O viajante poderá ser reconhecido como o maior poema mundial.

        A Deus agradeço e dou honra por esta dádiva, pois só ele é capaz de dar-nos o caminho da vida e mostrar-nos nosso objetivo no mundo.           Aos amigos quero alegremente comunicar que o livro “O Viajante” já está em fase de...

Serial killers não são doentes

  "Serial Killers não são doentes", diz a pedagoga autora de livro.                Simone Silva explica o que levou a traçar os perfis de 468 assassinos em série de todo o mundo.     PUBLICADO EM...

I Concurso Literário da Fundação de Cultura de Barra Mansa

        A Fundação de Cultura de Barra Mansa, por meio da Biblioteca Municipal Professora Adelaide da Cunha Franco, promove Concurso Literário Municipal, na categoria Poesia. As inscrições poderão ser realizadas até o dia 14 de julho, de forma gratuita.  ...

Vencedores do XIII Concurso Literário Poesias sem Fronteiras

    É com muita alegria que estamos revelando o resultado do XIII Concurso Literário Poesias sem Fronteiras, muito me alegra em ser o receptáculo de sonhos de inúmeros escritores de todo o Brasil e do Exterior.     A literatura é uma nobre arte que não pode ser...

Divulga Escritor e Texto Ideal

Divulga Escritor e Texto Ideal fecham parceria exclusiva para elaboração de textos literários profissionais Autor, profissionalize a apresentação do seu livro por meio de um texto profissional/jornalístico para divulgação de sua obra. Depois de muito trabalho, enfim, você conseguiu publicar seu...

2º Virada Cultural em Liberdade Minas Gerais.

        A virada cultural tem com finalidade valorizar e trazer as pessoas que fazem a cidade de Liberdade acontecer, através da arte.         No dia 02 de Julho de 2017 teremos apresentações musicais, artistas de Liberdade, declamação de...

Concurso contos Paulo Leminski 2017.

PREMIAÇÃO DO 27º CONCURSO (2016) h 1º Lugar “Formigueiro”, de Luiz Antônio de Souza Loredo, de Londrina, PR; h 2º Lugar: “Zé Firmino””, de Wilker Leite de Sousa, de São Berrnaro do Campo, SP; h 3º Lugar: “Felícia”, de Valverez Cardoso Gomes, da cidade de São Paulo, SP; h Melhor Conto Toledano:...

Enquanto o Brasil se escandaliza, sigo minha vida.

        Para o segundo semestre de 2017.         O poema que Deus me presenteou.         400 páginas e aproximadamente 10.000 versos, e mais de 1989 estrofes.           "O...

Jovens libertenses no campeonato mundial de dança nos EUA.

        É emocionante ver o tamanho dos talentos dos jovens e dos cidadãos de nossa cidade, com a apoio de instituições sérias e de profissionais que amam o que faz, este talentos são descobertos e lapidados, e aos poucos ganham o mundo.      ...

História da Academia de Letras, Ciências e Artes de Ponte Nova – ALEPON

        Corria o ano de 1994 e a cidade de Ponte Nova progredia no Comércio, na Saúde e na Educação, em dezenas de escolas públicas e particulares, SENAI, APAE, além de duas faculdades: a FAVAP (Faculdade do Vale do Piranga) e a FACCO (Faculdade de Ciências...

CONCURSO LITERÁRIO - Prêmio Professor Mário Clímaco /2017

XII CONCURSO LITERÁRIO ACADEMIA DE LETRAS, CIÊNCIAS E ARTES DE PONTE NOVA – ALEPON Reconhecida de Utilidade Pública pela Lei Municipal nº 2135 de 18/12/96, estadual pela Lei nº 19844 de 05/12/2011 e Federal pela Portaria nº 610 de 21/ 02/2013-CNPJ: 00 371 947/0001-09 CONCURSO LITERÁRIO – Prêmio...

OLHAR BILATERAL

Uma Antologia SAHAR em parceria com A.C.I.M.A     O projeto Antológico literário denominado: OLHAR BILATERAL é dedicado à promoção, difusão e valorização da literatura brasileira e lusófona no Brasil, e no Exterior.   Regulamento   1 – A Editora e Distribuidora SAHAR...

Possível Quebra do Record "Os Lusíadas".

        Aos amigos que acompanham minha vida, hoje informo que ficarei ausente por um bom tempo de minha publicações, mas isso não será um adeus, e sim um até logo.           Não será motivo de tristeza, e sim, de...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>

O País e o Mundo.

Tragédia em Pedrógão.

        Simplesmente não tenho palavras para falar neste momento sobre a tragédia que passam meus amigos em Portugal, alguns amigos moram na região que está em chamas e por eles eu oro, e também peço a Deus o conforto aos familiares e a toda população que estão no meio...

Zé Fumaça Dionísio

        Aos amigos leitores, peço licença e abro espaço carinhosamente na Literatura para apresentar este talento de Minas. Um grande intérprete que nos leva à felicidade de saber, que boas músicas como as interpretadas por Raul, Zé Geraldo, Ventania entre outros,...

Safra recorde 2017.

        Não sabia que o governo Brasileiro tinha o poder divino de Deus? ...         O Brasil anuncia safra recorde em 2017, e nosso presidente anuncia que é resultado de seu governo.         2013 – 2014 –...

Benfeitor Luís Antônio Caldas Hermida Marques.

          O mundo não tem limites, é vergonhoso ver a existência de pessoas que não promovem o bem, e denigre quem o faz.         Nesta semana o face do benfeitor Luís Antônio Caldas Hermida, foi “Rackeado” de uma forma infame, e...

Censura democrática? Ou Ditadura em cordeiro?

        Nesta semana o poder político nos mostra a sua face cruel novamente, pois na calada da ignorância e do medo dos movimentos populares, a classe política de nosso país mandou retirar do ar o vídeo que a igreja protege os menos favorecidos do nosso país, falando...

Débora Artes.

        A você meu amigo lojista, floristas ou noivas que estão organizando o sonho de sua vida, venho apresentar uma artesã que muito me chamou a atenção pelo seus trabalhos.          A perfeição das flores chega ao extremo de...

Tainã Falcão interpreta Elis Regina.

        Caxambu nos revela a cada dia a Cidade da Cultura, do laser, das descobertas.         Neste sábado 12 de maio de 2017, estava andando pelo centro de Caxambu, quando uma voz suave me chamou atenção, acompanhei os acordes e tive o...

1ª Feira de Gado e 6º Leilão de Gado Em Geral.

        Oportunidade de grandes negócios acontecerá no Recinto de Eventos Fabrícia Andrade Leilões em Liberdade Minas Gerais.         Você amigo pecuarista não pode ficar fora deste grande evento Regional, nos dias 25 – 26 e 27 de maio de...

Hotel e Restaurante Lagos da Mantiqueira

        O que falar de Paz?         Como achá-la?         É incrível termos um lugar assim tão perto, um lugar onde as pessoas nós atende com muito carinho e respeito, além de encontrarmos no meio do silêncio...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>